Guia da Semana

TDAH

Conheça o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Foto: Getty Imagens


O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade é definido, segundo o DSMIV (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (APA,1994) como sendo um "transtorno de desenvolvimento decorrente do mal funcionamento de certas áreas do cérebro que comandam o comportamento inibitório (freio), a capacidade de executar tarefas de planejamento, a memória de trabalho (entre outras funções), determinando que o indivíduo apresente sintomas de desatenção, agitação (hiperatividade) e impulsividade". Sua prevalência é de aproximadamente 6% e com maior incidência no sexo masculino.

Suas causas podem ser genéticas: de caráter hereditário, ocorrendo portanto, entre as gerações; estruturais: focadas principalmente, nas regiões pré-frontal (considerando o comportamento inibitório (freios) e as áreas têmporo -parietais (ajudam na atenção seletiva); funcionais: baixa produção ou subutilização dos neurotransmissores; fatores ambientais, que engloba família, escola, substância ingerida pela mãe durante o período de gestação; sofrimento fetal e complicação no parto.

As principais características do Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade:
-baixa tolerância à frustração;
-acessos de raiva;
-comportamento "mandão";
-teimosia;
-insistência excessiva;
-instabilidade do humor;
-redução das atividades inibitórias (atividade aumentada no hemisfério direito do cérebro);
-criatividade;
-imaturidade emocional;
-inquietação mental permanente (hiper-reatividade externa e interna);
-baixa auto-estima;
-sensação de incapacidade;
-comprometimento e hostilidade nos relacionamentos familiares;
-variabilidade de QI (Quoeficiente de Inteligência);
-cansaço fácil;
-transição rápida de atividades dirigidas a metas;
-associações irrelevantes;
-consciência confusa;
- instabilidade de respostas seletivas;
-dificuldade em acionar a memória episódica (funciona impulsividade);
-presença de hiperfoco (concentração intensa em um único assunto num determinado período);
-muita intensidade: dor, alegria, fé, desespero;

Para um diagnóstico adequado é importante a avaliação abrangente para eliminar outras causas e determinar a presença ou não de fatores concomitantes. Normalmente é realizada, por um médico e equipe multidisciplinar.

Após a avaliação, a intervenção clínica será analisada caso a caso, para se avaliar as prioridades. Porém, a família e a escola sempre deverão participar do acompanhamento, assim como, os profissionais envolvidos em atividades extra-curriculares.

A necessidade de medicação será avaliada e direcionada por médico especialista em TDAH. Que sempre deverá considerar paciente; a idade; capacidade de deglutir comprimido; disponibilidade; custo; perfil de efeitos colaterais; adesão ao tratamento e aspectos referentes ao estado físico do paciente de uma forma global.

Porém, o que os pacientes e responsáveis devem ter em mente, é que os remédios não curam o TDAH, eles tratam e se interrompidos, os sintomas podem reaparecer.

Para os professores de alunos portadores de TDAH, algumas dicas:
-conhecer o TDA/H;
-conhecer individualmente o aluno;
-dar ordens positivas e curtas;
-respeitar o ritmo pessoal do aluno;
-trabalhar por períodos curtos, com atividade física intercalada;
-estabelecer uma organização na sala de aula, física e funcionalmente;
-dar oportunidade para a criança ser bem sucedida;
-elogiar sempre que ela merecer;
-certificar-se de que a criança ouviu e entendeu a instrução dada;
-dividir uma tarefa em diversas pequenas e viáveis;
-estabelecer um tempo determinado para as tarefas;
-chamar a criança pelo nome (para que ela preste atenção), tocar no braço ou usar um sinal não-verbal pré-estabelecido, para que ela preste atenção;
-não usar outros horários para a criança fazer tarefas (lanche, intervalo), porque ela precisa correr e fazer exercícios;
-não cobrar resultado, mas sim empenho;
-estipular regras, fazer combinados e estabelecer limites e impor sanções, já que o TDA/H não deve ser usado como atenuante para uma infração grave ou repetida;
-perceber qual é o melhor lugar para cada criança se sentar: se na frente, para prestar mais atenção; ou atrás, para poder se movimentar sem incomodar ninguém;
-fazer exigências coerentes;
-ao fazer mudanças, avisar antecipadamente, pois a criança desatenta se confunde;
- Evitar superestimulação, quando ela tem sucesso;
-utilizar recursos visuais para as atividades, porque a fixação da imagem é melhor do que a do som ;
-usar atividades de ensino diversificadas e que exijam a ação da criança, para não serem monótonas nem repetitivas;
-quanto mais estímulo mais conexões neurais são realizadas;
-estimular e motivar são importantes para o ato de aprender.

Ser portador do TDAH não é empecilho para que o indivíduo se torne um profissional capacitado e bem sucedido na vida!

O fundamental é ter acompanhamento especializado para a criança, com orientação aos cuidadores.


Quem é a colunista: Raquel Caruso
O que faz: Coordena três unidades da Clínica Multidisciplinar EDAC - Equipe de Diagnóstico e Atendimento Clínico, em São Paulo, e atua nas áreas de Fonoaudiologia, Psicopedagogia, Psicomotricidade. Ministro palestras, cursos e supervisões nestas áreas.
Pecado gastronômico: massas em geral, como boa descendente de Italianos.
Melhor lugar do Brasil: Natal (Rio Grande do Norte) e Amazonas (encontro das águas)
Fale com ela: edac@edac.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte