Guia da Semana

Experiência única

Assistir aos shows da banda Dead Fish é entrar em um clima cheio de energia, calor e muita música.

Foto: Sueliton Lima


O Dead Fish é uma banda já adulta. Completa 20 anos em 2011, mas o espírito e a vitalidade ao vivo continuam de uma banda iniciante, e é assim que o hardcore/punk tem de ser.

O público da banda se renova assustadoramente - palavras do próprio vocalista Rodrigo Lima. De fato, a idade média do público está entre 17 e 18 anos. Essa juventude, a maior parte da galera, bem possivelmente tem alguma influência na intensidade presente nos shows.

Um show do Dead Fish é sempre uma surpresa, não existem dois iguais. Vale ressaltar que a banda se mantém de forma praticamente independente. Os próprios músicos fazem suas camisetas e merchandising, cuidam dos meios de divulgação e marcam seus shows - claro que sempre com ajuda desse ou daquele amigo. Shows esses que quase sempre são lotados ou com ingressos esgotados, deixando o clima ainda mais quente.

Os shows são sempre repletos de energia de ambos os lados. O palco é "incendiado" pela banda com a sua frenética presença, discursos são feitos principalmente pelo vocalista e, de vez em quando, se faz necessário até algum insulto quando alguém da plateia passa dos limites. Plateia essa que não deixa por menos e responde à altura, cantando, gritando todas as letras de cor, subindo no palco e se jogando na galera (stage diving), agitando em rodas de Mosh Pit e tudo mais que é da cultura do punk rock. Os mais afoitos acabam atrapalhando a banda em alguns momentos, pisando em algum pedal, derrubando algum pedestal, mas isso no final acaba fazendo parte da coisa toda.

A banda faz um mix de todos os álbuns e tem se apresentado quase em todos os cantos do Brasil. Nos shows mais recentes, como do disco Contra Todos, lançado em 2008, o Dead Fish fez shows de Manaus a Porto Alegre, e assim segue Brasil afora. Os últimos shows de 2010 serão dia 4 de dezembro no tradicional HANGAR110 e no dia 18, no Kazebre, junto com Raimundos.

Um show do Dead Fish é, sem sombra de dúvidas, uma experiência única que deve ser vista, sentida e ouvida. Vale a pena conferir um show dessa banda, que já pode ser tida como uma das instituições do hardcore brasileiro!

Quem é o colunista: Thiago de Oliveira, Thiagones.

O que faz: Tecnólogo em informática/desenvolvimento de sistemas, e músico quando me é permitido.

Pecado Gastronômico: Massa, molho e queijo!


Melhor lugar do mundo: O Meu Quarto.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Matisyahu Novo (disco Light), Snowing, Farside, I Shot Cyrus e algumas barulheiras.

Fale com ele: thiagoneshc@hotmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA