Guia da Semana
Arte
Por Anna Thereza de Almeida

Eduardo Kobra fala sobre mural de Niemeyer na Paulista

O Guia da Semana conversou com o artista sobre a grande pintura na parede lateral do edifício Ragi.

Kobra e sua equipe vão entregar a pintura finalizada no dia do aniversário de São Paulo (Divulgação/Facebook)

Desde o dia 14 de janeiro, o muralista e artista plástico Eduardo Kobra está produzindo uma grande pintura na parede lateral do edifício Ragi, no início da Avenida Paulista, em homenagem ao arquiteto Oscar Niemeyer e aos 459 anos de São Paulo.

O painel, que mede 52m de altura e 16m de largura, retrata o rosto do famoso arquiteto brasileiro. "Escolhi o Niemeyer porque, mesmo ele sendo carioca, ele homenageou os paulistanos com obras maravilhosas, como o Museu da América Latina, Parque do Ibirapuera, entre outras", afirma.

Veja a entrevista com o chef Paulo Yoller, especialista em hambúrgueres
Gastronomia no Aniversário de São Paulo 2013

Em um bate-papo descontraído, o Guia da Semana conversou com o artista, que falou sobre os detalhes da produção e a satisfação pessoal de realizar um trabalho desse porte.

Como surgiu a ideia de fazer um painel com o rosto do Oscar Niemeyer para o aniversário de São Paulo?
Há mais ou menos 2 meses eu fiz um trabalho em uma usina termoelétrica em Macaé, no Rio de Janeiro, onde retratei os principais monumentos brasileiros, dentre eles dois do Oscar Niemeyer, a Catedral, de Brasília, e a Pampulha, de Belo Horizonte. Depois disso, eu pintei uma tela grande do rosto do Niemeyer que foi mais ou menos a base para esse tralho. E eu sempre quis colocar esse painel na rua. Ai veio a notícia de que o arquiteto havia falecido. Como eu já tinha nas minhas mãos a base da arte e a autorização prévia do prédio, eu fui atrás de patrocínio e acabou rolando. Acho que a ideia foi um sucesso, o Oscar Niemeyer fez muita coisa por São Paulo.

Além do rosto do Niemeyer, a pintura ainda conta com outras obras do arquiteto. Por que?
Esse trabalho vem na linha dos murais que eu pintei em Miami, Los Angeles e Nova York. Ele vem com uma linguagem super colorida e com formas geométricas. Então eu aproveitei essa linguagem para inserir outros elementos. É possível perceber no rosto, na camisa e nas mãos várias obras que o arquiteto fez pelo Brasil, como a Pampulha, o Copam, o Museu Oscar Niemeyer e o Palácio do Planalto.

Quais foram as dificuldades de pintar esse painel?
Não é fácil, tem que ter muita determinação e amor pelo trabalho. Quando estamos com os andaimes, não conseguimos ter noção do que exatamente estamos pintando devido a proporção do mural. Além disso, tivemos o agravante das chuvas e ventos. Eu e a minha equipe – no total somos em quatro – temos trabalhado das 8h às 20hs. 

Por que você escolheu a Av. Paulista para instalar essa pintura?
Eu sou paulistano e amo a minha cidade. Então, para mim, a Avenida Paulista é um dos locais mais importantes da cidade e um dos pontos turísticos que eu mais gosto e admiro, além de ser um dos cartões postais do Brasil.

Qual é a sensação de ver um trabalho seu em uma das avenidas mais importantes da cidade?
É uma honra muito grande ver que hoje a street art consegue ocupar um espaço na avenida que é cartão postal da cidade. É uma forma de democratizar a arte, e eu me sinto muito feliz em relação a isso. Estou com 37 anos, mas comecei a pintar sozinho com 12 anos de idade, sou autodidata. E por conta de toda a trajetória de pichação, grafite e hoje muralismo, eu levei mais de 20 anos para chegar nesse momento de pintar a lateral de um grande prédio numa das mais importantes avenidas. Eu estou muito emocionado e orgulhoso desse trabalho.

O que São Paulo significa para você?
Eu amo São Paulo, mesmo ela sendo uma cidade de muitos contrastes. Eu nasci na periferia, no bairro do Campo Limpo, e entrei numa galeria de arte pela primeira vez somente com 26 anos. Depois disso, tive a oportunidade de conhecer os dois lados da cidade, tanto o mais pobre quanto o mais nobre. Mas quando eu pinto esses murais na cidade eu quero deixar uma mensagem de amor por São Paulo e dizer que todos os paulistanos podem fazer alguma coisa por ela. O que eu tenho de melhor é a minha arte, e eu faço essa doação para a cidade para deixá-la ainda mais bonita.


Por Anna Thereza de Almeida

Atualizado em 26 Jan 2013.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte