Guia da Semana

O valor das obras

Saiba porque o preço de determinados quadros e esculturas vão além do prestígio do artista.

A última Bienal de São Paulo, realizada em 2008, deixou como herança uma dívida de R$ 4 milhões. Este ano, o presidente Heitor Martins não só pagou a conta como conseguiu superar em três vezes o dinheiro gasto na última mostra: R$ 30 milhões no orçamento da exposição de 2010.

Foto: Getty Images

Mas, afinal, quanto vale uma obra de arte? O que está incluso nos valores exorbitantes a que pinturas e esculturas são vendidas? Vincent van Gogh, que teve uma vida seguida por fracassos, depois de morto - por suicídio, acabou entre os artistas mais caros do mundo. Ao contrário dele, as telas de Alfredo Volpi foram desvalorizadas após o falecimento do pintor, em 1988.

Isso tudo porque não é apenas a imagem em si que faz o preço ser maior ou menor. As variáveis incluem ainda custo de execução, especulação e prestígio em torno de determinada obra.

O advogado João Carlos Lopes dos Santos é autor do Manual do Mercado de Arte e explica que podem coexistir três preços diferentes para a mesma obra de artistas contemporâneos. Isso porque estão envolvidos os valores do ateliê, o preço pago pelo profissional do mercado ao artista e aquele resultante da análise profissional. Saiba mais em sua página oficial.

Quando o assunto é mais geral e envolve obras antigas, há ainda a questão dos materiais envolvidos, valor gasto com o transporte e tipo de mão de obra empregada, entre diversos outros fatores. Desenhos, aquarelas e gravuras, por exemplo, podem sair mais em conta do que as pinturas a óleo. A escala do mais caro para o mais barato segue esta ordem: óleo e acrílica; guache ou têmpera; aquarela, pastel, lápis de cor; desenhos com nanquim, carvão, sanguínea, sépia, lápis; gravuras.

Foto: Getty Images


Época mais criativa de determinado autor e tamanho da obra também podem influenciar o preço, assim como o valor histórico daquele artista, no caso de ter participado de algum tipo de movimento ou exposição importante.

E todos esses aspectos acabam sendo analisados no leilão, onde a briga para ficar com o trabalho levanta bastante dinheiro. Mas, atenção! O mercado varia muito, de acordo com o momento, e informar-se antes de uma compra é mais importante do que atacar diretamente as obras de artistas mais badalados naquele determinado instante.

Este ano, o leilão do quadro que trazia a segunda mulher de Pablo Picasso - Marie-Thérèse - foi arrematado em oito minutos e seis segundos pelo preço de US$ 106,5 milhões. De qualquer forma, o artista produziu mais de 43 mil obras em toda sua vida e nem todas têm o mesmo valor.

Refletindo sobre o preço de uma obra para as pessoas comuns, o correspondente do New York Times Alan Riding escreveu: "será que posso ter o mesmo sentimento pela escultura de uma dançarina chinesa, produzida em massa para turistas e que me custou US$ 50 em Xian, que por uma pequena deusa indiana genuína, por quem paguei US$ 7 mil há 15 anos, num antiquário? Como eu me sentiria se ambas fossem roubadas? Emocionalmente, eu sentiria a mesma falta das duas esculturas, porque me acostumei a olhar para elas na estante".


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA