Guia da Semana

De corpo e alma

Totalmente identificada com o personagem de sua nova peça, Paula Picarelli conta os detalhes da montagem.

Por Douglas Brito




De volta aos palcos de São Paulo para mais uma peça, a atriz Paula Picarelli, que já esteve por aqui com a comédia P.S. Seu Gato Morreu, encara um novo desafio na sua carreira: adaptar e encenar um espetáculo.

Do Que Orlando Me Disse, em cartaz no Teatro Fábrica, é uma adaptação do livro Orlando, da inglesa Virgínia Woolf. E em parceria com a diretora Georgette Fadel, não imaginavam ao certo se seria uma montagem apenas inspirada, baseada ou adaptada fielmente. "A gente (Paula e Georgette) não sabia o que ia sair, foi bem natural", confessa.

E por ser um texto literário, as duas precisaram "amolecer" um pouco a montagem, para que ficasse mais atual e isso foi um dos maiores obstáculos. "Era adaptação e ensaio tudo junto, foi mais de um ano assim". E mesmo com a dificuldade, o drama tem uma história simples que conquistou Paula. "Eu li o livro em 2003 e fiquei com vontade de montar, demorou um pouco, mas eu consegui", diz em meio às risadas.

Um dos motivos que mais fez a atriz entrar nesse desafio foi a identificação com as características de Orlando. "Me identifiquei com a personagem. Um apaixonado pela literatura, pela arte e que quer saber mais sobre si mesmo, tem problemas com a família", relata.

Sozinha no palco, Paula tem a ajuda de vídeos e trilha sonora, que envolvem o espectador. "Os efeitos não estão ali como uma muleta, para eu me apoiar. E sim, como algo complementar, que ajuda o público a entrar na história", conta. Mas mesmo contando com os recursos, um monólogo sempre expõe muito o ator. "Foi um trabalho muito profundo, tive mil dificuldades".

Difícil não reconhecer a atriz logo de vista, que ficou muito conhecida com o papel na novela Mulheres Apaixonadas, onde interpretou Rafa, uma adolescente homossexual que sofria com o preconceito. Mesmo assim, Paula afirma que o personagem não atrapalhou nem um pouco. "É claro que eu fiquei marcada, mas foi uma grande oportunidade para mim. Até hoje se lembram de mim, mas de uma forma muito positiva e com muito respeito", fala.

E embora pareça experiente em televisão, a novela foi seu único trabalho como atriz na telinha, mas mesmo assim sabe que TV e teatro são duas coisas muito diferentes. "No teatro você fica mais perto do público, é outra linguagem e você pode se aprofundar mais no assunto", explica.

Com planos de levar a montagem por várias cidades depois da temporada em São Paulo, a atriz está muito empolgada com a reação do público. "Todo mundo fala que tá gostando muito. E dá para perceber ali na hora". E completa: "Quero ficar muitos anos com essa peça. Eu tô abrindo meu coração mesmo".

Além do espetáculo teatral, Paula ainda apresenta um programa na TV Cultura, o Entre Linhas, onde fala sobre literatura.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA