Guia da Semana

“Planeta dos Macacos: O Confronto”: quando os macacos são mais humanos que os homens

Segundo filme da nova saga acompanha o nascimento de uma guerra entre as raças

Se fosse para adivinhar quem venceria a guerra entre humanos e macacos, apenas pelo elenco de “Planeta dos Macacos: O Confronto”, os homo-sapiens não teriam nenhuma chance. No segundo filme da terceira franquia inspirada no livro de Pierre Boulle, são os símios que desenvolvem os principais conflitos e se relacionam de formas infinitamente mais complexas que seus primos despelados.

Diferentemente do primeiro filme (“Planeta dos Macacos: A Origem”, de Rupert Wyatt), “O Confronto”, dirigido por Matt Reeves, dá menos espaço para as reflexões ético-científicas e mais (muito mais) para a ação. Mas este ainda não é um filme de guerra: é sobre as vésperas de uma guerra, e mostra como certas decisões tornam o confronto inevitável.

Desde “A Origem”, passaram-se dez anos e a humanidade foi praticamente dizimada pelo vírus que modificara os macacos. “Gripe símia”, apelidaram-na. Os poucos que sobraram apertam-se em pequenas fortalezas, amedrontados. Não há sinal de James Franco.   

Coberto por sensores, Andy Serkis interpreta o macaco Caesar

Andy Serkis volta a vestir a armadura de sensores digitais que o transformam em Caesar, o líder dos macacos hiperinteligentes que fugiram de São Francisco no último filme. Agora eles estão instalados, como uma família e uma comunidade autônoma, no parque nacional do outro lado da ponte.

Não é por acaso que Serkis é reconhecido como o mestre da captura de movimento. Seu Caesar, como seu Gollum, tem mais vida que muitos personagens humanos e mais expressão, também. Há um grande mérito da equipe de animação, mas a boca cerrada e pensativa, os movimentos pesados, porém ágeis, e os olhos que abrem e encerram o filme são fruto de um cuidadoso trabalho de criação do ator.

Quem surpreende é Toby Kebbell, que substitui Christopher Gordon no papel de Koba, o macaco de ar maligno, cego de um olho, que apareceu no primeiro filme como outra cobaia do laboratório. Aqui, ele assume a posição de braço-direito de Caesar, mas desde o início sabemos que seu temperamento trará problemas.

Toby Kebbell dá vida a Koba, um macaco que busca vingança contra os humanos

Se há alguns inimigos entre os humanos, nenhum deles se aproxima da ameaça que é ter uma bomba-relógio dentro da própria comunidade símia. Motivado pela vingança (por ter sofrido enquanto cobaia) e pelo medo (notando que os humanos têm um estoque de armas de fogo), Koba tem razões suficientes para começar uma guerra, mas é contido, apenas, por seu respeito a Caesar.

Do lado dos humanos, a situação não é tão diferente: pressionados pela necessidade de ativar uma hidrelétrica no território dos macacos, homens como Dreyfus (Gary Oldman) apressam-se em optar pela luta. Malcolm (Jason Clarke, pouco memorável) e sua família parecem ser os únicos a considerarem uma solução pacífica e tentam negociar com o líder dos “inimigos”.

O filme explora em profundidade o pensamento bélico, suas origens e sua lógica: mesmo que prejudicial às duas partes, o confronto é a consequência mais humana do encontro de dois povos amedrontados, cada qual com sua pequena parcela de extremistas.

Jason Clarke é Malcolm, um homem que acredita na paz entre as raças

É irônico que as reações mais passionais venham do lado menos humano. É entre os macacos que se desenrola uma trama shakespeareana, transbordando com dilemas morais, traições e jogos de poder – tudo isso à parte do conflito inter-racial, que acaba sendo mera consequência dessa desestabilidade.

“Planeta dos Macacos: O Confronto” acerta nas grandes questões, mas falha nos detalhes: há falas excessivas para os macacos (que são, essencialmente, mudos) e um personagem importante tem seu arco mal acabado (Olhos Azuis, filho de Caesar). Além disso, dificilmente alguém se identificará com aqueles humanos rasos a ponto de se importar se eles vencerão ou perderão a guerra. Que reinem, logo, os macacos.

Assista se você:

  • Gosta do livro ou dos filmes inspirados em “Planeta dos Macacos”
  • Quer ver um filme de ação inteligente
  • Quer conferir a evolução da tecnologia de CGI e captura de movimentos

Não assista se você:

  • Não gostou de “Planeta dos macacos: A Origem”
  • Não gosta de filmes sobre guerra
  • Quer torcer pelos humanos

Atualizado em 21 Jul 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de “Fragmentado” revela que o filme será parte de uma trilogia; confira a entrevista completa

M. Night Shyamalan veio ao Brasil divulgar o suspense que estreia no dia 23 de março

Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

"The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

"A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

“T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

"Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018