Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Brigando por uma fatia do bolo

Não bastasse o pouco investimento em cultura, os recursos da Lei Rouanet ainda são ameaçados por outros setores. Veja o que pensa o colunista.


Foto: Stock.xcng

Eu peço desculpas pela burocracia contida na minha coluna, mas é necessário. Claro que a delícia de trabalhar com cultura é estar sentindo o frio na barriga nas coxias no espetáculo nosso de cada dia ou ainda colher comentários do público após o show. Mas, infelizmente, para a mágica acontecer, existe um caminho longo e o trecho maior desta labuta é a captação de patrocínio.

Eu acho uma atitude linda de uma empresa ligar sua marca à cultura, e, ao contrário do que pensam os céticos, o marketing cultural faz milagres para a empresa.

Então investir em cultura não vale a pena? Vejamos: o volume de dinheiro investido é grande e os teatros são pequenos, mesmo que lotados de pessoas das classes A e B . Patrocinar um evento cultural, no entanto, é uma atitude aplaudida pelos clientes. É o que se chama agregar valor a marca.

Talvez valha mais a pena argumentarmos que a empresa que investe está se diferenciando daquela que não investe. Diferenciar-se do concorrente é fundamental no mercado e esse é um excelente caminho. Está melhorando, não está?

Por fim, o melhor argumento que eu já ouvi de empresas que investem em cultura é o que derruba por fim a revolta dos céticos: é importante investir porque precisa ser feito. Sim, existem corporações e pessoas que pensam assim, que entendem sua responsabilidade para com a sociedade. Só por este argumento, eu já acho que vale a pena o investimento.

Infelizmente, mesmo com tantos argumentos, o caminho até o patrocínio não é simples. E a maioria das empresas não investiria um centavo se não fosse a famosa Lei Rouanet, que estabelece que uma empresa pode investir em cultura e abater o valor do Imposto de Renda devido.

Ah, com isenção fiscal aí sim é que fica fácil. Não fica. Existe investimento sim, mas é pouco. Se fosse uma enxurrada de dinheiro, existiram toneladas de produtoras culturais por aí, espetáculos pipocariam em cada esquina, infindáveis CDs e DVDs seriam gravados e, por fim, ninguém nunca ouviria um artista falar que a vida é dura. Alguém aí já ouviu artistas reclamarem que a vida é dura?

Mesmo não sendo grande, o investimento em cultura tem crescido a cada ano, e o uso da Lei Rouanet acabou se tornando o maior financiador de cultura. É aí que mora o perigo.

A fragilidade desse sistema todo é que ele se apóia em uma lei que sofre reformas e emendas a torto e a direito (bem como qualquer lei no Brasil). Ano passado criou-se um incentivo para o esporte que disputaria a mesma verba das empresas patrocinadoras. A discussão foi grande e a verba da cultura foi resguardada. O esporte terá seu patrocínio também do imposto de renda, mas sem interferir na cultura.

Este ano a briga voltou, só que desta vez, quem está querendo meter a mão no bolo é a religião. O ilustríssimo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) propõe que a construção e reforma de templos religiosos também seja patrocinada com a Lei Rouanet. Se você está pensando que essa mudança na lei só podia ser coisa do filho do Edir Macedo, que fique muito claro que Crivella não é filho do Edir Macedo. É sobrinho.

A polêmica já está aí e a classe artística e produtora de arte já está se movimentando de todas as formas para inibir essa alteração. Faço votos e tenho fé que a lei não será aprovada.

A inserção do esporte e recentemente da religião no âmbito da Lei Rouanet só provam o quanto o incentivo à cultura é frágil e ainda não existe outra fonte ou mecanismo semelhante. Sim, a cultura está na mão de poucos e poderosos e com duas canetadas na calada da noite pode sofrer um sério retrocesso.

Estamos trabalhando e estamos de olho. Mas ao invés de brigar para proteger esse pequeno território conquistado que é a Lei Rouanet, seria muito melhor se existissem mais formas de financiamento, mais espaços, mais divulgação e com isso, mais público.

Leia as colunas anteriores de Felipe Tazzo:

? Cultura e mercado. Cultura é um mercado?


? Carteirinha pra cá, carteirinha pra lá...


Quem é o colunista: Um tal de Felipe Tazzo.

O que faz:Publicitário, produtor cultural e da meia noite às seis, escritor. Autor de O Livro Das Coisas Que Acontecem Por Aí

Pecado gastronômico: Tudo o que for picante.


Melhor lugar do Brasil: Os butequinhos sujos do interiorrrrrrrr.

Fale com ele: acesse o blog do autor


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte