Guia da Semana

Vida de perícia

Crimes de difícil solução, equipamentos sofisticados e muita paciência para montar o quebra-cabeça. Sabia mais sobre as séries policiais com foco no trabalho pericial e descubra o que elas têm de realidade

Foto: Divulgação

A equipe de CSI - Investigação criminal em ação

Um fio de cabelo e tudo pode mudar. Esse é o dilema vivido nas séries onde a perícia é o centro da ação. Em todo episódio do gênero policial, há pelo menos uma cena onde as peças do crime devem ser montadas. No entanto, CSI e Bones despertaram no público um prazer especial em entender (ou tentar) tudo nos mínimos detalhes, peça por peça. A exibição da sexta temporada do badalado seriado em horário nobre pela Rede Record comprova o espaço que tais produções ganharam na grade televisiva.

Estreada em 2000 pelo canal norte-americano CBS, a série CSI - Criminal Scene Investigation rapidamente se popularizou nos EUA. O cientista Gil Grissom (William Petersen) e sua equipe se deparam com complicados crimes ocorridos em Las Vegas nos quais a ciência forense tem papel determinante para solucionar os casos. Questões como objetividade e instinto, o universo dos cassinos e dos jogos de azar, trabalho em equipe e ações individuais, e as relações de poder dentro do departamento de polícia entram no roteiro para avivar ainda mais as histórias. Atualmente, CSI encontra-se na sua 11ª temporada e quem comanda a equipe é o doutor Raymond Langston, vivido pelo ator Laurence Fishburne.

O sucesso foi tão grande que os produtores investiram em outras duas produções seguindo a mesma receita. No entanto, CSI Miami e CSI Nova Iorque, respectivamente lançadas em 2002 e 2004, dão mais realce a outros aspectos. A primeira trabalha com roteiros mais carregados de ação, com crimes resolvidos pelo durão Horatio Caine (David Caruso). Já a segunda aposta ainda mais na questão forense, com maior rigor e detalhamento nos casos analisados pelo detetive Mac Taylor (Gary Sinise).

Foto: Divulgação

Em Bones, comédia e ação equilibram delicadas questões periciais

Em estrutura semelhante, Bones está na sexta temporada nos EUA. A história se desenvolve ao redor da pesquisadora Temperance Brennan (Emily Deschanel), que trabalha num instituto de pesquisa em Washington. Após escrever um livro sobre antropologia criminal, o FBI resolve contratá-la para chefiar a equipe de identificação de ossos e material humano.

Além dos crimes, quase sempre sangrentos, Bones chama atenção pela delicada relação entre a doutora Brennan e Seeley Booth (David Boreanaz), agente especial que conduz os casos da unidade. Amor, ódio e boas tiradas estão sempre nas discussões do casal, dando um ar de comédia ao seriado e lembrando um antigo sucesso das telinhas: o seriado A Gata e o Rato (Moonlighting, em inglês), de 1985.

Foto: Nathalia Clark/APH

Análises árduas e num tempo mais demorado do que apresentado nas séries televisivas faz parte da vida de peritos criminais

Na vida Real

Quem vê tanta rapidez e perspicácia na solução dos casos pode até imaginar que na vida real as coisas acontecem do mesmo jeito. Mas não é.

Perito criminal há 34 anos e atual superintendente da Polícia Científica do Estado do São Paulo, Celso Perioli afirma que a visibilidade dos seriados aumentou o conhecimento da população sobre o trabalho da perícia policial. Ao mesmo tempo, as comparações tornaram-se inevitáveis. "Quando chegamos numa cena, as pessoas perguntam: 'cadê a maleta?', numa cobrança de verossimilhança entre o que é apresentado nas séries e o trabalho cotidiano", comenta o superintendente.

O Estado paulista possui a maior estrutura de polícia forense da América Latina, com 3.600 profissionais em 160 unidades, entre capital e interior. No Brasil, as seções da Polícia Científica comumente são ligadas à Secretária de Segurança Pública e respondem por dois órgãos, o Instituto Médico Legal (IML), responsável por liberações de corpos e autópsias, e o Instituto de Criminalística (IC), envolvido diretamente na coleta de provas e dados para compor os autos dos inquéritos.

"No CSI, processa-se o local do crime, recolhe-se e avalia-se todas as provas e ainda pegam o criminoso em 45 minutos. As coisas ocorrem fora do tempo técnico necessário para o andamento de um auto pericial", explica Perioli.

Mesmo com tanta distorção, o superintendente avalia como positiva a popularização do assunto. "Cerca de 60% do que é mostrado nas séries é ficção, mas algumas teorias apresentadas são importantes e conferem com a realidade, deixando o olhar de todos mais aguçado".

Foto: Nathalia Clark/APH

Equipamentos modernos são utilizados pela Polícia Científica brasileira

Para ser perito é necessário ter curso superior e curso de formação na Academia de Polícia, com duração e 11 meses. A função de médico-legista exige obrigatoriamente a formação em medicina e curso complementar específico.

No dia a dia da carreira, peritos acompanham casos e buscam auxiliar no trabalho judicial dos inquéritos. Muitos dos modernos equipamentos exibidos nas séries são utilizados na resolução de crimes no Estado de São Paulo, como o software Fred (Forensis Evidence Recovering Device), responsável por fazer análises em computadores possivelmente adulterados, e o Batvox, um software de identificação vocal. Outro importante avanço técnico é o acesso de 17 estados da federação ao Codes (Combined DNA Index System), um banco de dados com perfis genéticos para localização de criminosos. Até o swab, um tipo de cotonete para coleta de tecido epitelial, é aqui utilizado.

"Contamos com importantes equipamentos no departamento e estamos quase igualados às demais polícias do mundo. Essa popularização do tema pericial criou um verdadeiro efeito cascata, influenciando a cabeça de peritos, juízes, advogados e até jurados, que se debruçam com mais afinco nas mais ínfimas análises de sangue quando num tribunal. Esse é o principal aspecto da profissão de um perito, aprender a trabalhar sem certeza absoluta e ter responsabilidade com as provas", destaca Perioli. Palavra de CSI.

Bones: terça-feira, às 23h15, Rede Bandeirantes
CSI - Investigação criminal: segunda a sexta-feira, às 21h, Rede Record
CSI Miami: terça-feira, às 00h15, Rede Record

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Renato Aragão confirma volta de "Os Trapalhões"

Ator revelou a novidade durante painel na CCXP

Globo não exibe homenagem à Chapecoense e recebe crítica dos internautas

Emissora seguiu com a programação normal, com a novela "A Lei do Amor" e a sessão "Cinema Especial"

Saiba tudo sobre A Cara do Pai, nova série de comédia da Rede Globo

Série cômica tem estreia prevista para 11 de dezembro

Conheça todos os indicados ao prêmio Melhores do Ano 2016, do Domingão do Faustão

A premiação acontece no dia 11 de dezembro

Globo planeja exibir versões censuradas de suas séries na internet

Diretor de mídias digitais da emissora já avalia a ideia

Band vai exibir episódio de "Os Simpsons" que previu vitória de Donald Trump

Programa vai ao ar nesta quarta-feira, às 22h10