Guia da Semana

Profissão perigo

Protagonista de cenas de ação memoráveis das telenovelas brasileiras, o dublê Fillipe Dias falou ao Guia da Semana de sua experiência na profissão.

Foto: Reprodução


Sem os dublês, as produções cinematográficas e televisivas seriam muito menos emocionantes. Os carros não capotariam tanto, as perseguições seriam menos intensas, as brigas mais fajutas, os acidentes menos reais, as explosões mais artificiais. Apesar de muitas vezes não terem o reconhecimento merecido, os dublês são fundamentais para tornar as produções audiovisuais mais atrativas.

Para apresentar um pouco mais do trabalho destes profissionais que se arriscam em nome do entretenimento, conversamos com Fillipe Dias. Orgulhoso de fazer parte da história da televisão brasileira, ele é dublê e diretor da agência Impacto Dublês, responsável, entre outros projetos, pelas cenas de alto risco de Tropa de Elite e Tropa de Elite 2, que deve entrar em cartaz em outubro.

Guia da Semana: O que o levou a escolher essa profissão?
Fillipe Dias: Sempre gostei de esportes radicais e, como era piloto de motocross, comecei fazendo algumas cenas especificas com moto. Com o passar do tempo fui me aperfeiçoando em outras modalidades e assim me formando dublê profissional. Atualmente trabalho com grandes diretores de TV e cinema.

Guia da Semana: Como é o trabalho em si, vocês constroem a cena junto com a direção ou as coisas já vêm prontas e vocês têm que se adaptar?
FD: Tudo começa quando a cena chega nas mãos da produção. Em seguida, é feita uma reunião com todos os departamentos envolvidos no projeto para a viabilização desta cena. Nesse encontro sempre está presente um coordenador de ação da agência, ele irá passar as informações técnicas necessárias e acompanhar essa cena até que ela seja executada.

Guia da Semana: Quais costumam ser as cenas mais perigosas que você faz para a televisão?
FD: Cenas que incluem corpo em chamas, vidros quebrados e acidentes. Essas são bastante perigosas. A capotagem do Gerson (personagem de Marcelo Antony) na novela Passione, por exemplo, foi muito desafiadora.

Foto: Getty Images


Guia da Semana: Quais foram os últimos trabalhos que você fez para a TV ?
FD: Recentemente nós gravamos o acidente do Daniel (personagem de Jayme Matarazzo) para a novela Escrito nas Estrelas, a cena já mencionada de Passione e uma capotagem para Ti Ti Ti, novela que estreará em breve na Globo. Para se ter uma ideia, a gravação dessa cena contou com a participação de mais de 200 profissionais, entre eles 20 dublês.
 
Guia da Semana: Você já se machucou gravemente rodando alguma cena?
FD: Não, nunca. Nós sempre estamos muito atentos e focados na segurança das nossas atuações para evitar acidentes.

Guia da Semana: Na sua opinião os dubles têm o reconhecimento merecido pelo trabalho que fazem?
FD: Posso falar pela empresa que dirijo e pela qual atuo. Hoje em dia nós somos bastante respeitados e bem remunerados. Nosso trabalho está cada vez mais profissionalizado e conquistando a confiança e o respeito de produtores e diretores.

Guia da Semana: Você tem algum dublê que lhe é referência?
FD: Gosto do Jackie Chan, que era dublê e hoje encara as cenas de risco dos filmes em que atua.


Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA