Guia da Semana

Colunismo social na vitrola

Valendo-se do glamour do nome, Daslu e Amaury Jr. colocam coletâneas entre os discos mais vendidos.

Ouvir As Músicas do Programa Amaury Jr., um dos discos mais vendidos das últimas semanas, é mergulhar no dourado universo do colunista social mais famoso da televisão brasileira. Celebridades emperiquitadas, sorrisos perolados, lipoaspiração, botox e lugares chiques saltitam das 14 faixas do álbum, cujo carro-chefe não poderia ser outro se não Keep It Comin´Love, sucesso de KC and The Sunshine Band, que há anos acompanha as aberturas de Amaury Jr.

Trilha sonora morna chega ao topo
Contra um fundo vermelho e negro, Amaury Jr. se posta mais à vontade do que nos momentos em que serpenteia por festas caçando VIPs, seu sorriso descontraído, seguro, quase tão natural quanto aqueles que esboçam seus entrevistados só não chama tanta atenção quanto o fone de ouvido manuseado de maneira desajeitada pelo colunista na capa do disco.

As faixas passeiam por diversos gêneros, sendo em sua maioria um tanto quanto letárgicas. Sobram canções perdidas no tempo, You Are Everything, do moribundo grupo Double You, e Makin It, de David Naughton, trazem um passado enfadonho à tona. Embora faça pose de DJ no encarte, Amaury Jr. e sua trilha sonora passam a milhas de distância de animar o bailinho mais capenga, afinal, por mais que tenham estourado cinco, dez ou trinta anos atrás, artistas como Rod Hanna, Chris Rea e Johnny Boy hoje são meros ilustres desconhecidos.

Dasluzetes na parada

Outro lançamento que andou freqüentando as paradas das grandes lojas do país leva a etiqueta da boutique mais requintada e controversa de São Paulo, a Daslu. A coletânea, que abarca gêneros como house, lounge, samba-rock, entre outros, agrega uma variedade de artistas nacionais e internacionais.

Boutique impulsiona vendas
Em Daslu Bossa & Eletro, coloca-se na mesma fôrma gigantes da bossa nova como Tom Jobim, Elis Regina e Carlos Lyra e artistas que se projetaram ao dissolver o gênero em batidas eletrônicas, dando origem à chatíssima eletrobossa, cujos nomes mais conhecidos são Fernanda Porto, Cláudio Zoli e DJ Patife - vale ressaltar, entretanto, a excelente parceria entre Roberto Menescal e Bossacucanova.

Desde que o volume de músicas que circula pela internet possibilitou a criação de coletâneas personalizadas, lançar álbuns segmentados por gêneros ou épocas parece ter perdido o sentido. Ainda assim, quando se carimba o logotipo da boutique paulistana na capa dos discos é mais fácil fisgar um público cativo, que não hesita em optar pela marca em detrimento da música. A receita é antiga, e remonta aos tempos em que qualquer celebridade televisiva emprestava seu nome a coletâneas, vendendo discos a rodo como se fosse mais importante do que o próprio músico.

Cláudio Zoli, um dos nomes presentes no álbum Daslu Bossa & Eletro


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA