Guia da Semana

Não dá!

Já dizia o pensador Walter Haddon "A música é o remédio da alma...".



A gente consegue viver sem carro. Um ponto de ônibus perto de casa ou uma bicicleta na garagem já resolvem. A gente consegue viver sem celular, sem e-mail e sem ir ao shopping. Também dá para viver sem televisão, sem saber que fim levou a mocinha da novela. O ser humano é forte, tira de letra a ausência de algumas coisas que ele mesmo criou.

Mas ainda está para chegar o dia em que a gente vai conseguir viver sem música. Não dá. Agora, por exemplo, um fone faz companhia aos meus ouvidos. Desligando o rádio, desligo também as possibilidades de combinar palavras. Desligo a mim mesmo.

Música é o nosso play.

Outro dia, a moça da academia se apressava em avisar aos alunos que não haveria aula de bike e de ioga. Motivo? O rádio estava quebrado. A falta de música não é nada saudável.

O trânsito pode ser caótico, pode ser aquático, com ruas e avenidas alagadas. Mesmo assim, lá estão os valentes motoristas em suas arcas 1.0 enfrentando a cidade. Mas basta o rádio do carro quebrar que eles correm para a oficina. Vale tudo, menos trânsito sem música.

Em visita a uma leiteria no interior de São Paulo, o agricultor me confessou: "as vacas daqui só dão leite quando o rádio tá ligado. Se não tem música, não tem leite." Sei que é difícil acreditar nisso, mas fui testemunha. Ele tirou o rádio da tomada, e a vaca, num gesto de protesto, entrou em greve.

O que seria do cinema sem música? "Não seria". A gente dependeria de gênios como Chaplin para contar uma história sem usar som, e ainda assim precisaríamos da música para a projeção. Nos filmes de Hitchcock, as facas não assustariam tanto. Woody Allen e George Gershwin nunca trabalhariam juntos.

Tudo bem que políticos corruptos não ganhariam a eleição com seus jingles irritantes, mas isso é apenas uma sardinha dentro de um oceano de vantagens.

Nada pessoal contra o silêncio, mas sem música não dá para viver.

Leia  as colunas anteriorwa de Pedro Cavalcanti:

Ali, no interior

O rádio que queremos ouvir

Hamilton e Yamandu

Quem é o colunista: Pedro Cavalcanti.

O que faz: Publicitário.

Pecado gastronômico: Qualquer prato preparado pela minha avó.

Melhor lugar do Mundo: Aqui e agora, como diria o Gil.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Ulisses Rocha, Pat Metheny, Chico Saraiva
 
Fale com ele: phmarcos@terra.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA