Guia da Semana

Sem chiado

O simples hábito de colocar um bebê para assistir TV com frequência pode acarretar problemas futuros e prejudicar seu desenvolvimento motor

Fotos: Getty Images

Os pais devem tomar cuidado para que o controle remoto não se torne o melhor amigo do filho

Você alimenta seu filho e o coloca para dormir. De repente, ele começa a chorar desesperadamente e você não consegue conter os berros. Balança daqui, chacoalha de lá, brinca, faz uma gracinha, e nada. Nessa hora você olha para o lado e ela está lá, pronta para entretê-lo. Uma ótima aliada nesse momento tenso parece ser a TV.

Porém, um estudo realizado recentemente pelo Children´s Hospital Boston e pela Harvard Medical School (EUA) recomenda que os bebês não assistam TV antes de completar dois anos. Ela pode influenciar no desenvolvimento do processo de aprendizagem e na aquisição de conhecimento da criança.

Sinal de perigo

Os irmãos, a bola de futebol e os vizinhos acabam cedendo espaço para desenhos animados, programas infantis, seriados, filmes e vídeos musicais. Dessa forma, o controle remoto torna-se o melhor amigo do seu filho. O estudo feito pelos centros especializados visitou mães e crianças logo após o nascimento, aos seis meses e aos três anos. Durante esse período, as mães completaram questionários sobre os hábitos televisivos dos pequenos, do primeiro ao segundo ano de vida. O resultado mostrou que a exposição das crianças às telinhas não é benéfica para o desenvolvimento cognitivo (aumento do processo de aprendizagem), mas também não chega a ser prejudicial.


O ideal é mesclar o uso na televisão com outras atividades motoras

Segundo a pediatra Maria Cristina Senna Duarte, o recém-nascido precisa de uma estimulação ativa com a face humana, e a TV é um instrumento passivo de interação. "Nos primeiros dois anos de vida, não é muito ideal. Colocar um bebê na frente da TV não é estímulo. A primeira coisa que um eles aprendem é a focar o olho no olho e uma ação em resposta ao que você faz. Assim, estimula as relações humanas. A TV tem diversas cores, o som, mesmo assim é passiva, pois não tem o contato", destaca.

Com a antena ligada

Ainda de acordo com os pesquisadores, novos estudos são necessários, mas eles já alertam os pais sobre a existência de análises que indicam que ver TV antes dos dois anos não é a melhor opção de estimular o aprendizado dos pequenos. De acordo com a pediatra, à medida que se estimula o bebê na fase que vai desde o nascimento até os dois anos (denominado período neuromotor), você contribui com a interação e o desenvolvimento físico. "Ele vai engatinhar, andar e é a fase de progresso. Quando você coloca seu filho sentado na frente da TV você o limita a isso, e nada mais", enfatiza Maria Cristina.

O hábito de ver TV não deve ser simplesmente banido da vida do seu pequeno. Contudo, conforme a pediatra, deve ser utilizado em alguns momentos, com limitações e durante poucos minutos. "Uma criança que só come ou dorme vendo televisão passa uma parte do tempo que deveria estar conhecendo coisas novas, em uma fase de experimentação, assistindo passivamente a imagens e cores. Não é para proibir, mas precisa ponderar", ressalva.
 

A TV não estimula a inteligência das crianças como o contato fisíco

Sem crise

A discussão a respeito de como levar a relação criança-TV não é novidade. Alguns dizem que é má, outros consideram-na enriquecedora, dependendo do conteúdo. Mas em um ponto todos concordam, que o consumo de TV e tecnologia audiovisual em geral, aumenta a cada dia.

Não existe uma idade ideal para começar a liberar seu filho a assistir TV. Afinal, existem programas educativos que, de certa forma, contribuem para o aumento da concentração, e seu pequeno pode aprender com algumas coisas. Mesmo assim, Maria Cristina não descarta riscos futuros. "Depois de um certo tempo, uma criança que ficou sempre vendo TV passa a crescer com esse hábito e vai fazer isso, correndo o risco de ficar obesa. Aliás, essa é a maior causa de obesidade infantil nos dias de hoje", ressalta.

Em relação à programação, as crianças, como vivem em fase de construção, costumam imitar o que assistem. Se assistir a programas violentos, não necessariamente será violenta, mas o melhor a fazer é procurar alternativas educativas. "O que interfere mais é o meio onde ela vive. Claro que vendo sempre um programa que estimule isso, e dependendo da personalidade da criança, ela pode repetir o que vê sem saber o que está fazendo", afirma a pediatra.


Um dos maiores problemas causados em crianças sedentárias é a obesidade infantil

Solução

Servindo como meio de entretenimento, educacional ou até mesmo apenas para distração, a TV está presente na vida da maior parte da população e as crianças não ficam de fora. Porém, a melhor forma dos pais estimularem seus filhos ainda é buscar reunir a família e realizar uma programação em conjunto, como uma caminhada, uma corrida ou jogar bola. Além de melhorar o convívio, faz bem para todos.

A TV é um meio de entretenimento, mas deve ser bem usada, pois ao se tornar um hábito para seu filho pode criar problemas futuros, de acordo com a pediatra. "A criança chega da escola, joga a mochila em um canto, liga a TV, a empregada ou a mãe já traz um prato de comida, ela come vendo, dorme à tarde vendo, acorda, janta assistindo TV. Dessa forma, elas podem engordar, criar problemas de coluna e, no futuro, tornarem-se adolescentes frustrados".

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte