Guia da Semana

Garimpeiro de talentos

O jurado do programa Ídolos Marco Camargo comenta o mercado da música e o que um ídolo deve fazer para se manter no sucesso

Foto: Edu Moraes/Record

Marco Camargo é vencedor de dois Grammys como melhor produtor

Com rosto fechado e um jeitão ríspido que destoa dos demais jurados do programa Ídolos, da Rede Record, Marco Camargo chega a causar medo nos candidatos. No entanto, a imagem passa longe do que o ele é na verdade. Mesmo com declarações polêmicas, não dá para negar que música é o barato dele. Em seu currículo figuram nomes como Zezé di Camargo e Luciano, Ivete Sangalo, Xuxa e até mesmo o rei Roberto Carlos, do qual se declara fã absoluto.

Vencedor de dois prêmios Grammys, Camargo é diretor musical da emissora responsável pelo reality, proprietário da gravadora Captain Music e membro votante da Academia Grammy. Entre um sim e um não atrás da bancada do programa, o produtor bateu um papo com o Guia da Semana, onde assume utilizar, sem receio, recursos de voz na edição, comenta o motivo dos vencedores não despontarem nas paradas e o fenômeno atual da música mundial, Lady Gaga. 

Guia da Semana: Como você analisa o mercado atual da música?
Marco Camargo: É difícil termos ícones na música como tínhamos antigamente. A mídia e o marketing mudaram muito. Com um mercado heterogêneo como a internet, por exemplo, não há veículos de canalização, como eram o rádio e a TV, com diversos estilos em uma mesma programação. Quando a música se tornava um crossover, tocava em todas as rádios. Hoje o sucesso é muito rápido, praticamente anual, não se perpetua. Essa é a falta do mercado de hoje.

Guia da Semana: A cada dia surgem novos artistas na internet e muitas vezes eles não estão preparados para tanto sucesso. Como devem lidar com isso e como aproveitar a fama?
Marco: É o sucesso de imediato, mas não aquele com referência, propriedade. O cara entra no Youtube, vê a campeã de acesso e escolhe o que seguir. Quem tem um estilo natural, com essência verdadeira, faz sucesso. Um exemplo disso é a garota do Cross Fox, Stefhany. Não é a melhor voz do planeta, fez uma versão até então desautorizada editorialmente, mas é nítido que ela é aquilo. Cresceu ouvindo esse estilo, curte o carro, pega as amigas em casa e vai curtir a balada. Não tem nada montado.   

Guia da Semana: Com a tecnologia, a voz dos cantores é mudada. Até que ponto isso é válido?
Marco: É a mesma coisa que uma mulher que coloca silicone. Ela faz aquilo para ficar mais bonita. O intuito é olhar e gostar do produto final, o mesmo se aplica na produção. Bons produtores são aqueles que usam ferramentas da melhor forma e recursos para deixar uma pessoa que não é tão boa, maravilhosa. Essa é minha profissão.

Guia da Semana: E acha que isso não vai de encontro ao fato de uma pessoa ter sucesso, sendo que não tem tanto talento?
Marco: Nessa hora entra a questão da permanência no mercado. Afinal, como diz um velho ditado: 'Quem sabe faz ao vivo'. Em 90% dos shows que vou, inclusive de mega-artistas, o som é muito inferior ao disco. Há exemplos de pessoas que não tem uma supervoz, mas quando abrem a boca todo mundo fica de joelho. A maioria dos backing vocals, por exemplo, cantam mais que os artistas, só que não viram astros. Não é só cantar bem, isso é a obrigação, o barato é saber o que ele faz, além disso.

Foto: Edu Moraes/Record

"Quem tem um estilo natural, com essência verdadeira, faz sucesso"

Guia da Semana: O que você avalia ao ouvir um trabalho novo?
Marco: De cara é ter um f eeling e gostar ou não do que estou ouvindo. Não levo a parte tecnica em consideração, no primeiro momento. Em seguida, começo a pegar outros requisitos. Analiso os instrumentos usados, como foram equalizados, se o som não choca com outro, as entradas, voz, etc. Depois de tudo olho a estética, capa, contexto, foto. Isso também é importante, é o chamariz do disco.  

Guia da Semana: Em relação a novos fenômenos, como Lady Gaga. Acha que ela apresenta realmente uma tendência na música Pop?
Marco: Há vários tipos de sucesso, afinal são merecidos, se não nunca fariam. Mas existe aquele que além da música é um produto muito bem feito, o caso dela. Ela tem musicalidade, mas não é superior aos outros casos. A Madonna, por exemplo, com 50 anos, ter o fôlego que tem, é impressionante. Agora Paul McCartney, Elton John, por exemplo, consigo vê-los cantando com 70, 80, mas Madonna dançando não. E assim é com a Lady Gaga, Shakira, etc.

Guia da Semana: Quais os maiores critérios de avaliação na hora da escolha do Ídolo, no programa?
Marco: Eu sigo meu feeling e penso no que o mercado vai consumir. Não sou dono da verdade, mas sou muito feliz por gostar do que a maioria gosta. Em um primeiro olhar, não analiso vestimenta, por exemplo; para mim está todo mundo pelado. Vejo a exibição com voz e a música que ele escolheu. O imagino tocando em uma rádio. Em seguida, com ele já no TOP 10, analiso-o como um ídolo.

Guia da Semana: Alguma vez no programa você se comoveu com um candidato ou uma situação inusitada?
Marco: Quando o Marcos Duarte desistiu. Aquilo me comoveu muito porque a verdade dele não era aquela que ele estava vivendo. Ele acordou e viu que não queria o sucesso. A pessoa abrir mão do sucesso e dinheiro pela simplicidade. A grande maioria está em busca de fama e sucesso. Aí é que surge a diferença do cara que se perpetua. A felicidade dele esta em conduzir um instrumento, que é a voz dele.

Foto: Edu Moraes/Record

Marco Camargo ao lado dos jurados do Ídolos Paula Lima e Calainho

Guia da Semana: Após conquistarem o Ídolos, muitos dos vencedores não emplacaram nas paradas. Qual o motivo disso?
Marco:  O programa consiste em localizar esse astro e colocá-lo na mídia. Quando acaba a temporada, ele é entregue a uma gravadora e cabe a ela direcionar a carreira. Eu credito a culpa disso para eles. Não tem cabimento o vencedor sair do programa e lançar um CD seis meses depois. Além disso, existe preconceito por conta de muitas emissoras de TV e rádio, por ele ter saído do reality de uma TV. Essa diferença é muito prejudicial, artisticamente falando. 

Guia da Semana: Como surgiu seu gosto pela música?
Marco: Quando tinha 7 anos ganhei de Natal uma bola e um amigo meu uma escaleta. As crianças ficaram tirando sarro dele e querendo brincar com meu presente. Eu propus que trocassemos, ele pensou que estava tirando uma com a cara dele. Em seguida disse: 'Não vai poder destrocar'. Fiquei interessado pelo som, musicalidade. Depois disso vieram outros instrumentos. Ganhei um órgão, piano até chegar a minha banda que tocava Beatles. 

Guia da Semana: Como foi trabalhar ao lado de Roberto Carlos?
Marco: Fiz dois trabalhos com ele em dois discos. O último em 2006, do qual ganhei o Grammy de melhor produtor. Na realidade ele que nos ensina, é muito generoso. Um cara que com 50 anos de carreira, vende mais de 1 milhão de disco facilmente, o que eu queria ensinar? Quando fomos negociar valores eu disse: 'Além de tudo eu vou ganhar para isso? Pensei que eu fosse pagar'.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Renato Aragão confirma volta de "Os Trapalhões"

Ator revelou a novidade durante painel na CCXP

Globo não exibe homenagem à Chapecoense e recebe crítica dos internautas

Emissora seguiu com a programação normal, com a novela "A Lei do Amor" e a sessão "Cinema Especial"

Saiba tudo sobre A Cara do Pai, nova série de comédia da Rede Globo

Série cômica tem estreia prevista para 11 de dezembro

Conheça todos os indicados ao prêmio Melhores do Ano 2016, do Domingão do Faustão

A premiação acontece no dia 11 de dezembro

Globo planeja exibir versões censuradas de suas séries na internet

Diretor de mídias digitais da emissora já avalia a ideia

Band vai exibir episódio de "Os Simpsons" que previu vitória de Donald Trump

Programa vai ao ar nesta quarta-feira, às 22h10