Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Fígaro, Fígaro, Fígaro

O Barbeiro de Sevilha, a mais famosa obra de Rossini, chega a São Paulo com a Companhia Brasileira de Ópera, sob o comando do maestro John Neschling.

Foto: Divulgação


Mais uma vez o barbeiro Fígaro, a donzela Rosina, o médico charlatão Dom Bartolo e o elegante Conde de Almaviva - personagens da clássica ópera O Barbeiro de Sevilha, de Gioacchino Rossini -, voltam ao palco, mas agora apresentados pela Companhia Brasileira de Ópera. Sob o comando do maestro John Neschling e do diretor executivo José Roberto Walker, o espetáculo chega a São Paulo depois de visitar 13 cidades. Até o final de novembro, a turnê deve passar por mais duas cidades, Ribeirão Preto e Rio de Janeiro.

A estreia do mais abrangente trabalho de música erudita realizado no país nos últimos anos aconteceu em Belo Horizonte, em junho deste ano. Em São Paulo, entre 27 de outubro e 3 de novembro, serão apresentadas oito récitas adultas e duas infantis. Orçado em R$ 10,3 milhões, o projeto traz uma proposta ousada, em que as canções interagem com cenários e personagens desenhados pelo cartunista ítalo-americano Joshua Held. Para isso, a Cia. recebeu apoio do Ministério da Cultura, do Banco do Brasil e da Petrobras.

"Do ponto de vista artístico, não queremos fazer o mesmo que todo mundo faz. O espetáculo tinha que ter alguma inovação. Além disso, levaríamos uma grande produção para 15 cidades. Por conta disso, optamos fazer O Barbeiro de Sevilha por meio de uma interação entre um desenho animado e os cantores", explica José Roberto Walker. Segundo ele, como o objetivo era ter um formato leve que pudesse ser apresentado em diferentes teatros, optou-se somente pelo uso de um telão onde as cenas são projetadas.

Música e desenho animado

Foto: Divulgação


Para que a projeção não interferisse no desempenho dos cantores, foi usada uma técnica em que o desenho animado acompanha a música. Assim, se o maestro reger um pouco mais rápido ou mais lento, as imagens o seguem. "Esse é o grande segredo da obra. Ninguém tinha usado esse tipo de recurso de modo que não comprometesse o espetáculo ao vivo. Os artistas não poderiam ficar condicionados ao tempo do filme. E em cada récita acontecem coisas diferentes", diz.

Essa tecnologia utilizada confere ao espetáculo uma característica mais contemporânea, uma vez que O Barbeiro de Sevilha existe há 200 anos e é uma das óperas mais populares da história. "É uma obra de grande sucesso no mundo todo e que tem partes que a maioria das pessoas conhece, como o trecho 'Fígaro, Fígaro, Fígaro'. Por isso, a gente tem obrigação de fazer algo interessante", afirma Walker. A ópera estreou em 1816, em Roma, e traz uma trama cômica em que o barbeiro Fígaro resolve ajudar o conde Almaviva a conquistar o amor de Rosina.

Projeto de peso

Foto: Divulgação


Com mais de 70 pessoas na equipe, entre artistas e técnicos, a produção conta com dois elencos em revezamento, num total de 28 músicos e 24 cantores líricos. A meio-soprano Luisa Francesconi, o barítono Sebastião Teixeira e o baixo Saulo Javan fazem parte dos solistas. Além de Neschling, a companhia também tem como regentes residentes os maestros Abel Rocha e Victor Hugo Toro. A concepção cênica da ópera foi assinada pelo diretor italiano Pier Francesco Maestrini. Walter Neiva e Mauro Wrona fazem parte da montagem como diretores residentes.



Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte