Guia da Semana

5 Motivos Para Ver Planeta dos Macacos: O Confronto

Filme estreia nesta quinta-feira, 24 de julho.

Chegou aos cinemas nesta quinta-feira, 24 de julho, o segundo filme da saga atual de Planeta dos Macacos, “O Confronto”. Depois de mostrar como o líder dos macacos, Caesar, foi criado (como cobaia para medicamentos contra o Alzheimer e, depois, como animal de estimação/filho de um humano), a série agora avança em dez anos para um tempo em que a humanidade está à beira da extinção e os macacos prosperam numa comunidade aparentemente harmoniosa.

Se você ainda não se convenceu de que o longa merece sua atenção, o Guia da Semana reuniu cinco motivos que vão fazer você mudar de ideia. Confira:

 

1. Caesar


O macaco hiperinteligente interpretado por Andy Serkis via captura de movimento é, mais uma vez, a estrela do filme. Mais maduro, Caesar agora é pai de família e líder de toda uma comunidade de macacos. Ele sabe que, cedo ou tarde, precisará lidar com divergências, seja dentro de sua própria tribo, seja com os humanos. Até que o confronto se torne inevitável, sua forma de governar baseia-se no respeito e na paz, mas ele é firme a ponto de nem os humanos duvidarem de sua autoridade. Ave, Caesar!

 

2. Koba

Toby Kebbell também faz um trabalho impressionante como o ator por trás do macaco Koba – aquele, que também foi cobaia no primeiro filme e que já tinha uma aparência bastante agressiva. O ator mudou (antes era Christopher Gordon), mas foi para melhor: Kebbell empresta ao personagem uma índole dúbia, mostrando ora o lado fiel e sensato, ora o sarcástico e vingativo.

  

3. Para entender as bases de uma guerra


São poucos os personagens que, realmente, desejam uma guerra – mas ela, ainda assim, é inevitável. O filme ajuda a entender quais são os sentimentos (medo, rancor, desespero, falta de comunicação, ambição) que levam à menos lógica das soluções, mesmo quando isso significa sacrificar de uma vez centenas de pessoas (e macacos) que poderiam continuar coexistindo em paz.

 

4. Para admirar a tecnologia


Se, no filme de 2010, os movimentos, o olhar e a pelagem de Caesar já impressionaram, desta vez o trabalho conjunto de atuação, captura e design de criaturas é de tirar o fôlego. Desde o primeiro quadro, fechado nos olhos do macaco-líder, somos convencidos de que estamos lidando com seres de carne, osso e alma. É a magia do cinema.

 

5. Por um plano-sequência imperdível


Há pelo menos uma cena da qual todos os espectadores se lembrarão quando saírem da sessão: a do tanque. Quando o confronto finalmente começa, Matt Reeves comanda um plano-sequência que mostra a guerra, o fogo e as reações amedrontadas dos dois lados pelo ponto de vista de um tanque de guerra. Preste atenção.

Atualizado em 27 Jul 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Estreias da semana: Mãe!, Esta é a Sua Morte e mais 6 filmes

Suspense de Darren Aronofsky com Jennifer Lawrence promete dividir opiniões

“Ensaio Sobre a Cegueira” tem sessão gratuita com debate no MIS

Filme será acompanhado por bate-papo com historiadora

Final da Copa do Brasil será exibida nos cinemas

Rede Cinemark transmite o jogo ao vivo no dia 27 de setembro

"Tomb Raider" com Alicia Vikander no papel de Lara Croft ganha primeiro trailer; assista!

Novo filme da franquia tem estreia prevista para março de 2018

13 objetos de decoração que vão deixar sua casa mais cinéfila

De quadro interativo a almofada para pipoca, confira os itens que não podem faltar no seu cafofo

Entrevista: Dylan O’Brien fala sobre seu primeiro papel nos cinemas após acidente em 2016

“O Assassino: O Primeiro Alvo” chega aos cinemas nesta quinta, 21 de setembro