Guia da Semana
Arte
Por Marcus Oliveira

Sobrinho de peixe...

Depois de viver o Nando, de Insensato Coração, Pedro Garcia Netto sobe aos palcos ao lado do tio Edson Celulari. Confira bate-papo com o ator.

Pedro Garcia Netto divide os palcos pela primeira vez com o tio, Edson Celulari (Camilla Coutinho)

O encontro de duas gerações chega aos palcos com a peça Nem Um Dia se Passa sem Notícias Suas. Dirigido por Gilberto Gawronski, o espetáculo marca o retorno de Edson Celulari, 53, ao tablado e, dessa vez, ao lado do seu sobrinho, Pedro Garcia Netto, 32, que viveu o personagem Nando, em Insensato Coração.

Escrito justamente para ser interpretado pelos dois atores, o texto resgata as lembranças familiares e um fato ocorrido há cerca de vinte anos, que fazem os personagens repensarem a família, suas mutações e esperanças.

Adepto de esportes e um grande fã do tio, Pedro decidiu seguir a mesma carreira que Edson ainda criança, quando moraram juntos por cerca de cinco anos. No teatro, o ator construiu sua carreira com espetáculos de sucesso como Trindade, com Herson Capri, Trainspotting, pelo qual recebeu duas indicações ao Prêmio Shell e Um Certo Van Gogh, ao lado de Bruno Gagliasso.

Em meio a uma semana lotada de ensaios e na expectativa da estreia para a peça, Pedro Garcia bateu um papo exclusivo com o Guia da Semana, onde revela como é a experiência de dividir o palco com o tio e o sucesso crescente de seu primeiro papel em uma novela das nove. Confira!

Guia da Semana: Como surgiu a ideia de Nem Um Dia se Passa sem Notícias Suas?
Pedro Garcia Netto: Surgiu por um convite da Daniela Pereira de Carvalho (autora do texto). Nos conhecemos em uma escola de teatro no Rio e já havíamos trabalhado juntos. Em um desses projetos, o Edson (Celulari), meu tio, foi nos assistir e rolou uma brincadeira de um possível texto. Ela disse que tinha uma ideia e depois de um ano nos apresentou algumas páginas de um texto.

Guia da Semana: Então o texto foi escrito para vocês dois atuarem juntos?
Pedro: Sim. Houve encontros, mas ela escreveu sozinha, não houve construção em grupo. A peça fala de essência, sangue, origens e como estamos em família no palco e com um texto que fala disso, tem tudo a ver. O fato de ter sido escrito por ela pra gente ajudou muito.

Guia da Semana: Houve uma preparação especial para viver o Juliano, na peça?
Pedro: Busquei muita referência no Enzo, filho do Edson, que é jovem. O Juliano na peça tem 19 anos e eu pesquisei sobre bandas da atualidade, a atitude da galera de hoje em dia, costumes, manias. Foi bem estimulante, porque se trata de um universo rico. O garoto de 19 anos hoje é bem diferente do que eu era, por exemplo.

Guia da Semana: O texto fala de família e você está ao lado do seu tio, Edson Celulari. Como tem sido a experiência de dividir os palcos com ele?
Pedro: Temos uma relação muito próxima e ele sempre me deixou a vontade. Moramos juntos durante cinco anos, quando eu era criança, e sempre o admirei. Ele foi minha referência e é como um pai para mim. Acabei escolhendo o mesmo caminho, o que é superdifícil. Ele nunca me colocou na parede e sempre que pedi, ele esteve disponível, mas esperando que eu fosse consultá-lo.

Guia da Semana: Você já sentiu que houve comparação entre sua imagem e a de seu tio?
Pedro: Acredito que não. Nem todas as pessoas sabiam e agora com a peça é quem isso vem à tona. Temos carreiras independentes. Acho isso muito positivo. Somos parceiros, ele me ajuda bastante e as discussões são muito positivas. Somos objetivos. Em 40 dias de ensaio, a peça estava montada. É uma troca muito boa que temos no palco. Ele tem um olhar de professor, diretor e aponta isso com atenção e carinho, só tenho ganhado com isso.

Guia da Semana: Em 2011 você viveu o Nando, em Insensato Coração. Como surgiu o convite para a novela e a que credita o sucesso do seu papel?
Pedro: O Gilberto Braga me viu no teatro e me convidou para fazer o Nando. Ele iria sair no meio da novela, mas rendeu mais que isso e ficou até o fim. Era um personagem em uma trama onde o mal tinha um charme diferente e eu fazia o primo do bonzinho, com o Eriberto Leão. Foi meu primeiro papel em uma novela das oito e muito especial. As novelas são exercícios difíceis. É preciso se dedicar.

Guia da Semana: Que papel você gostaria de viver no teatro e na TV?
Pedro: São muitos. Na TV, tenho muita vontade de trabalhar em alguma novela do Silvio de Abreu. Sempre fui fã do trabalho dele. No teatro, há alguns projetos em vista. É uma profissão que a gente não sabe como será o amanhã. Rolam convites, nosso próprio desejo de fazer algo. Tenho em vista umas cinco peças para os próximos anos. Isso me alimenta muito.



Por Marcus Oliveira

Atualizado em 25 Abr 2012.

Mais notícias

Conheça a 'Transe', plataforma digital que promove e conecta agentes das artes visuais no Brasil

Arte

Cirque du Soleil lança site especial durante a quarentena; saiba tudo!

Arte

15 museus brasileiros para visitar online

Arte

8 lives de galerias e museus para você curtir arte em casa

Arte

Curitiba recebe visita de museu egípcio itinerante; saiba mais!

Arte

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte