Guia da Semana

Eles não são o Joy Division

Elegantes e melancólicos, os americanos do Interpol desembarcam no Brasil em março.



Enfim, já faz um tempinho que o circuito é nosso. Quer dizer, não precisamos mais esperar vinte, trinta ou sei lá quantos anos para assistir aos shows de bandas novas e em ascensão, pelo em algumas das maiores capitais brasileiras. É o caso do Interpol, o classudo grupo americano que passa pelo Brasil em março, com shows em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

À primeira ouvida, uma salvação aos órfãos do rock melancólico, e até mesmo poético. Uma musicalidade densa, coesa, e de poucas notas. Uma voz grave poderosa, a de Paul Banks. Com esses elementos básicos, a banda ganhou a cena indie mundial desde seu primeiro disco Turn On The Bright Lights, enchendo os bolsos da pequena Matador Records. Em 2004, veio a consagração com Antics, um belo sucessor, que arrebatou um disco de ouro nos Estados Unidos, e trouxe à tona pequenos clássicos como C´mere e Not Even Jail.

A turnê que passa agora pela Oceania e América Latina divulga o mais recente álbum da banda, cuja sonoridade não perde a elegância, mesmo sem grandes inovações. Our Love To Admire é o primeiro álbum do Interpol pela Capitol Records, e foi lançado no ano passado. No I In Threesome, primeiro single do disco, carrega as mesmas características dos trabalhos anteriores. E tem até potencial radiofônico e clipe na MTV, embora a banda se declare integrante do mundo indie/underground.

A linha de baixo pronunciada do excêntrico Carlos D. - que garante sempre um show a parte nos palcos do mundo inteiro -, prevalece nas faixas do novo disco. O repertório empolga em faixas apoteóticas como Mammoth e Scale - com jeitão de hinos, e soturnas como Pioneer To The Falls, que se esparrama por mais de 5 minutos com um belo trabalho de timbres do guitarrista Daniel Kessler e crescendos instrumentais. O volume alto fica guardado para Heinrich Maneuver, que já ganhou até um remix versão pista de dana no Myspace do grupo.

A banda, ao vivo, tem recebido elogios pela presença de palco, especialmente nos shows pela Europa. Dado o apelo emocional das canções - que passam longe do sentimentalismo vulgar, e considerando a compenetrada postura dos músicos, o Interpol promete apresentações memoráveis e talvez até inspiradoras tanto para uma nova geração de fãs, como para antigos apreciadores de Joy Division, The Smiths, The Cure e outros grandes. Comparações são inevitáveis, embora desnecessárias.




Quem é o colunista: Renata D´Elia
O que faz: é jornalista e tradutora.
Pecado gastronômico: pizza.
Melhor lugar do Brasil: Paris? Londres?
Fale com ela: deliaboard@yahoo.com.br



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA