Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Louco pela arte

Arthur Bispo do Rosário usava a arte para fugir do mundo dos tratamentos para esquizofrenia nos anos 40.

Foto: Divulgação

No limite entre a loucura e a genialidade, um artista se fez. Sua arte é um grito de protesto ao modelo como os ditos "loucos" eram tratados no início do século 20. Arthur Bispo do Rosário viveu mais de 50 anos na Colônia Juliano Moreira, instituição psiquiátrica no Rio de Janeiro que era destinada a abrigar aqueles classificados como anormais ou indesejáveis (doentes psiquiátricos, alcoólatras e desviantes das mais diversas espécies). Foi lá que criou suas peças, e 160 delas estão reunidas na exposição Arthur Bispo do Rosário: o artista do fio, em cartaz na Caixa Cultural do Rio de Janeiro.

Arthur Bispo do Rosário nasceu em Japaratuba (SE) em 1909. Descendente de escravos africanos, foi marinheiro na juventude e empregado de uma tradicional família carioca. Sua internação aconteceu em 1939, quando, após uma alucinação, foi diagnosticado como "esquizofrênico-paranoico". Bispo usava sua arte para fugir dos tratamentos usados na época, à base de drogas e eletrochoques. As peças criadas por ele remetiam a objetos musicais, de arquitetura e do cotidiano, como pandeiro, facas, batedor de ovos e até um patinete.

As obras selecionadas pelo curador Wilson Lazaro são denominadas ORFA (Objeto Recoberto por Fio Azul) e fazem parte do acervo do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea. Tal denominação veio do fato que o artista usava a linha azul de seu uniforme e de outros internos da Colônia Juliano Moreira para revestir suas peças. Esta é a primeira vez que esse conjunto de obras é apresentado ao público carioca.

A obra de Bispo do Rosário é um grande resposta a essa sociedade que o excluiu de sua convivência. É também uma grande lição às instituições de arte, já que aquele que era considerado louco é hoje referência para a arte contemporânea brasileira. Mas Bispo do Rosário não era "anormal" no sentido que a sociedade da época o taxava. Ele era um grande artista que usou a situação que foi imposta a ele para criar suas obras. Ele é, assim, um subversivo dos paradigmas nos quais vivemos imersos.

Leia as colunas anteriores de Carol Vidal:

A ordem é ser feliz

As faces de um guerreiro

Quem é a colunista: Uma apaixonada pela cultura brasileira.

O que faz: Jornalista e blogueira.

Pecado gastronômico: Chocolate.

Melhor lugar do mundo: Bahia.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Músicas que alimentam a alma e tocam o coração.

Para falar com ela: [email protected], ou siga seu blog, e Facebook.



Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte