Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

It Was a Beautiful Day

Os shows das duas bandas levaram a plateia ao êxtase: um setlist caprichado e homenagens ao Brasil foram alguns dos pontos altos.

Foto: M.Rossi


Antes de mais nada, preciso confessar que sou suspeita para falar de Muse e U2. O apreço pela primeira banda começou em 2004, quando descobri o álbum Absolution por meio dos singles Time Is Running Out e Hysteria, que estavam no topo das paradas na Nova Zelândia (onde eu morava na época). Já o amor pelo U2 começou aos 12 anos, com o lançamento de All That You Can`t Leave Behind - que para mim é, até hoje, o melhor álbum deles.

Infelizmente, demorou dez anos para que eu pudesse conferir ao vivo e de perto um espetáculo do grupo. Sim, espetáculo. Com a abertura do Muse, me atrevo a dizer que foi uma obra-prima. Fui ao Morumbi com a maior das expectativas, afinal, não era uma, mas duas de minhas bandas favoritas que iriam se apresentar. E, mesmo não conhecendo umas quatro músicas (três do Muse e uma do U2), a noite não poderia ter sido melhor. Como eu já comentei, quem tem talento esbanja a qualquer momento, e empolga até quem está ouvindo a canção pela primeira vez.

Tirando a "calça Restart" do Matthew Bellamy, vocalista do Muse, e o corte de In a Little While - uma das músicas que eu mais amo no mundo - do setlist do U2, o último show 360º no Brasil foi incrível. Bono e Seu Jorge cantando uma versão voz e violão de The Model, do grupo alemão Kraftwerk, e o jogo de luzes do palco compensaram qualquer ponto negativo que pudesse haver.

A pontualidade do evento também me chamou atenção. Matthew Bellamy, Christopher Wolstenholme e Dominic Howard subiram no palco às exatas 20h. Fiquei triste que a apresentação durou apenas 45 minutos, pois não é todo dia que se pode conferir de perto a genialidade de certos artistas. Cheguei a ouvir do cara ao lado, comentando com o amigo: "Os agudos dele são sempre tão bons que eu diria que eles estão usando playback se não entendesse de música".

Para falar a verdade, a voz do vocalista nunca foi o que me chamou atenção na banda, mas sim o som incrível que apenas três pessoas conseguem fazer. Não há como negar: Bellamy é um gênio no piano, Wolstenholme manda muito bem na guitarra (e ainda se arrisca na gaita!) e Howard completa com chave de ouro na bateria. Não é à toa que Bono os comparou a Cream e Jimi Hendrix.

Falando no Bono, voltemos à atração principal da noite: o próprio, juntamente com The Edge, Adam e Larry. Para mim, cada um deles é um show à parte. The Edge com o carisma de sempre e os impressionantes solos de guitarra; Adam, no baixo, sempre colocando o público para cima; e Larry, meio escondido e até tímido atrás da bateria, arrancando gritos da plateia a cada solo de bateria que encerrava as canções.

Talvez por me identificar com os princípios e valores, acho que o que mais me chama atenção no grupo é a atitude. Acho demais a maneira como eles procuram se inserir de alguma forma na sociedade de cada país que visitam. Para eles, uma turnê nunca é apenas "uma visitinha para cantar e ir embora". Eles encontram políticos, discutem negócios, sociedade, economia, esportes, projetos sociais... E, sinceramente? Não acho que o façam para conservar a imagem de bons moços. Afinal, eles não precisam disso para manter os milhões de fãs espalhados pelos quatro cantos do globo.

Com Magnificent, Bono declarou seu amor à América do Sul, citando Brasil, Chile, Argentina e Venezuela; com I Still Haven`t Found What I`m Looking For agradeceu a parceria do Muse na turnê; e, ao som de Scarlet, discursou em homenagem à ativista de Mianmar Aung San Suu Kyi, libertada no fim de 2010, após 20 anos presa.

Já no primeiro bis, Bono entoou One, homenageando o líder africano Desmond Tutu e a Campanha One, pela erradicação da pobreza e da Aids. Entre All I Want Is You e Where The Streets Have No Name, além de agradecer o governo de São Paulo por ter cedido o estádio para o show, Bono relembrou o massacre na escola de Realengo, ocorrido na semana passada no Rio de Janeiro.

O dia 13 de abril de 2011 ficará marcado em minha memória para sempre, não tenho dúvidas disso. Com ou sem In a Little While, o U2 já me faz feliz com Elevation, Beautiful Day, Sunday Bloody Sunday, Miss Sarajevo, Pride e as melhores da noite: City Of Blinding Lights, Walk On e With Or Without You. Se eu pudesse dizer alguma coisa a eles? "VOLTEM SEMPRE!".

Leia as colunas anteriores de Gabriela Forlin:

Turismo rural na serra catarinense

Encantos da Praia Brava

Backstreet is NOT back

Quem é a colunista: Alguém que tenta ser a diferença que quer ver no mundo.

O que faz: Jornalista e tradutora.

Pecado gastronômico: Qualquer coisa que contenha chocolate ou maracujá.

Melhor lugar do mundo: Depois de conhecer o mundo todo eu conto! Mas Ilhas Fiji e Deserto do Saara já estão no TOP 10..

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: De Amy Winehouse a Jorge Drexler, The Strokes a David Guetta, The Kooks a Franz Ferdinand, Leoni a Katy Perry, Ben Harper a Lulu Santos, Oasis a Paulo Miklos, e por aí vai...

Fale com ela: Acesse seu Facebook ou siga seu twitter.






Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte