Guia da Semana

Sempre nessa época

No período mais frio do ano, as chances dos pequenos ficarem doentes são maiores

Foto: Getty Images


Entre o outono e o inverno, as atenções e os cuidados precisam ser redobrados para que as crianças não fiquem doentes. Como a umidade relativa do ar diminui nesse período, os hospitais ficam lotados e muitos pequenos, inabilitados, com gripes e outras doenças respiratórias.

Outro motivo para o aumento de crianças doentes nesse período é a exposição em ambientes fechados, como creches e escolas. O ar não circula e o ambiente torna-se propício à infecção. "A transmissão de bactérias e vírus é mais fácil, por não ter muita ventilação nesses lugares", explica o Coordenador Médico do Hospital São Luiz, Unidade Anália Franco, Mauro Borghi. Com a ajuda dele e do pediatra e homeopata Moisés Chencisnki, o Guia da Semana apresenta as principais doenças e os cuidados que é preciso ter, principalmente, durante o inverno:

- Rinite: Inflamação das mucosas do nariz que aflige tanto adultos quanto crianças. São dois tipos: a alérgica (causada por ácaros, produtos químicos, cigarros e remédios) e a não alérgica (inflamação ou problemas na anatomia das vias nasais).

- Sinusite: É uma inflamação nas cavidades existentes ao redor do nariz, - chamados também de seios paranasais ou seios da face - muitas vezes associada a um processo infeccioso. As causas mais comuns que podem desencadear a sinusite são: virais, bacterianas e alérgicas. Essa doença pode ser aguda (dura quatro semanas ou menos), subaguda, (entre quatro e oito semanas), crônica, (mais de oito semanas e pode perdurar por meses ou até anos) e recorrente (vários ataques de sinusite aguda durante um ano).

- Asma: É uma inflamação crônica das vias aéreas que determina o seu estreitamento, causando dificuldade respiratória. Isso as torna sensíveis a estímulos, tais como alérgicos, irritantes químicos, fumaça de cigarro, ar frio ou exercícios físicos. Esta obstrução à passagem de ar pode ser revertida espontaneamente ou com uso de medicações.

- Pneumonia: Inflamação e infecção dos pulmões, local onde ocorrem as trocas gasosas, causada por bactérias, vírus, fungos e outros agentes infecciosos ou por substâncias químicas. Na pneumonia, os alvéolos (onde se realiza a troca de gás carbônico por oxigênio) se enchem de pus, muco e outros líquidos, o que impede o seu funcionamento. O oxigênio pode não alcançar o sangue, e as células do corpo não funcionam adequadamente.

- Otite: a famosa "dor de ouvido" é uma doença bacteriana, muito comum em crianças. O tratamento é feito com antibióticos, sempre sob prescrição médica.

Foto: Sxc.Hu



Qual a diferença?


Muito mais comuns do que as doenças citadas acima, a gripe e o resfriado atacam tanto adultos quanto crianças nessa época do ano. Mas, muitos acreditam que ambos são a mesma coisa, porém possui diferenças e bem visíveis. "Gripe e resfriado são doenças virais, que afetam as chamadas vias aéreas superiores (nariz, laringe, faringe etc). Ambas acometem as vias aéreas inferiores que são os brônquios e os pulmões. Porém, o resfriado é causado por mais de 200 vírus diferentes, enquanto a gripe é causada pelos vírus influenza e parainfluenza", explica o Dr. Moisés.

O resfriado dura certa de cinco a sete dias, com febre rara. Já um dos sintomas principais da gripe é a febre alta, que dura cerca de três a quatro dias e a doença dura até 15 dias. "O que aconselhamos para evitar que a criança fique doente é que ela sempre esteja hidratada. Tomar bastante líquido é muito importante, além de passar soro fisiológico no nariz e fazer inalação", completa Dr. Mauro.

Foto: Getty Images


E os cuidados?

O tempo em que a criança fica com febre pode determinar se é preciso ou não levá-la para atendimento médico. "Em um recém-nascido, quando a temperatura do corpo estiver acima de 37, 3º, já é febre. Agora em crianças maiores, entre 37,8º e 38º já é uma temperatura que pede medicação", explica Dr. Mauro.


O pediatra ainda completa que "quando a febre está baixa, o melhor é dar um anti-térmico e esperar de 15 a 20 minutos. Caso a temperatura aumente, dar um banho e sair somente debaixo d'água, quando a temperatura diminuir. Se não aparecer pintinhas no corpo ou a criança não vomitar, os pais podem controlar por 72h. Após isso, se a temperatura abaixar e o pequeno ainda estiver sem forças, triste, o certo é levá-lo para atendimento".

No inverno, a umidade relativa do ar é menor, deixando o ar seco, o que pode também deixar os pequenos doentes. O uso de vaporizadores é válido, desde que não fique muito próximo da criança, além de tomar os cuidados para não aconteçam acidentes. "O que recomendo mesmo é a inalação que ajuda diretamente no tratamento de algumas doenças respiratórias nas crianças", finaliza o pediatra.



Colaboraram:

Dr. Moisés Chencinski
- médico pediatra e homeopata, autor dos livros "Homeopatia- mais simples do parece" e "Gerar e Nascer - um canto de amor e aconchego".: www.doutormoises.com.br.

Dr. Mauro Borghi - médico pediatra do Hospital São Luiz.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte