Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Arvo Pärt

Quando se escuta Für Alina no piano, sua obra mais marcante, a impressão que se tem é que o instrumento se transforma em um grande carrilhão de sinos.

Foto: André Mestre


A temporada 2011 da Osesp (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo) nos traz uma novidade interessante: o conceito de compositor transversal - aquele que é homenageado com uma quantidade expressiva de trabalhos executados durante o ano. Eleito dentre gigantes, o estoniano Arvo Pärt me parece uma escolha inspirada, de forma que, nesta minha primeira coluna sobre música, resolvi falar um pouco sobre ele.

Pärt nos é contemporâneo; nascido em 1935, é um verdadeiro filho do século 20: vivenciou guerra, regimes militares, modernismo, pós-modernismo, clonagem e terrorismo. Digo isso por que é comum termos a figura do compositor de música erudita como algo bastante distante. Não é o caso, ele é legitimamente atual. Sua música reage e responde aos eventos citados, não de maneira retórica ou como manifesto, mas, simplesmente, por existir de forma concomitante, como alternativa.

Para aqueles que são chegados em história e contexto, a vida de Pärt não decepciona. Até a década de 60 ele produziu, sob os desconfiados olhares soviéticos, obras de natureza serial (composição através de séries de notas, culminância do dodecafonismo) - e religiosa, que foi sua grande motivação artística e que permeou toda a sua vida. Aparentemente nascido de um atrito entre essas duas latentes características de sua música, segue-se à peça Credo (1968) um enorme hiato criativo de sete anos, no qual, em profunda crise estética, ele escreve virtualmente nada.

Nesse período de silêncio e estudo, Pärt mergulha em profundidade na polifonia (a técnica de condução de melodias simultâneas) medieval e renascentista; desenvolve-se nele uma obsessão pela estrutura mais simples da tonalidade: a tríade. O resultado é uma singela peça para piano de 76 intitulada Für Alina, peça essa que marca a criação de sua nova técnica composicional, o tintinnabuli (do latim "sinos"). De fato, a escuta da peça nos revela essa exata impressão, do piano transformado em um imenso carrilhão onde sinos gentilmente tilintam (do italiano "tintinnano"). Für Alina é chocante; ela é resultado da subtração de tudo que Pärt julgou como supérfluo e confuso em sua música: restam algumas poucas notas, sem orientação de ritmo e que se movem sempre juntas. Impulsionado pela técnica que criara, o compositor volta a escrever peças como Fratres, Tabula Rasa (ambas de 1977) e De Profundis (1980), que marcam esse período de retomada.

A crítica, dividida, pouco compreendia. Alguns julgavam que Pärt enlouquecera, tamanha a simplicidade dos novos trabalhos do antes vanguardista compositor. Uma coisa era certa: o governo soviético não apreciava o teor religioso de sua obra, de forma que ele parte para a Áustria em 1980, tendo se estabelecido na Alemanha posteriormente.

Paradoxalmente, de lá para cá, a busca pela unidade artística (um daqules ideais fugidios) levou o compositor estoniano a uma vasta produção que atesta pela fertilidade do que descobrira em Für Alina. A humildade de seus processos - sempre cristalinos - e a sobriedade do material, umas poucas notas, são inquietantes ao ouvinte envolto no caos moderno; ouve-se uma beleza que existe em detrimento de floreios e que nos leva a imaginar o quanto nós mesmos não poderíamos abandonar sem que perdêssemos em nada - é isso que me dói e é isso que vejo doer nos outros ao som de Arvo Pärt.

Vale a pena buscar o trabalho desse compositor. O acesso é fácil - boa parte dele se encontra em sites como o Youtube. Minha única recomendação é a mesma de meu poeta favorito, Hakim Sana`i em seu livro El Hadiqa: "Ouça verdadeiramente: Todos esses tons tornam-se uma só cor no jarro da Unidade".
 
Outras obras de Arvo Pärt: Passio (1982); Magnificat (1989); Summa (1977); I Am The True Vine (1996); Mein Weg (1999); Da Pacem Domine (2004) e Sinfonia nº4 (2008).

Este ano, a Osesp nos presenteia com belas performances de suas mais significativas obras, corais e instrumentais. Ingressos podem (e devem!) ser comprados com antecedência diretamente no site da orquestra, onde há também toda a programação da temporada disponível.

Quem é o colunista: André Mestre.

O que faz: Música, sou compositor..

Pecado gastronômico: Pizza e... café com sorvete?

Melhor lugar do mundo: Rua Gustavo Teixeira.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Uma miscelânea meio esquizofrênica que invariavelmente passa por: Arvo Pärt, Duduk, Pain of Salvation, Pascal Dusapin, Tuwa [www.myspace.com/grupotuwa], Jonathan Harvey, Eva Cassidy e, claro, Mozart.

Para falar com ele: andrermestre@yahoo.com.br ou visite seu site (www.wix.com/andrermestre/art)





Atualizado em 1 Dez 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte