Guia da Semana

As faces de um guerreiro

Estátuas, quadros, filmes e músicas trazem Jorge da Capadócia como santo, mártir do Império Romano e guerreiro.

Foto: Carol Vidal


"Jorge sentou praça
Na cavalaria
E eu sou feliz porque também sou
Da sua companhia"

(Jorge da Capadócia - Jorge Ben Jor)


As cores vermelha e branca colorem a união de muitas crenças. Nas mãos, uma lança; no peito, um escudo e, na cabeça, uma sentença: destruir os "dragões" desse mundo. Jorge da Capadócia cavalgou pela história e, ao longo do tempo, foi conquistando fiéis. Este é um guerreiro de muitas faces: o Jorge das muitas igrejas, músicas e representações da fé, reverenciado como santo da Igreja Católica, Ogum na Umbanda e como Oxóssi no Candomblé. Já no Rio de Janeiro, o dia 23 de abril é marcado por missas, cavalgadas, feijoadas e carreatas para homenageá-lo. E todas as vertentes desta figura singular fazem parte da exposição As muitas faces de Jorge, em cartaz no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, no Rio de Janeiro.

A mostra reúne obras de artistas populares de diferentes lugares do Brasil, e que fazem parte do acervo do Museu do Folclore Edison Carneiro. E, em cada peça, uma representação singular da popularidade do santo guerreiro, que faz morada em uma legião de corações. Esse é o caso dos três devotos que as diretoras Isabel Joffily e Rita Toledo retratam no filme Uma festa para Jorge, que é exibido durante a exposição. E, para embalar a visita, músicas em que São Jorge é tema tocam durante todo o tempo: um convite à emoção. A devoção ao Santo Guerreiro vai, assim, do Ocidente ao Oriente: Jorge é padroeiro de países, cidades, ofícios (especialmente aqueles ligados ao ferro e ao fogo), escolas de samba e até times de futebol.

E, assim como a devoção a São Jorge tem múltiplas formas de demonstração, isso também acontece na história de sua vida. Talvez a mais conhecida seja a que marcou esta imagem do guerreiro matando o dragão, com sua lança, nas sombras das crateras lunares, livrando o povoado de Silca do mal e, assim, convertendo seus moradores à fé cristã. Há também a versão que conta o nascimento de Jorge na Capadócia, atual Turquia, sendo ele um guerreiro e mártir do Império Romano, que morreu defendendo sua fé, justamente no dia 23 de abril de 303, aos 23 anos de idade. Mas, independente da versão, um fator é comum: os sacrifícios sofridos e os milagres realizados por este guerreiro.

Aos que, assim como Jorge, são os guerreiros do dia a dia, travando suas lutas contra os dragões da vida cotidiana, essa exposição representa a fé que nunca morre. Àqueles que não creem no santo guerreiro, as peças contam a história do nascimento e fortalecimento da crença de um povo que deseja livrar-se dos inimigos, vestidos com as armas de Jorge e iluminados pela luz da lua cheia que brilha em cada um desses corações.


Quem é a colunista: Uma apaixonada pela cultura brasileira.

O que faz: Jornalista e blogueira.

Pecado gastronômico: Chocolate.

Melhor lugar do mundo: Bahia.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Músicas que alimentam a alma e tocam o coração.

Para falar com ela: vidalcomunicacao@gmail.com, ou siga seu blog, e Facebook.



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA