Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Ode ao ódio

Aclamada pela crítica e com elenco de estrelas globais a peça Deus da Carnificina traz à tona as relações humanas de forma bem-humorada.

Foto: Guga Melgar

Verônica (Deborah Evelyn) Alan (Paulo Betti); Michel (Orã Figueiredo) e Anete (Julia Lemmertz) vivem dois casais em conflito

A confusão do dia a dia, o estresse e, principalmente, a briga constante para fazer parte ou se manter em um patamar de poder prometem arrancar gargalhadas da plateia nos palcos paulistanos. Com elenco de peso e um enredo que ressalta as relações humanas e a quebra das regras de comportamento, o espetáculo Deus da Carnificina estreia no Teatro Vivo, em São Paulo, após uma bem-sucedida temporada no Rio de Janeiro.

A peça tem a direção de Emílio de Mello, que recentemente encenou o espetáculo premiado In On It, e o texto é da argelina radicada na França Yasmina Reza. O enredo mostra um conflito entre dois casais, interpretados por Deborah Evelyn, Paulo Betti, Julia Lemmertz e Orã Figueiredo, que se encontram para resolver um incidente envolvendo seus filhos pequenos: um deles quebrou dois dentes do outro em uma briga.

Aparentemente o impasse é civilizado. Porém, quando os politicamente corretos resolvem liberar seus instintos mais primitivos, o que era uma conversa educada se transforma em um campo de batalha, que resulta em diálogos para lá de estressados e ironicamente divertidos. O texto já foi encenado na Europa, Estados Unidos e Broadway, onde recebeu três prêmios, e pretende, agora, mexer com os ânimos dos paulistas.  

Foto: Guga Melgar

Paulo Betti e Deborah Evelyn durante uma discussão em Deus da Carnificina

Limites do ser

Alan (Paulo Betti) e Anete (Julia Lemmertz), Michel (Orã Figueiredo) e Verônica (Deborah Evelyn) são personagens distintos, que carregam características peculiares, com as quais o público pode se identificar. A autora Yasmina Reza afirma que o intuito é desnudar o comportamento da classe média. "Escrevo um teatro de tensão, porque as tensões nos governam. Meus personagens são pessoas educadas que pretendem manter a compostura. Mas também são impulsivos, não conseguem manter as regras que impuseram a si mesmos. E é precisamente essa luta contra si mesmo que me interessa".

Encenada pela primeira vez em 2006, em Zurique, Deus da Carnificina arranca elogios de críticas de todo o mundo e prêmios de destaque no meio teatral. Na Broadway, a montagem teve no elenco grandes nomes como Jeff Daniels, Hope Davis, Marcia Gay Harden e James Gandolfini, e recebeu em 2009 três prêmios Tony, considerado o maior do gênero. Em 2008, a montagem chegou ao Teatro Gieguld, em Londres e também foi premiada como melhor comédia. E no mesmo ano, em Paris, teve direção da própria Yasmina.

Considerada pela crítica uma das maiores autoras teatrais da atualidade, seu primeiro grande sucesso surgiu nos anos 90 com a peça Arte, que veio ao Brasil. Um dos últimos textos de Yasmina apresentados por aqui, O homem Inesperado, foi dirigido também por Emílio de Mello, em 2006, e teve no elenco Paulo Goulart e Nicette Bruno

Foto: Guga Melgar

Orã Figueiredo e Julia Lemmertz vivem Michel e Anete no espetáculo

Recentemente, a temida critica teatral Bárbara Heliodora fez elogios ao espetáculo e, de acordo com o diretor Emilio Mello, é sempre bom e importante ter um trabalho reconhecido. "A boa repercussão só aumenta a responsabilidade para mantê-la. No teatro, o trabalho nunca está pronto, se sentimos que ele está pronto é porque tem alguma coisa errada", comenta.

O diretor afirma não ter utilizado referências das montagens feitas fora do país na sua produção e, inclusive, nem as assistiu. "Não teria a menor graça, para mim, usar a referência de um outro espetáculo". Já em relação a estreia na capital, o diretor se diz confiante. "São Paulo é a melhor praça teatral do país, portanto temos sempre uma grande expectativa para uma longa temporada".

Trabalho em equipe

Em cartaz com a peça, Paulo Betti está também na minissérie Lara com Z, da TV Globo, e, segundo ele, o tema central do enredo é totalmente cotidiano. "A vida nos mostra todos os dias que somos como na peça: basta a chapa esquentar que atacamos o outro e viramos bicho".

Foto: Guga Melgar

A peça mostra o descontrole de dois casais, que defendem seus filhos e colocam em xeque os valores das famílias

Famoso por grandes personagens na telinha, Paulo foi convidado por Emílio a fazer parte do elenco. "Ele é um grande diretor, transforma o ator e mexe com a gente, por isso, consegue resultados surpreendentes". Já Emilio Mello diz que o elenco é a essência da peça. "Trabalhar com grandes atores é sempre um imenso prazer. Mas eles não são só grandes atores, são companheiros de criação e a alma desse trabalho", ressalta.

Ainda de acordo com o ator Paulo Betti, a televisão utiliza o aprendizado dos palcos e serve para ampliar o público do artista. "O tablado é o lugar mais humano para um ator. Lá ele pode resolver as coisas sem interferências tecnológicas, afinal, não dá pra desligar um ator na tomada", acrescenta.

Serviço:
Local: Teatro Vivo
Preço: R$ 50,00 (sexta e domingo); R$ 70,00 (sábado).
Data: De 15 de abril até 12 de junho de 2011.
Horário: Sexta, 21h30; sábado, 21h; domingo, 19h.

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte