Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Don´t cry for me...

A canção sucesso no musical da Broadway e na voz de Madonna é interpretada em solo nacional, na peça Evita , que estreia em março, no Teatro Alfa.

Foto: Jairo Goldflus

Encenado pela primeira vez no país, o musical ganhou produção totalmente brasileira

Nos próximos quatro meses, a cidade de São Paulo ganhará ares portenhos. Com um elenco escolhido a dedo, o diretor Jorge Takla, famoso por montagens como My Fair Lady e O Rei e Eu, dá vida e, principalmente, voz a um grande ícone da história latino-americana: Evita.

Com estreia marcada para o dia 26, o musical entra em cena em um ano em que mulheres em cargos de liderança estão em voga no mundo inteiro (e no Brasil) para contar a trajetória dessa atriz que se tornou um ícone político para seu povo.

No casting, a atriz Paula Capovilla encara o papel principal, acompanhada de Fred Silveira, como Che Guevara, e o galã global veterano dos palcos musicais Daniel Boaventura, interpretando Juan Perón. Inspirada no original que ganhou os palcos de Londres em 1978, a superprodução reúne 45 atores, 20 músicos e 350 figurinos e foi totalmente idealizada em território tupiniquim.

Produto nacional

Assim como na montagem original, no Brasil a história se passa em 1952 e começa com a notícia de que Evita morreu de câncer, aos 33 anos. Diante da comoção nacional, Che Guevara passa a narrar episódios da vida dela, com flashbacks que vão desde sua infância até a relação com Juan Perón e o envolvimento com o poder.

A peça já havia ganhado uma versão em 1983 por aqui, totalmente inspirada na montagem da Broadway. Dessa vez, a produção é nacional, desde as roupas (cópias fiéis das originais de Maison Dior) até adaptações das canções como Don't Cry For Me Argentina e Another Suitcase in Another Hall, que são agora cantadas em português, com versões de Cláudio Botelho. "É uma montagem totalmente brasileira, desde figurinista, iluminação, coreografia e mão de obra", ressalta o diretor Jorge Takla.

O enredo conta a história sem se apegar apenas ao caráter político da personagem - pelo contrário, o tema é secundário, segundo o diretor. "A peça fala de poder, relação amorosa, ditadura militar, sucesso, traição, muitas coisas que vão além deles dois. Não é um musical confortável. É uma obra que faz pensar, é um soco no estômago. Exige uma plateia de qualidade, mas o nosso público está preparado", afirma.

Fotos: Fabio Xavier

O diretor Jorge Takla afirma que dez anos atrás não havia atrizes capazes de viver a Evita nos palcos

A arte imita a vida

A jovem Maria Eva sonhava em ser uma atriz de sucesso. Quis o destino que ela fosse, sim, famosa, mas de uma outra forma: sendo a fiel e principal personagem na ascensão de Perón à presidência da Argentina. A peça inspirada na vida e na influência exercida pela primeira-dama mais popular da Argentina surgiu com Tim Rice e Andrew Lloyd Webber, que lançaram não somente o musical, como também a trilha, denominada na época de ópera-rock.

Em 1978, a montagem chegou a Londres e, um ano depois, a Nova Iorque, onde faturou nada menos que sete Prêmios Tony (considerado o Oscar dos musicais). No cinema, o musical foi dirigido por Alan Parker, em 1996, e teve Madonna como Evita e Antonio Banderas no papel de Che. O filme levou o Oscar de melhor canção com You Must Love Me, composta exclusivamente para a versão cinematográfica.

Em relação à película, o diretor Jorge Takla, comenta que a diva do pop é uma pessoa interessante, assim como Evita. "Ela atrai multidões, mas a diferença é que aqui temos uma grande cantora e no filme temos a Madonna. Ela jamais poderia cantar esse papel no palco, mas no cinema ela fez muito bem como atriz", admite Takla, ao dizer também que não pensa levar o enredo às telonas, como em suas outras produções que se tornaram longas.

Para que a versão brasileira da peça não ficasse atrás de suas contrapartidas no cinema e nos palcos internacionais, Jorge Takka dedicou atenção especial à escolha do elenco. "Há dez anos não havia ninguém que pudesse ficar com o papel da Evita. Hoje nós temos para todos os personagens", derrama-se o diretor.

Sensibilidade à prova

Experiente nos palcos musicais, Paula Capovilla foi eleita a Evita brasileira. A atriz já emprestou sua delicada voz a montagens como Les Misérables, Grease, O Fantasma da Ópera, A Bela e a Fera e, mais recentemente Mamma Mia!. Ela confessa estar totalmente apaixonada pela líder portenha. Comemorando dez anos de carreira e com brilho nos olhos, ela afirma que no início teve receio, mas quando soube com quem dividiria cena, logo teve confiança. "Ela foi uma mulher incrível por encarar tudo e todos em prol do povo. Estou apaixonada pelo personagem. Espero que a peça desperte o pensamento do público para ajudar o próximo. Pra mim, isso é muito válido", comenta.

Para ela, uma das grandes cenas do espetáculo é o momento em que Evita e Perón discutem, pois a passagem acontece próximo do fim da peça, quando os atores já estão exaustos e precisam colocar muita força no momento. "É muito marcante. Procurei inspiração na própria. Nada melhor que a fonte original. Li livros, vi documentários, muitas fotos, imagens e discutimos muito sobre a personalidade forte dela. Antes de começarem os ensaios, estudei as músicas, fiz aula de balé, de tango, canto, preparação com personal, pois a peça exige muito físico. Foi uma coisa especial para esse papel", diz.

Na pele de um presidente

Veterano em musicais, Daniel Boaventura afirma viver um desafio diferente do habitual. Acostumado a personagens cômicos, dessa vez, além de cantar e dançar, ele precisa demonstrar também a carga dramática do enredo e do líder que foi Juan Perón. "A personalidade dele me atraiu. É o primeiro personagem que faço, completamente dramático. Não é uma comédia musical, como eu vinha fazendo. Tem uma intensidade ímpar. Está sendo interessantíssimo fazê-lo", afirma.

Em relação ao processo de criação, Daniel confessa que o maior desafio é aproximar a realidade do papel ao público. "Há uma pesquisa, mas o principal é o elemento humano. Apesar de ele ser um homem muito sorridente, era um estrategista fantástico, sabia manipular e passou por muitas situações difíceis. Interpretar um personagem dramático com música é o grande desafio", confessa.

Colhendo ainda os louros do sucesso do detetive Diogo na novela Passione, Daniel revela que pretende mesclar o projeto teatral aos seus trabalhos na TV e ainda com sua carreira de cantor. "Divido a rotina entre a TV, a música e o teatro. Musical é algo que não consigo abrir mão. Acredito na longevidade desse projeto e quero que ele seja um sucesso. Acredito que eu consiga intercalar todos os projetos", ressalta.

Ícone narrador

Fred Silveira já é conhecido do público fã de musicais (participou de produções como O Fantasma da Ópera e Os Produtores) e também do diretor Jorge Takla, que o dirigiu em My Fair Lady e West Side Story. O ator comenta que, quando participou do teste para o elenco, fez uma promessa: a de passar o Réveillon em Buenos Aires e viver a experiência ao lado dos hermanos. "Queria conhecer mais e sentir o ar que em algum momento da vida o Che respirou. A semelhança entre ele e Evita é interessante, ambos carregaram nas costas a esperança de muito necessitados.





Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Conheça a 'Transe', plataforma digital que promove e conecta agentes das artes visuais no Brasil

Arte

Cirque du Soleil lança site especial durante a quarentena; saiba tudo!

Arte

15 museus brasileiros para visitar online

Arte

8 lives de galerias e museus para você curtir arte em casa

Arte

Curitiba recebe visita de museu egípcio itinerante; saiba mais!

Arte

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte