Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

Crítica: Recuperação de adolescente é o desafio do drama “De Cabeça Erguida”

Filme abriu o festival de Cannes em 2015 e chega ao Brasil em setembro.

Rod Paradot interpreta Malony, um jovem delinquente que vive entre a cadeia e as casas de recuperação (Divulgação)

Há algo de desesperador em ver uma história se desenrolar na tela sem os pequenos milagres que Hollywood nos ensinou a esperar. Em “De Cabeça Erguida”, drama de Emmanuelle Bercot que abriu o festival de Cannes em 2015 e chega ao Brasil em setembro, isso é o que vemos o tempo todo: personagens reagindo da forma errada, regredindo, sendo irrecuperáveis... E extremamente humanos.

Catherine Deneuve, que já trabalhara com Bercot em “Ela Vai”, vive uma juíza da vara da infância na França. Certo dia, ela recebe a visita de uma mãe muito jovem, advertida por não levar o filho mais velho (Malony), então com sete anos, à escola.

É nesse encontro turbulento que começamos a formar a desastrosa personalidade do protagonista: uma criança negligenciada, ofendida e indesejada pela mãe, mas que ao mesmo tempo tem com ela uma forte relação de interdependência. Esse jovem crescerá para se tornar um delinquente e se reencontrará com a juíza rotineiramente pelos próximos dez anos.

“De Cabeça Erguida” lembra em muitos momentos o drama “Mommy”, de Xavier Dolan, mas sua abordagem é muito menos intimista. Aqui, o foco é o sistema social francês e o esforço dos seus agentes para manter os menores fora das prisões. Fica claro que Malony (Rod Paradot) é apenas um entre muitos casos semelhantes.

O que também fica claro, um pouco para prejuízo do longa, é o quanto Bercot exalta o sistema, mostrando funcionários que realmente acreditam na recuperação de cada um dos jovens e lhes dão todas as chances cabíveis. Os centros de recuperação também são retratados como comunidades idilicamente organizadas, com profissionais muito calmos e amigáveis em oposição aos detentos agressivos.

Mesmo que a realidade não seja assim tão perfeita, a verdade é que o filme ajuda a discutir o problema com a seriedade que ele exige, buscando compreender a psicologia adolescente e as relações entre família, educação e sociedade. Até onde o papel de um tutor (ou tutores) pode substituir a ausência dos pais, e até onde cabe ao indivíduo buscar as próprias mudanças?

“De Cabeça Erguida” estreia nos cinemas no dia 17 de setembro.


Por Juliana Varella

Atualizado em 15 Set 2015.

Mais notícias

Saiba como assistir ao Oscar 2021 na TV e Internet

Cinema

Divulgados trailer e pôster inéditos do filme "Cruella"; confira!

Cinema

Resenha: 'En las estrellas'

Cinema

Confira a lista dos indicados ao Oscar 2021

Cinema

Oscar 2021: saiba onde assistir aos filmes indicados

Cinema

10 mostras de cinema online para conferir em março de 2021

Cinema