Guia da Semana

Pterodátilos

O nome da peça - uma ave que existiu há milhões de anos -, remete à desintegração e extinção da família moderna.

Foto: Carol Sachs


2010 foi um ano de qualidade no que se refere à produção teatral no Rio de Janeiro. Tivemos autores consagrados ao lado de novos nomes em textos impecáveis e de grande relevância e contribuição à cultura de nosso país. Bons espetáculos iniciaram sua trajetória e o público pode ter contato com montagens como Rebú, O Matador de Santas, Calígula, Hair, Deus da Carnificina e tantos outros trabalhos de qualidade, mas o mais genial de todos foi, sem dúvida, Pterodátilos, do dramaturgo americano Nicky Silver.

O espetáculo, atualmente, em cartaz no Teatro das Artes, tem direção de Felipe Hirsch. O elenco conta com Marco Nanini, Mariana Lima, Felipe Abib e Álamo Facó. Embora o título possa nos apresentar certa estranheza, sem dar maiores dicas do que se trata a trama, Pterodátilos é uma pérola dramatúrgica dos anos 90. Em cena, vemos a desagregação da família, em uma crítica severa a sociedade americana e a extinção da espécie.

O texto de Nicky Silver é brilhante, recheado de situações cotidianas que beiram ao caos e mostram, cena a cena, os limites das relações estabelecidas entre os personagens que os levam a sua total destruição. Com diálogos inteligentes e carregados de humor negro, Pterodátilos é um espetáculo que põe em xeque nossas próprias relações e como lidamos com o estilo de vida atual.


A direção assinada por Felipe Hirsch é correta e trabalha o absurdo do texto sem se render ao caos iminente, fazendo com que se mantenha o equilíbrio para a plena compreensão do espetáculo. Uma direção com leitura cênica acertada e perfeita.


Os quatro atores em cena apresentam um excelente desempenho, e é possível perceber a perfeita sintonia entre eles. Marco Nanini está ótimo no papel da filha cujo nome a mãe mal consegue se lembrar, e garante os melhores momentos do espetáculo. Mariana Lima no papel da mãe alienada, bêbada e egoísta, constrói uma das grandes performances da temporada de 2010. Felipe Abib no papel de Tom, namorado da filha transformado em empregado, e Álamo Facó, o filho que volta para casa ao se descobrir soropositivo, estão muito bem em cena. Um grupo coeso com interpretações à altura do emblemático texto de Nicky Silver.


A cenografia de Daniela Thomas é inteligente e econômica, contribuindo para o entendimento da desintegração desta família. A retirada do piso, aos poucos, pelo filho soropositivo, nos remete ao sentido de escavar os ossos da própria família, trazer à tona os esqueletos trancados no armário que toda família, por mais perfeita que seja, possui.


A iluminação de Beto Gruel e a trilha sonora de Nervoso contribuem com inteligência cênica para a proposta idealizada por Felipe Hirsch. Por fim, o figurino de Antônio Guedes, bem acertado, está de acordo com a montagem. Pterodátilos é o tipo de espetáculo que merece ser visitado pelo público mais de uma vez, tal o nível de qualidade presente nesta montagem. Um espetáculo de grandes interpretações, texto fascinante e excelente direção.

Leia as colunas anteriores de Alexandre Pontara:

O dono de 2010

Poesia teatral

Quando a vida é ficção

Quem é o colunista: Alexandre Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Alexandre Pontara é ator, escritor e produtor cultural. É diretor da Primus Cia de Teatro.

Pecado gastronômico: Bolo Negro e Tiramissú da Doceria Chaika .

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@gmail.com ou acesse seu site


 


 

Atualizado em 16 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA