Guia da Semana

Foto na latinha

Já pensou em tirar fotos usando uma latinha ou caixa? Parece antigo - e é: era assim que as primeiras fotografias eram produzidas.

Foto: Getty Images

O maior tempo de exposição da foto pinhole é o grande barato e faz toda a diferença

Uma ideia na cabeça, e uma... latinha na mão? Pois é, assim que funciona a fotografia pinhole (em inglês, "furo de alfinete"): uma lata, caixa, ou qualquer coisa fechada, com somente um pequeno orifício em uma das superfícies. E que ilustra o princípio básico da fotografia: uma câmara escura, um material fotossensível, que é impressionado pela luz que entra por um buraco e, voilá, está pronta a sua foto. "Só não pode tremer a lata", diz o professor Pedro Palhares, especialista nesse tipo de fotografia e que ministra cursos sobre a técnica.

 

O esquema pinhole é completamente diferente das máquinas digitais. Para começar, a câmara é carregada em laboratório: somente em um ambiente escuro você pode colocar o papel fotográfico dentro da lata e vedá-la, de maneira a mantê-la completamente escura por dentro. Com a latinha pronta, a escolha do local para a foto é ainda mais importante - afinal, somente uma foto por papel é permitida. E a lata não é o único recipiente que pode ser utilizado na fotografia pinhole. "Qualquer caixa serve, até caixinha de fósforos", diz.

 

Uma vez escolhido o ponto, estuda-se a iluminação do ambiente, coloca-se a latinha, tira-se a proteção do furinho na tampa e a fotografia começa. "Com o céu nublado ou chovendo, a exposição dura até um minuto. Em dias de muito sol, de um a cinco segundos são suficientes", explica. Por isso a importância de não tremer a lata. Uma vez pronta, a foto, a câmara é levada ao laboratório, onde o papel é retirado e processado.

 

A fotografia pinhole ainda tem outra particularidade: a de você mesmo revelar suas fotos. Como são em preto e branco, o processo para trazer as imagens à tona é bastante simples. "A foto colorida é mais precisa: o laboratório precisa ser completamente escuro, e a temperatura dos produtos tem que ser controlada", explica. Já a fotografia em preto e branco precisa de uma sala escura e ventilada - pode ser um quartinho nos fundos da casa ou até mesmo o banheiro - onde você prepara as bacias com os produtos químicos necessários para a revelação. Acende-se a luz vermelha - que não interfere no processo - e a mágica das imagens aparecendo se inicia.

 

Com a foto sendo revelada, a "câmera" pode ser recarregada, e o fotógrafo pode partir em busca de novos "cliques": esse é o grande barato da pinhole. Como o tempo de exposição é bem maior, o relacionamento do fotógrafo com o objeto da fotografia é diferente. Além, é claro, da imagem revelada no fim do processo. Tal como o negativo de um filme, a foto no papel sai com as cores invertidas - isso é o princípio da câmara escura. Para finalizar as imagens, as fotos são escaneadas e tratadas no computador. "Isso cria um elo do mundo analógico com o digital", conta Palhares. Porque, por mais que as câmeras digitais sejam rápidas e práticas, foi da foto na latinha que elas surgiram.

 

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA