Guia da Semana

“Planeta dos Macacos: O Confronto”: quando os macacos são mais humanos que os homens

Segundo filme da nova saga acompanha o nascimento de uma guerra entre as raças

Se fosse para adivinhar quem venceria a guerra entre humanos e macacos, apenas pelo elenco de “Planeta dos Macacos: O Confronto”, os homo-sapiens não teriam nenhuma chance. No segundo filme da terceira franquia inspirada no livro de Pierre Boulle, são os símios que desenvolvem os principais conflitos e se relacionam de formas infinitamente mais complexas que seus primos despelados.

Diferentemente do primeiro filme (“Planeta dos Macacos: A Origem”, de Rupert Wyatt), “O Confronto”, dirigido por Matt Reeves, dá menos espaço para as reflexões ético-científicas e mais (muito mais) para a ação. Mas este ainda não é um filme de guerra: é sobre as vésperas de uma guerra, e mostra como certas decisões tornam o confronto inevitável.

Desde “A Origem”, passaram-se dez anos e a humanidade foi praticamente dizimada pelo vírus que modificara os macacos. “Gripe símia”, apelidaram-na. Os poucos que sobraram apertam-se em pequenas fortalezas, amedrontados. Não há sinal de James Franco.   

Coberto por sensores, Andy Serkis interpreta o macaco Caesar

Andy Serkis volta a vestir a armadura de sensores digitais que o transformam em Caesar, o líder dos macacos hiperinteligentes que fugiram de São Francisco no último filme. Agora eles estão instalados, como uma família e uma comunidade autônoma, no parque nacional do outro lado da ponte.

Não é por acaso que Serkis é reconhecido como o mestre da captura de movimento. Seu Caesar, como seu Gollum, tem mais vida que muitos personagens humanos e mais expressão, também. Há um grande mérito da equipe de animação, mas a boca cerrada e pensativa, os movimentos pesados, porém ágeis, e os olhos que abrem e encerram o filme são fruto de um cuidadoso trabalho de criação do ator.

Quem surpreende é Toby Kebbell, que substitui Christopher Gordon no papel de Koba, o macaco de ar maligno, cego de um olho, que apareceu no primeiro filme como outra cobaia do laboratório. Aqui, ele assume a posição de braço-direito de Caesar, mas desde o início sabemos que seu temperamento trará problemas.

Toby Kebbell dá vida a Koba, um macaco que busca vingança contra os humanos

Se há alguns inimigos entre os humanos, nenhum deles se aproxima da ameaça que é ter uma bomba-relógio dentro da própria comunidade símia. Motivado pela vingança (por ter sofrido enquanto cobaia) e pelo medo (notando que os humanos têm um estoque de armas de fogo), Koba tem razões suficientes para começar uma guerra, mas é contido, apenas, por seu respeito a Caesar.

Do lado dos humanos, a situação não é tão diferente: pressionados pela necessidade de ativar uma hidrelétrica no território dos macacos, homens como Dreyfus (Gary Oldman) apressam-se em optar pela luta. Malcolm (Jason Clarke, pouco memorável) e sua família parecem ser os únicos a considerarem uma solução pacífica e tentam negociar com o líder dos “inimigos”.

O filme explora em profundidade o pensamento bélico, suas origens e sua lógica: mesmo que prejudicial às duas partes, o confronto é a consequência mais humana do encontro de dois povos amedrontados, cada qual com sua pequena parcela de extremistas.

Jason Clarke é Malcolm, um homem que acredita na paz entre as raças

É irônico que as reações mais passionais venham do lado menos humano. É entre os macacos que se desenrola uma trama shakespeareana, transbordando com dilemas morais, traições e jogos de poder – tudo isso à parte do conflito inter-racial, que acaba sendo mera consequência dessa desestabilidade.

“Planeta dos Macacos: O Confronto” acerta nas grandes questões, mas falha nos detalhes: há falas excessivas para os macacos (que são, essencialmente, mudos) e um personagem importante tem seu arco mal acabado (Olhos Azuis, filho de Caesar). Além disso, dificilmente alguém se identificará com aqueles humanos rasos a ponto de se importar se eles vencerão ou perderão a guerra. Que reinem, logo, os macacos.

Assista se você:

  • Gosta do livro ou dos filmes inspirados em “Planeta dos Macacos”
  • Quer ver um filme de ação inteligente
  • Quer conferir a evolução da tecnologia de CGI e captura de movimentos

Não assista se você:

  • Não gostou de “Planeta dos macacos: A Origem”
  • Não gosta de filmes sobre guerra
  • Quer torcer pelos humanos

Atualizado em 21 Jul 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas

Cinemark exibe “...E O Vento Levou” na próxima terça-feira

“2001: Uma Odisseia no Espaço” e “O Mágico de Oz” serão os próximos clássicos na programação

Serviço permite ir ao cinema todos os dias por mensalidade fixa

Assinaturas do Primepass variam de R$ 39,90 a R$ 139,90