Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

"Humor é a minha cara"

Depois de posar para a revista M... como Mulher Acerola, Douglas Silva quer partir com tudo para a área de humor.

Foto: Max Moure / Casa 13
Douglas Silva na transformação para Mulher Acerola na Revista M...

Douglas Silva tem apenas 20 anos. Mas apesar da pouca idade, já apresenta uma carreira de respeito. Chamou atenção ainda criança, quando interpretou o menino-traficante Dadinho, no filme Cidade de Deus, de Fernando Meirelles. Sua fama só aumentaria durante os cinco anos seguintes, na pele de Acerola, protagonista da série Cidade dos Homens, da Globo, inspirada em personagens do longa de Meirelles.

Mesmo com aparições discretas após o fim da série, Douglas continua como contratado da emissora. Prestes a aparecer em Caminho das Índias, sua estréia em novelas, o ator demonstra maturidade, mostrando que sabe esperar pacientemente o próximo trabalho, sempre rindo à toa, com seu característico bom-humor.

Foi apoiada nessa vertente humorística que a revista M... fotografou recentemente o ensaio "Mulher Acerola", onde Douglas ironiza a onda das musas do funk com nomes de fruta, interpretando uma popozuda hilária.

Em entrevista exclusiva ao Guia da Semana, alguns dias após seu casamento, o risonho ator fala sobre crescer com a avó, o início da carreira, cinema nacional e partes anatômicas indispensáveis de funkeiras.

Guia da Semana: Parabéns pelo casamento! A cerimônia foi realizada em uma igreja evangélica, certo? Desde quando você segue a religião? Como ela influencia suas escolhas?
Douglas Silva: Obrigado. Na verdade não foi na igreja, foi uma cerimônia em um jardim. Mas eu sou evangélico. Não posso falar da minha infância porque conheci a igreja aos 16, 17 anos. Foi ótimo, mudou a minha vida. Fiquei mais responsável e maduro. Me serve também como uma forma de terapia.

Guia da Semana: Foi você que teve a idéia de posar como Mulher Acerola? Gostou do resultado do ensaio?
Douglas Silva: Fui convidado pelo Ulisses Mattos (diretor da M....), que me explicou o conceito cômico da revista, da idéia de brincar com essas mulheres-fruta, musas do funk. Foi muito engraçado. Todo mundo gostou.

Guia da Semana: Qual a sua opinião sobre o funk e as "mulheres-fruta"? Acha muito apelativo?
Douglas: A imagem de mulher gostosa, dos bustos avantajados, tem muito apelo sexual. Mas eu acho bonito. Temos que entender essa vaidade da mulher. Mas depende muito de cada uma. Algumas eu acho bonitas, outras não.

Guia da Semana: Antes de falar sobre a sua carreira, quais são os seus projetos daqui em diante? Você é contratado da Globo, não é?
Douglas: Eu estou em um projeto cultural com um amigo, que exige a inclusão da cultura africana dentro dos colégios. No cinema, fiz um papel no Última Parada 174, do Bruno Barreto. E tem alguns projetos pintando com o Fernando Meirelles e outros diretores.

Guia da Semana: Mesmo em alguns personagens "pesados", como em Cidade de Deus e Cidade dos Homens, você já mostrava um pouco de humor. Isso também pode ser constatado em suas aparições no programa Toma lá dá cá. Você gostaria de ir para essa área?
Douglas: Eu gosto de humor, é minha cara. É uma área que eu posso crescer. Eu sei que tenho esse potencial.

Guia da Semana: Você acha que teve poucas chances na Globo até agora, pelo menos na área humorística?
DS: Eu sou novo na Globo. Apesar de ter dez anos de carreira, na televisão eu sou muito novo. Mesmo o Cidade dos Homens puxava um pouco mais para o cinema. Minha vida até agora é cinema. Mas, se Deus quiser, eu vou conseguir as minhas chances na emissora. Já vou participar do Caminho das Índias, minha primeira novela.

Guia da Semana: Como você se interessou pela vida de ator? Qual foi o empurrão inicial para que isso acontecesse?
Douglas: Na verdade era um interesse despertado pelo meu tio. Ele praticamente me obrigou a fazer um teste e depois eu peguei gosto pela carreira. Antes eu queria ser militar.

Guia da Semana: Você começou a carreira muito cedo. Chegou a trabalhar em outra coisa antes de ser ator?
Dougas: Tive um trabalho, mas durante pouco tempo. Era mais para ajudar minha avó.

Guia da Semana: Você e o Darlan Cunha (ator que interpreta Laranjinha em Cidade dos Homens) são muito ligados com a Regina Casé. Qual a importância dela na sua carreira e na sua vida?
Douglas: É uma mãezona, sempre cuidou da gente. Ela sempre deu todos os conselhos, nos ajudou e continua nos ajudando.

Guia da Semana: Você se espelhou em alguém no início da carreira?
Douglas: Não tive ninguém para me espelhar porque comecei na carreira muito cedo. Me espelhava mais nas histórias que eu ouvia. Hoje me espelho em alguns atores estrangeiros. Gosto muito do Eddie Murphy e do Will Smith, que acho hilário desde o seu trabalho no seriado Um maluco no pedaço. Admiro muito porque ele consegue ir do drama a comédia com a mesma competência.

Guia da Semana: Eu li que você cresceu em uma favela no bairro da Penha. O ambiente no qual você cresceu ajudou na hora de interpretar os personagens de seus filmes?
Douglas: Não ajudou porque eu não tinha esse contato. Saí da favela com nove anos. Com essa idade, você ainda não sabe de nada. E ainda por cima eu era criado pela minha avó. Você pode imaginar a proteção. Avó tem horário para comer, para dormir, para tudo! Tem de ser tudo certinho, avó é "chata". (risos)

Guia da Semana: Você não teme ficar marcado pelos papéis de Dadinho e Acerola, que fizeram muito sucesso?
Douglas: Não temo. Acho bom. Foi um trabalho muito bem feito. Se tivessem dado essa oportunidade a outros jovens, com certeza teriam aceitado. O que gostei foi que a partir do Cidade de Deus começaram a olhar o Brasil na indústria do cinema. Fico feliz por ter participado disso.

Guia da Semana: Dizem que o Cidade de Deus trouxe a visão do morro sobre o problema do tráfico carioca, enquanto o Tropa de Elite trouxe a visão da polícia. Você concorda com essa visão? O que você acha do filme?
Douglas: É um filme muito bom. Mas mostra um lado que eu não conhecia. Então não posso dizer que a história toda é real. Poderia ter mostrado mais coisas, há uma restrição na história, para não denegrir a imagem do governo. Mas é ótimo, com um elenco muito bom. Assisti umas quatro vezes.

Guia da Semana: Você tinha lugar nesse filme?
Douglas: Acho que não. Não consigo me ver nessa história.

Fotos cedidas pela revista M...


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte