Guia da Semana

Apesar do visual bem feito, “Cinderela” não justifica o remake

Filme repete a história narrada na animação de 1950, sem trazer novas perspectivas.

Quando um estúdio anuncia um remake, a primeira questão que vem à mente é “por que essa história precisa ser contada novamente?”. Às vezes, a primeira versão não explorou todas as possibilidades do material original e ainda há espaço para novos pontos de vista. Pode ser, ainda, que o filme anterior tenha deixado a desejar na execução, desperdiçando uma boa ideia. Pensando nisso, o que justifica o novo “Cinderela”, que a Walt Disney traz aos cinemas no próximo dia 26?

A resposta é, provavelmente, nada. Com exceção do fato de ser encenado com atores, o filme que estreia em 2015 não propõe nenhuma novidade em relação ao clássico de 1950. Pelo menos, nenhuma novidade positiva: o longa de Kenneth Branagh abre mão do humor e da ludicidade que sustentavam a animação (pense nos ratinhos cantores) para investir numa quantidade quase insuportável de água e açúcar.

O visual, como era de se esperar, é irretocável. O fotógrafo Haris Zambarloukos, a figurinista Sandy Powell e o designer de produção Dante Ferretti cumprem a missão de transformar a tela branca num reino maravilhoso, gloriosamente iluminado e digno dos sonhos de qualquer Cinderela. Há que se questionar o famoso vestido azul do baile, ornamentado com borboletinhas e tule, mas, em geral, as centenas de metros de tecido se justificam e fazem a diferença.

Lily James interpreta Ella, uma jovem que perde o pai e é feita de empregada pela madrasta (Cate Blanchett, arrepiante), até encontrar um príncipe (Richard Madden) que se encanta com sua bondade. Com a ajuda da fada madrinha (Helena Bonham Carter, carismática como sempre), ela consegue ir ao baile real e dançar com ele, mas sai às pressas, deixando para trás apenas um sapatinho de cristal.

Exatamente como no filme de 1950. O remake não busca influência no conto escrito por Charles Perrault (que inclui alguns detalhes bastante sórdidos), mas apenas refaz a adaptação animada, talvez na tentativa de atrair um novo público. Que público seria esse, porém, é uma questão difícil de responder, já que o longa não dá espaço suficiente para que as crianças se divirtam com os ratinhos e com o gato Lúcifer, nem endossa discursos que ganharam força nas últimas décadas, como a igualdade entre gêneros e etnias (um coadjuvante não conta) ou o combate à magreza excessiva (o que é aquela cintura, gente?).

Além de antiquado, “Cinderela” também soa vazio, elegendo a frase “seja corajoso e gentil” como uma espécie de mantra que se contradiz pela própria protagonista. Cinderela não tem coragem para enfrentar a madrasta e, se em algum momento consegue o que quer, é graças à fada madrinha ou aos animais, não à sua coragem e gentileza. Repetida à exaustão, a lição de moral perde a força e o sentido – coisas que parecem faltar ao filme como um todo.

Para quem for conferir a novidade nos cinemas, a boa notícia é que o longa vem acompanhado de um curta-metragem com a turma de Frozen chamado “Febre Congelante”. Nele, Elsa tem um resfriado que coloca em risco todos os preparativos para a festa de aniversário de Anna. O curta tem um longo número musical e traz de volta os simpáticos Olaf, Sven e Kristoff. Pelo menos, um prêmio de consolação (dos mais fraquinhos).

Atualizado em 27 Mar 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"Tomb Raider" com Alicia Vikander no papel de Lara Croft ganha primeiro trailer; assista!

Novo filme da franquia tem estreia prevista para março de 2018

13 Objetos de decoração que vão deixar sua casa mais cinéfila

De quadro interativo a almofada para pipoca, confira os itens que não podem faltar no seu cafofo

Entrevista: Dylan O’Brien fala sobre seu primeiro papel nos cinemas após acidente em 2016

“O Assassino: O Primeiro Alvo” chega aos cinemas nesta quinta, 21 de setembro

"All I See is You", drama com Blake Lively, ganha primeiro trailer; assista!

Longa estreia dia 27 de outubro nos EUA

Bilheterias da semana: "It - A Coisa" mantém liderança enquanto "Mãe!" fracassa nos EUA

Filme pode se tornar a maior bilheteria da história no gênero de horror

"Bingo - O Rei das Manhãs" é escolhido para representar o Brasil no Oscar 2018

Filme de Daniel Rezende se inspira na história real de um dos atores que interpretou o palhaço Bozo no Brasil