Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

A difícil conta de um espetáculo

Colunista escreve sobre como conseguir fazer a produção de um espetáculo.

Foto: Sxc.Hu

Nos últimos meses tem se falado muito sobre a crise e os efeitos dela na produção cultural brasileira. Atores e produtores teatrais são uníssonos quando o assunto é a falta de patrocínio e a dificuldade de captação em leis de incentivo. É fato que antes mesmo da crise aportar por aqui, o dinheiro já havia escasseado, como uma resposta prévia ao ano turbulento e de poucos recursos que se esperava.

Departamentos de marketing de grandes empresas passaram a remanejar suas verbas para atividades que tivessem como foco principal o retorno de receita e aumento de vendas. Atividades que visassem o marketing cultural e institucional passaram a ter uma participação mais modesta, de foco secundário, dentro da estrutura.

O fato é que produzir espetáculos de pequeno, médio e grande porte no Brasil, tem sido uma das tarefas árduas e dispendiosas para quem não dispõe dos recursos financeiros necessários. São inúmeras companhias de teatro, grupos, atores isolados e produtores que, a cada ano, tentam e levam aos palcos projetos com um mínimo de dignidade e retorno necessário para sua manutenção em cartaz. O setor encontrou nas leis de incentivo uma saída para a realização de espetáculos, mas que não atende a todos, tornando a cultura refém do patrocínio para existir.

No final, quem paga a conta é o próprio governo, que converte parte do dinheiro público em benefícios fiscais para empresas que estão apenas antecipando o dinheiro de impostos a serem recolhidos. Em contrapartida, a esta antecipação do pagamento de impostos (que chamamos de patrocínio), a empresa ainda se beneficia de marketing institucional, mídia impressa e associação de sua marca como incentivadora da cultura.

E mesmo com tantos benefícios provenientes dessa subvenção, conseguir patrocínio no Brasil ainda é para poucos e demanda tempo, conhecimento e uma boa rede de relacionamentos. Como é de conhecimento dos leitores deste espaço, além de colunista do Guia da Semana, também sou ator, escritor e produtor teatral e, como tal, também vivencio as mesmas dificuldades na produção de um espetáculo.

Hoje disponho de dois projetos em fase de captação de investidores. O primeiro, de médio porte, foi aprovado pela Lei Rouanet, e que já foi encaminhado para cerca de 30 empresas, sem sucesso e, muitas vezes, com a mesma resposta padrão. O segundo, de pequeno porte, possui baixo orçamento e não se beneficia de lei alguma, mas ainda assim, necessita de investimento.

Os custos da produção de um espetáculo e sua permanência são altos. Locação de teatro, aluguel de luz e som, contratação de equipe técnica, custos administrativos, salário de atores, material gráfico... Um espetáculo teatral nada mais é do que uma pequena empresa, composta de recursos humanos, marketing, produção, logística e financeiro. Assim como qualquer negócio em formação, necessita de capital para que se concretize. É um serviço que será oferecido para o consumidor final, que depende da venda de ingressos para que traga retorno.

Mas o patrocinador vê o espetáculo sob a ótica de um investidor e o avalia criteriosamente do ponto de vista financeiro e publicitário. O artista, muitas vezes, não tem essa visão de negócio e acaba encarando esta associação como um favor que a iniciativa privada está prestando a ele. Vale ressaltar que nesta relação patrocinador/artista/governo, quem paga a conta, numa visão simplista, é o próprio governo que o subsidia através de leis.

Se considerarmos a premissa de que todos os projetos apresentados se valem da lei para captar, qual é o critério para fazer com que a empresa opte por patrocinar um projeto e não outro?  Na minha opinião como produtor (e cabe ressaltar, trata-se de uma opinião pessoal), o primeiro critério é o elenco. Nomes de peso possuem prioridade. Em segundo lugar, a forma como o marketing do espetáculo pode gerar retorno financeiro. Em terceiro, e não menos importante, o próprio texto, abordagem e montagem.

Cada vez mais os critérios de seleção se tornam mais restritivos. Departamentos de marketing, por conta da crise, são os primeiros a sofrerem com corte de verbas. Tem muita empresa operando no vermelho. De que adianta a Lei Rouanet, se não há imposto a abater? Com isso, o apelo de pagar menos imposto é muito pequeno, restando a divulgação da marca em si.

A profissionalização do setor cultural no país ainda engatinha no que se refere a investimentos e ao tratamento que deveria se dar como indústria de entretenimento. Torna-se necessário uma mudança de mentalidade estratégica e nos mecanismos utilizados para atrair investimentos, sejam eles de ordem privada ou governamental.

Leia as colunas anteriores de Alexandre Pontara:

Gloriosamente Desafinada...

A cabra ou o bode espiatório

O Relógio do Paulo Autran

Quem é o colunista: Alexandre Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Alexandre Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Bolo Negro e Tiramissú de Chaika.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara @uol.com.br ou acesse seu site

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte