Guia da Semana

Yellowcard

A animação da galera era visível. Todo mundo cantava e pulava sem cansar - isso animou até o vocalista.

Foto: Divulgação/My Space


Em sua segunda passagem pelo Brasil, a banda de pop punk Yellowcard não poderia esperar nada menos do que casa cheia. E assim foi.


O Carioca Club, em São Paulo, foi aberto para a entrada do público com atraso de 30 minutos, que aguardava ansiosamente e formava uma fila que já dobrava o quarteirão.

O evento começou com a banda de abertura Last Post que tem, em sua formação, duas figurinhas conhecidas da cena underground do rock paulistano: Zé, no vocal e no baixo (ex-Holly Tree , ex-Borderlines) e Paulo, na guitarra e no vocal (ex-Killi).

O som do grupo é basicamente um pop punk mais para o lado do pop-chiclete do que para o rock mais pesado, mas foi uma boa banda para a abertura do evento. Eles possuem apenas um EP, o 27 fotos. No show, eles até animaram um pouco a galera, mas era inegável o motivo da presença da massa ao local: Yellowcard.


Apesar do atraso na abertura da casa, o show começou quase na hora, exatamente às 19h40 - o horário divulgado era 19h30. Ryan Key (vocal, guitarra), Sean Mackin (com seu violino, que é talvez uma das marcas registradas da banda) e os outros integrantes foram tomando suas posições no palco, enquanto o público gritava muito alto. O palco, aliás, muito bem decorado com bandeiras do Brasil em alguns dos amplificadores.


O show começou com Denial e Way Away. A banda demonstrava bastante energia no palco e a galera embaixo correspondia 100%. Casa completamente lotada, com todos pulando juntos. Mais algumas músicas presentes no set list foram Fighting, Landing e Empty Apt.

Exatamente na metade do show, o vocalista Ryan pergunta para o público se eles estavam cansados. Recebeu a óbvia resposta de não. Ele avisa que era a hora do circle pit. Abriu-se uma roda de mosh pit enquanto tocavam a música 5 becomes 4.


A apresentação seguiu sem que ninguém perdesse o fôlego, com a banda e público na mesma sintonia. Algumas outras do set list: Lite The Sky, Only One e Ocean Avenue. O grupo voltou para fechar o show com o bis de mais três músicas, Hang You, Ocean e Lights And Sounds, com direito a stage dive do baterista no final. Mas, na apresentação, a galera pediu a música October Nights, que não foi atendido. Mesmo assim, tenho certeza de que todos os fãs presentes curtiram muito o show e, sem dúvida, a banda também. Prometeram, aliás, não demorar mais cinco anos para voltar ao Brasil. É só a galera ficar ligada!

Leia as colunas anteriores de Thiago de Oliveira:

Seaweed está de volta

Kyuss no Brasil

xTreme Noise Festival

Quem é o colunista: Thiago de Oliveira, Thiagones.

O que faz: Tecnólogo em informática/desenvolvimento de sistemas, e músico quando me é permitido.

Pecado Gastronômico: Massa, molho e queijo!


Melhor lugar do mundo: O Meu Quarto.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Matisyahu Novo (disco Light), Snowing, Farside, I Shot Cyrus e algumas barulheiras.

Fale com ele: thiagoneshc@hotmail.com



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA