Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Na onda do Ai, Ai, Ai

Vanessa da Mata desponta mais uma vez com um sucesso de novela e ainda não se considera famosa.

Por Humberto Baraldi


Divulgação

Uma mulher de bem com a vida, independente e dona de seu próprio nariz. Assim é Rebeca, personagem vivida por Carolina Ferraz, na novela Belíssima (TV Globo). Para representar este jeito tão Up de ser, a trilha sonora escolhida foi o remix Ai, Ai, Ai, hit que virou fenômeno das FMs e fez Vanessa da Mata, a compositora, ver a fama bater definitivamente em sua porta. Na mira dos holofotes da imprensa, a mãe deste sucesso, uma morena de cabelos bem armados, se diz orgulhosa pelo êxito, relembra as investidas como modelo e não se considera famosa.

Integrante do time das novidades da MPB, a artista mato-grossense viveu alguns momentos de fama com Não Me Deixe Só, melodia de seu primeiro disco Vanessa da Mata, de 2002. Agora em uma outra fase, com a turnê do segundo CD Essa Boneca tem Manual, vem com tudo e destaca Ai, Ai, Ai no set list. "Na realidade eu fiz esta música para celebrar a vida e não um determinado amor, como muitos pensam", explica.



A relação com a música começou cedo, e alguns anos depois veio uma vontade incontrolável por compor suas próprias canções. Vanessa subiu ao palco pela primeira vez aos 15 anos em um bar em sua cidade natal. Corajosa, a garota saiu de casa e mentiu para o pai, dizendo que ia cursar medicina. "Na realidade, queria mesmo era cantar. Meu pai descobriu, me deu uma bronca, mas não me arrependo de nada", detalha.



Na época, a moça abria shows de um até então desconhecido grupo de pagode, o Só Pra Contrariar. Mais tarde, ingressou no reggae, e fez parte de duas bandas, entre elas o grupo jamaicano Black Uhuru. "Foi um começo muito bacana. Aprendi a fazer muito bem backing vocal", relembra.

Com seus 1,80 m, Vanessa quase virou jogadora de basquete e modelo, mas preferiu o mundo das melodias. "Um dia participei de um concurso e vieram idéias em minha mente. Acabei me rendendo ao universo das canções".

A fama começou a surgir quando ela conheceu Chico César, que se apaixonou por seu trabalho e a apresentou ao meio musical com um CD-demo. "O Chico deu força para entrar no mercado e seguir adiante". Nesta época, A Força que Nunca Seca, um dos hits da mato-grossense, chegou ao alcance de Maria Bethânia. Logo, o caminho do sucesso foi trilhado com uma série de apresentações pelo País, em companhia de nomes como Milton Nascimento e Daniela Mercury.

O relacionamento com as trilhas sonoras de novela começou em 2002 com Onde Ir, tema de Esperança (TV Globo). Depois vieram Nossa Canção, Celebridade (TV Globo), e Eu Sou Neguinha (de Caetano Veloso), em A Lua Me Disse (TV Globo).

Hoje, com seus 30 anos, Vanessa da Mata - nome de batismo - possui um fichário que abriga mais de 350 composições próprias e diz não refletir sobre o futuro. "Não gosto de pensar sobre isso". Sobre a fama, revela: "Nossa, sou super tímida. A fama não me atingiu como muitos pensam". Com tanta modéstia, a cantora pode, por enquanto, ficar tranquila, pois o seu sucesso parece só estar começando...


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte