Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

O Gueto no Centro

O rap como manifestação social e o quebra que aconteceu na Virada Cultural.

Foto: divulgação

O quebra pau que rolou na madrugada de domingo, durante o show dos Racionais MC´s (acima) na Virada Cultural, reverberou tanto que conseguiu livre trânsito em diversos setores da sociedade e grudou nas páginas policiais, políticas e culturais de vários jornais.

Antes de tudo, é preciso reconhecer a arte, como um todo, como uma voz da sociedade. A transposição para a música, para o teatro, para o cinema, dos retratos que nossos olhos captam todo dia, o dia todo.

Num dos eventos mais bacanas entre os promovidos pela Prefeitura, a Virada Cultural se livrou do estigma de "evento popular" como os que já estamos de saco na lua de ver, como 1º de Maio ou o Reveillon da Paulista. Teve uma escalação de atrações que agradava a todas as "são paulos" que existem dentro desta cidade e conseguiu atingir pontos como a revitalização do centro, o acesso do grande público ao suntuoso Teatro Municipal, e reuniu também os guetos que, por vezes, a sociedade prefere deixar fechados em si mesmos.

Assim com jazz e o blues - hoje elitizados -, que quando surgiram eram tidos como marginais, o samba e o rock - hoje populares - eram contestados pelos "guardiões dos bons costumes", o rap, há alguns anos, é o grito de uma parcela que sobrevive numa realidade que é indigesta ao estômago daqueles que conduzem a cidade.

As letras sobre violência, a repulsa à sociedade e a seus ícones - políticos, playboys e, sim, a polícia, - não são tiradas de estórias isentas, fantasiosas. Mas agora chegou, finalmente, ao Marco Zero da cidade e escancarou o que era mito, "exótico", ao ponto de vista de muitos moradores mais desavisados da paulicéia.

A violência do que aconteceu no último domingo deve ser contestada, mas questionar se o erro foi levar os MC´s para tocarem na Praça da Sé (lê-se longe da periferia) é continuar enjaulando os guetos e suas manifestações culturais e isso é tão ignorante quanto deixar de ouvir qualquer outro que é parte de nossa sociedade. Continuar marginalizando seus adeptos e reprimindo seus ícones, é tão explosivo quanto qualquer repressão à força de um povo.

Que a Virada Cultural se mantenha nos próximos anos e que outros projetos semelhantes sejam criados para abastecer nossa cidade com arte e cultura, sem termos que desembolsar quantias absurdas de reais em cada show ou evento que vamos. E que a diversidade impere. Na paz.

Abraços e até a próxima. E espero que seja com coisas mais bacanas.


Quem é o colunista: Tiago Archela
O que faz: é músico, jornalista e bancário. Não necessariamente nesta ordem. As funções se alteram conforme o dia e a hora.
Pecado gastronômico: feijoada.
Melhor lugar do Brasil: São Paulo, de preferência aqueles dois quilômetros entre a Consolação e o Paraíso.
Fale com ele: [email protected]




Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte