Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Um Violinista no Telhado

O musical consegue levar o público do riso ao choro sem carregar demais nas tintas e, sim, José Mayer canta bem.

Foto: Guga Melgar


Alguns musicais têm no papel principal um personagem que necessita claramente de um ator com muita técnica, o que é o caso de Um Violinista no Telhado, em cartaz no Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro. Com isso, José Mayer foi escalado para o papel de Tevye, protagonista da trama. O fato pode chocar muitas pessoas com o questionamento "mas ele canta?". E a resposta é: sim, e muito bem.


O musical conta a história de um grupo de judeus que tenta manter as tradições: o próprio Tevye, sua esposa, suas filhas, o rabino do local e todos que ali vivem. Porém, ao longo da encenação, eles vão descobrindo que, mais importante do que conservar os velhos ideais, o importante é renová-los de acordo com o coração.


Para levantar esta bandeira, a versão brasileira foi dirigida pelos reis do gênero: Charles Möeller e Cláudio Botelho. E, é claro, os dois fizeram bonito, além de toda a equipe criativa. O cenário é simples e encantador, com efeitos que, junto com a iluminação bem cuidada, conseguem dar mais lirismo à trama. Os figurinos e a caracterização são impecáveis, conferindo a verossimilhança necessária àquelas pessoas.


Mas o grande trunfo da encenação está no elenco: um grupo de jovens e já calejados atores em perfeita harmonia, liderados pela excelente atuação, somado a uma boa técnica vocal de José Mayer. Destaque para Soraya Ravenle (esposa de Tevye), Marya Bravo (Fruma Sarah), Ada Chaseliov (casamenteira) e para a jovem Malu Rodrigues (uma das filhas de Tevye). As quatro atrizes conseguem ditar o tom do musical e levam a plateia do riso ao pranto com facilidade e leveza.


Como se tudo isso não fosse suficiente para uma obra de qualidade em cena, há ainda outros momentos e detalhes que ficam marcados: a coreografia que os bailarinos fazem com garrafas na cabeça, os trejeitos do jovem alfaiate - que corria o risco de ficar estereotipado, mas estão presentes na medida certa - e o tenor que exibe toda sua potência vocal.


Em resumo, caso você esteja no Rio, não perca essa superprodução que garante emoção para todas as pessoas e é um grande hino de amor e perdão, além de um exemplo de profissionalismo de toda uma equipe.

Leia as colunas anteriores de Guilherme Udo:

Baby, O Musical

Duas comédias para três gigantes

Festival de Curitiba 2011

Quem é o colunista: Um pedaço da loucura desse mundo!

O que faz: Um radialista que trabalha como jornalista e se aventurou por outras áreas, como o teatro.

Pecado gastronômico: Frozen yogurt com granola.

Melhor lugar do mundo: Plateia de um teatro ao lado de amigos.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Complicado! Sempre vario muito, mas normalmente são trilhas de musicais da Broadway, como Spring Awakening.

Para falar com ele: Visite seus sites www.guilhermeudo.com, http://www.enteatro.com.br/ ou siga-o no Twitter.


 


 




Atualizado em 12 Set 2011.

Mais notícias

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte