Guia da Semana
Arte
Por Nathália Tourais

Curiosidades sobre a viciante Op Art e 5 artistas que você precisa conhecer

Com menos expressão, o estilo brinca com os limites da nossa visão e provoca o olhar.

Obra de Bridget Riley

Irresistível, provocante e até mesmo cansativa e dolorosa, a Op Art simboliza um mundo mutável e instável, que sempre se mantém em movimento e que nunca é o mesmo. Com obras geralmente abstratas, muitas delas utilizam apenas as cores preta e branca e quando são observados, dão a impressão de movimento, clarões ou vibração, ou, por vezes, parecem inchar ou deformar, criando, então, uma espécie de pós-imagem.

O movimento ganhou mais força no ano de 1965, quando o MoMa de Nova York apresentou uma exposição sobre abstração perceptiva e a partir disso tornou o estilo mais conhecido. Assim, o Guia da Semana lista 5 artistas que aderiram ao movimento e confundiram nosso olhar. Confira:

RILEY BRIDGET - REINO UNIDO

Considerada um dos maiores expoentes da Op Art, Bridget nunca estudou óptica. Para criar os efeitos de luz, movimento e espaço presentes em sua singularidade é necessária uma rigorosa precisão, mas para a artista, tudo era feito de forma intuitiva, sem empregar uma matemática complexa.

Assim, costumava fazer esboços semelhantes a pinturas técnicas, geralmente em papel quadriculado, pintando e usando pedaços de papel que depois utilizava em colagens e tiras pintadas.

VICTOR VASARELY - HUNGRIA

Pioneiro da Op Art, foi inicialmente influenciado por Kandinsky e Josef Albers e, depois, experimentou o uso de transparências e cores em projeções, produziu tapeçarias e publicou suas primeiras gravuras. Seus quadros combinam variações de círculos, quadrados e triângulos, por vezes com gradações de cores puras, para criar imagens abstratas e ondulantes.

JESÚS SOTO - VENEZUELA

Jesús estudou arte e, logo depois de formado, iniciou sua ligação com o abstracionismo geométrico e a arte cinética, associando-se a grandes nomes como Yaacov Agam, Victor Vasarely e outros.

Em sua visão, a repetição era uma forma de libertar-se dos conceitos formais da arte tradicional - figurativa - fazendo com que sua arte abstrata surgisse na transfiguração do movimento. Através das repetições ópticas, desenvolveu trabalhos em alto relevo, que lhe renderam o status de pintor e escultor.

JOSEF ALBERS - ALEMANHA

A obra de Josef Albers representa uma transição entre a arte europeia tradicional e a nova arte americana. Os pintores abstratos nomeados de hard-edge influenciariam a forma como Albers compôs os padrões e cores intensas, enquanto os artistas da Op Art e outros designados conceptuais para o seu interesse e estudo pela percepção. Um artista completo, é considerado designer, fotógrafo, tipógrafo e poeta, e reconhecido pelos seus trabalhos como pintor abstrato e teórico.

RICHARD ANUSZKIEWICZ - EUA

Richard foi um dos fundadores e principais expoentes da Op Art e aborda em suas obras as mudanças óticas que ocorrem quando diferentes cores de alta intensidade são aplicadas às mesmas configurações geométricas. A maior parte de seu trabalho compreende investigações visuais dos efeitos formais de estrutura e cor, e muitos deles possuem a forma de um quadrado - similar a de Josef Albers, que foi seu professor.


Por Nathália Tourais

Atualizado em 22 Mar 2016.

Mais notícias

Conheça a 'Transe', plataforma digital que promove e conecta agentes das artes visuais no Brasil

Arte

Cirque du Soleil lança site especial durante a quarentena; saiba tudo!

Arte

15 museus brasileiros para visitar online

Arte

8 lives de galerias e museus para você curtir arte em casa

Arte

Curitiba recebe visita de museu egípcio itinerante; saiba mais!

Arte

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte
Guia da Semana Premium
Nosso conteúdo na melhor forma!

Aproveite o Guia da Semana de forma mais rápida, sem banners ou publicidade digital!