Guia da Semana

Curiosidades sobre a viciante Op Art e 5 artistas que você precisa conhecer

Com menos expressão, o estilo brinca com os limites da nossa visão e provoca o olhar.

Irresistível, provocante e até mesmo cansativa e dolorosa, a Op Art simboliza um mundo mutável e instável, que sempre se mantém em movimento e que nunca é o mesmo. Com obras geralmente abstratas, muitas delas utilizam apenas as cores preta e branca e quando são observados, dão a impressão de movimento, clarões ou vibração, ou, por vezes, parecem inchar ou deformar, criando, então, uma espécie de pós-imagem.

O movimento ganhou mais força no ano de 1965, quando o MoMa de Nova York apresentou uma exposição sobre abstração perceptiva e a partir disso tornou o estilo mais conhecido. Assim, o Guia da Semana lista 5 artistas que aderiram ao movimento e confundiram nosso olhar. Confira: 

RILEY BRIDGET - REINO UNIDO

Considerada um dos maiores expoentes da Op Art, Bridget nunca estudou óptica. Para criar os efeitos de luz, movimento e espaço presentes em sua singularidade é necessária uma rigorosa precisão, mas para a artista, tudo era feito de forma intuitiva, sem empregar uma matemática complexa.

Assim, costumava fazer esboços semelhantes a pinturas técnicas, geralmente em papel quadriculado, pintando e usando pedaços de papel que depois utilizava em colagens e tiras pintadas. 

VICTOR VASARELY - HUNGRIA

Pioneiro da Op Art, foi inicialmente influenciado por Kandinsky e Josef Albers e, depois, experimentou o uso de transparências e cores em projeções, produziu tapeçarias e publicou suas primeiras gravuras. Seus quadros combinam variações de círculos, quadrados e triângulos, por vezes com gradações de cores puras, para criar imagens abstratas e ondulantes. 

JESÚS SOTO - VENEZUELA

Jesús estudou arte e, logo depois de formado, iniciou sua ligação com o abstracionismo geométrico e a arte cinética, associando-se a grandes nomes como Yaacov Agam, Victor Vasarely e outros.

Em sua visão, a repetição era uma forma de libertar-se dos conceitos formais da arte tradicional - figurativa - fazendo com que sua arte abstrata surgisse na transfiguração do movimento. Através das repetições ópticas, desenvolveu trabalhos em alto relevo, que lhe renderam o status de pintor e escultor.

JOSEF ALBERS - ALEMANHA

A obra de Josef Albers representa uma transição entre a arte europeia tradicional e a nova arte americana. Os pintores abstratos nomeados de hard-edge influenciariam a forma como Albers compôs os padrões e cores intensas, enquanto os artistas da Op Art e outros designados conceptuais para o seu interesse e estudo pela percepção. Um artista completo, é considerado designer, fotógrafo, tipógrafo e poeta, e reconhecido pelos seus trabalhos como pintor abstrato e teórico.

RICHARD ANUSZKIEWICZ - EUA

Richard foi um dos fundadores e principais expoentes da Op Art e aborda em suas obras as mudanças óticas que ocorrem quando diferentes cores de alta intensidade são aplicadas às mesmas configurações geométricas. A maior parte de seu trabalho compreende investigações visuais dos efeitos formais de estrutura e cor, e muitos deles possuem a forma de um quadrado - similar a de Josef Albers, que foi seu professor.  

Atualizado em 22 Mar 2016.

Por Nathália Tourais
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA