Guia da Semana

Uma em sessenta milhões

No exato instante em que escrevo essa coluna, existem aproximadamente 170.000 artigos e sites citando o nome de Isabella Nardoni

Faz mais de um mês que o Brasil demonstra sua indignação com o caso da garota que foi espancada e atirada do prédio de seu pai, no dia 29 de março, por meio de vídeos postados no YouTube, congestionando a saída da garagem dos suspeitos, berrando por justiça.

Isabella Nardoni não foi a criança que foi negligenciada por pessoas que deveriam amá-la, ser seu apoio e sua base; ela foi uma das muitas crianças que sofrem desse mal. Existem, em média, de 133 a 275 milhões de crianças que sofrem de violência doméstica anualmente, dessa quantia, 60 milhões encontram-se em território brasileiro. Infelizmente, tais crianças não contam com o apoio ilimitado da mídia brasileira para ter seu caso resolvido, ou massas à frente de suas casas, exigindo uma resolução para seus casos.

É necessário que se compreenda que, mesmo que a tão almejada justiça seja feita, e os assassinos de Isabella sejam condenados, nada mudará o que aconteceu à garota: nada acalentará o sofrimento de sua mãe, pois sua filha não mais está com ela. É possível, entretanto, fazer algo a respeito de todas as outras crianças que sofrem do que Isabella sofreu, que não contam com pais para apoiarem-nas, uma vez que são eles a quem mais temem; crianças que não se sentem seguras em casa, pois é lá que seus temores repousam.

Conheci uma garota, há alguns anos, a qual chamarei de Daniela, para não expô-la. Não tinha mais do que quinze anos, na época, e estava grávida. A paternidade era duvidosa, pois sofrera abuso sexual tanto de seu pai quanto de seu irmão mais velho, e, depois de anos sendo submetida a tais atos, finalmente criou coragem e conversou com a diretora de seu colégio. Por que não temos pessoas berrando que justiça seja feita pela Daniela? E, pior, por que ela não recorreu à ajuda antes?

Faz-se necessária a compreensão de que, quando se é uma criança, tudo é preto e branco; as tonalidades de cinza ainda não existem, tornando tudo essencialmente mais simples - mas também fatalmente perigoso. Aprendem, desde pequenas, que devem amar e respeitar suas famílias acima de tudo. O que fazer, então, quando seu tio te toca de um jeito que não lhe agrada? Ou quando seu pai, embriagado, chega e te bate? Ou quando uma mãe te força a trabalhar para ajudar no sustento da casa, quando você mal consegue soletrar seu próprio nome? A lição que muitos esquecem de ensinar é que, acima de tudo, elas devem amar e respeitar a si mesmas. Tais crianças são violentadas e acabam por aceitar sua realidade, por desconhecerem meios que possam ser usados para impedir a incidência de tais abusos.

Torna-se imprescindível, para a erradicação dessa praga social, ensinar as crianças que, sim, elas têm a quem recorrer; se não seus pais, seus professores ou os policiais da delegacia mais próximas, assim como a certificação - desta vez, governamental - de que as necessidades de tais vítimas sejam supridas imediatamente (alimentação saudável, roupas, assistência psicológica, educação e necessidades médicas...), acompanhadas por ações imediatas dos assistentes sociais. Para isso, entretanto, é necessário que os direitos básicos das crianças sejam divulgados e que os pequenos se conscientizem dos mesmos.

Espero, com sinceridade, que a comoção pela pequena Nardoni não desapareça com o passar do tempo, como é comum que ocorra, e que a indignação e a fome por justiça sejam aplicadas e direcionadas, não apenas na resolução do caso da garota de sorriso angelical que emocionou o Brasil, mas nos outros cinqüenta e nove milhões, novecentos e noventa e nove mil, novecentos e noventa e nove casos que merecem a mesma atenção.

Quem é a colunista: Gisele Zwicker. Para ela, um fim de semana perfeito envolve um bom livro, um bom filme e uma ida ao teatro.

O que faz: Preparando-se para prestar o vestibular.

Pecado gastronômico: Filé de frango com arroz.

Melhor lugar do Brasil: São Paulo, Capital. Não há lugar melhor que o lar.

Fale com ela: gisele_zwicker@hotmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte