Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Som ao natural

De passagem pelo Brasil, o cantor Billy Paul critica a música eletrônica e diz utilizar procedimentos pouco tecnológicos na hora da produção musical.

Por Humberto Baraldi


Fotos de divulgação

A onda do puts puts está no ar! Para alguns, essa é a definição para a música da atualidade: uma mistura de ritmos e ruídos que ao serem ouvidos dão a impressão de batidas idênticas e repetitivas. "Tudo isso é fácil fazer. Basta capturar um monte de sons e colocá-los em uma máquina. Agora o complicado é fazer ao natural, unindo acompanhamentos sonoros puros ao timbre da voz. Para mim, este é o verdadeiro som", acredita o cantor americano Billy Paul, um dos maiores defensores da produção musical natural.

De passagem pelo Brasil, o intérprete de soul, jazz e blues prefere estilos pouco tecnológicos para a elaboração de suas canções. "Entro no estúdio, a banda começa a tocar e eu solto a voz", descreve. Certo ou não com a escolha, o músico que critica as batidas eletrônicas esbanja um tremendo vozeirão e em um bate-papo com jornalistas em São Paulo, se diz fã de Tom Jobim, considera o Brasil um reduto para os seus sucessos e ainda revela a data do lançamento do próximo álbum.

Conhecido por interpretar os sucessos Me and Mrs. Jones, July, July, July e Purple Rain, Billy começou a cantar aos 12 anos de idade, em programas de rádio na Filadélfia, onde nasceu. Antes de virar estrela, o músico se apresentou em clubes de jazz, durante os anos 50, o que lhe rendeu parcerias com artistas como Charlie Parker, Nina Simone e Miles Davis.

Após anos de carreira e beirando os 70 anos, o astro, ainda em boa forma, possui no currículo 23 álbuns, prêmios e parcerias inesquecíveis com Stevie Wonder, Sammy Davis Jr., Roberta Flack, entre outras personalidades.



Com tanta bagagem, Billy elogia o blues brasileiro, mas alerta que os músicos são pouco reconhecidos no país. "Este ritmo está indo bem aqui. O interessante é que alguns artistas têm que ir ao exterior para ficar bem-sucedido. Só são lembrados se fizerem sucesso lá fora", expõe.

E o samba... "Sempre tive contato com esse tipo de música", relata o americano que ainda cita a bossa nova. "Tom Jobim é o meu compositor favorito. Tento pegar as músicas e encaixar no estilo de Tom. É um toque que sempre gosto de dar ao meu som", continua.

Com muito bom humor, o intérprete ainda manda um recado aos jovens brasileiros. "Eles devem ter respeito pelos grandes nomes da música nacional, como Elis Regina, Jorge Ben Jor e Tom Jobim. Estes sim são músicos de verdade".

Muitas músicas minhas aqui no Brasil são sucessos. Um dos maiores hinos é July, July, July e Purple Rain. É engraçado que no Brasil, eu tenho mais sucessos do que em qualquer outro lugar no mundo.

Prestes a gravar um DVD com Leo Maia, filho de Tim Maia, Paul crê que o país aceita muito o seu trabalho. "Tenho mais sucessos aqui do que em qualquer outra parte do mundo".

Para o futuro, Billy lançará mais um álbum. Com quase todas as músicas finalizadas e utilizando o tradicional estilo natural de produzir, a nova seleção de hits deve aparecer no fim de janeiro nas lojas. Ele ainda brinca: "Estou a sete dias em São Paulo e estou pensando em fazer uma música com o tema terra que não pára de chover".

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte