Guia da Semana

Para receber e se jogar

Protagonista discreto, o sofá é a peça-chave de qualquer ambiente. Conheça modelos para cada ambiente e dicas de como tirar o melhor proveito

Qualquer pessoa que queira deixar a sala de estar, de televisão ou escritório em harmonia e com um toque pessoal, tem que levar em consideração uma das peças mais importante desses ambientes, o sofá. "O sofá é o móvel mais importante desses espaços. No entanto, por ser grande e volumoso, ele não deve ser chamativo, a não ser que essa seja a proposta", argumenta o decorador de interiores Marcel Steiner.

Para Steiner, além de discreto, o móvel precisa obrigatoriamente ser confortável. Carolina Szabó também reforça essa ideia. "Sofá e colchão são peças que exigem e requerem um maior investimento. Afinal, passamos mais da metade do nosso tempo em casa sobre eles", detalha a decoradora, que estima entre oito e dez anos a vida útil de um móvel de qualidade.

A garantia dessa durabilidade começa no teste do sofá. Não se assuste, estamos falando da avaliação a ser feita na hora da compra, observando a qualidade das partes que compõem o móvel: encosto, braços, base de apoio (onde ficam as molas) e assentos.

Com esses quatro elementos em seus tamanhos ideais e feitos de bons materiais, a escolha do modelo vai do gosto de cada um. No entanto, não adianta pensar apenas na dupla poltrona-sofá. "Um bom sofá dialoga bem comtodos os móveis e acessórios, formando um conjunto harmonioso e adequado ao espaço disponível, pois não adianta o mais belo sofá se ele não respeitar a área de circulação", vaticina Renata Amaral, outra decoradora consultada.

Veja as dicas e avalie as sugestões da vitrine para comprar ou estilizar o melhor sofá para receber suas visitas e se jogar

  • O primeiro passo para comprar um sofá é tirar as medidas do espaço onde o móvel ficará. Ele não pode ficar apertado em cantos ou escorando outros móveis. Para acertar, faça uma planta baixa do espaço e avalie as dimensões máximas da peça, sem esquecer os demais móveis e a área de circulação entre eles.
  • O sofá é um protagonista discreto que precisa de outros móveis de apoio, como poltrona, cadeira de braço e/ou mesa de centro/lateral. No entanto, jogos de sofá com dois e três lugares são coisa do passado.
  • Móveis de linhas clássicas e geométricas, com boa estrutura e acabamento e de cor clara e uniforme, são os modelos de maior durabilidade (entre oito e dez anos) e que compõe melhor com diferentes ambientes. A contrapartida é o preço, a perder de vista.
  • O couro, assim como a camurça, é um revestimento universal e, quando de qualidade, aumenta ainda mais a vida útil do sofá. Dos tecidos naturais, os mais indicados são a sarja paletizada e o algodão cru. Dos sintéticos, suede e ultrasuede. Veludo também funciona, mas não em todos os ambientes e apenas para proprietários com muita personalidade.
  • A resistência do sofá é item fundamental a ser observado. Escritórios e espaços formais pedem estofamento mais rijo, que ajude o visitante a manter uma postura adequada. Já para a casa, o estofado pode ser mais mole, mas não exagere. Com o passar do tempo ele vai amolecer mais, podendo causar problemas na coluna.
  • Cores uniformes e sóbrias são bem-vindas, a não ser que a proposta seja fazer da peça o protagonista do espaço. Se preferir estampas, escolha as de desenho mais fino, como a escama de peixe.
  •  Para deixar o móvel mais chamativo sem investir de forma errônea, use e abuse das almofadas. Outra opção são as capas de sofá. E, definitivamente, franjas e babados estão fora de moda.
  •  Tecidos escuros sujam menos? Mito. A sujeira é a mesma e as sucessivas limpezas desgastam o pigmento escuro de forma mais rápida do que os claros.
  •  Capas protegem, no entanto, escondem o móvel e podem deixar suas linhas desestruturadas, aspecto evitado por muitos. Se optar por elas, o ideal é ter um par e lavá-las a cada seis meses.
  • Sofás com pés muito altos atrapalham o sentar. Já os muito baixos são charmosos, porém podem comprometer as articulações de quem sofre com o senta-levanta. O móvel não deve ser profundo, pois é incomodo às pessoas mais baixas.
  • Atenção com os móveis em L. Eles são ideais para sala de tv, living e ambientes extremamente íntimos e familiares.
  • Quem não gosta de tirar um cochilo no sofá? Se esse for o caso, prefira os que têm braço um pouco acima dos assentos, evitando deixar a cabeça torta.

 

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira a programação especial de fim de ano da Rede Globo

A emissora carioca preparou muitas novidades para o mês de dezembro

Renato Aragão confirma volta de "Os Trapalhões"

Ator revelou a novidade durante painel na CCXP

Globo não exibe homenagem à Chapecoense e recebe crítica dos internautas

Emissora seguiu com a programação normal, com a novela "A Lei do Amor" e a sessão "Cinema Especial"

Saiba tudo sobre A Cara do Pai, nova série de comédia da Rede Globo

Série cômica tem estreia prevista para 11 de dezembro

Conheça todos os indicados ao prêmio Melhores do Ano 2016, do Domingão do Faustão

A premiação acontece no dia 11 de dezembro

Globo planeja exibir versões censuradas de suas séries na internet

Diretor de mídias digitais da emissora já avalia a ideia