Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

Crítica: romântico e bem humorado, “De Onde Eu Te Vejo” explora as relações entre espaços e memórias

Filme estreia no dia 7 de abril nos cinemas.

Denise Fraga e Domingos Montagner vivem um casal em crise (Divulgação)

Ana e Fábio estão casados há vinte anos e decidem se separar. Os dois ainda são amigos e ela, inclusive, ajuda a organizar o apartamento para onde ele se muda. O problema é que ele fica, literalmente, em frente ao seu.

De Onde Eu Te Vejo” é um filme diferente, como se percebe quando seus protagonistas começam a gritar pelas janelas. Dirigido por Luiz Villaça, o longa flerta com a comédia, o romance e o drama, mas não se encontra em nenhuma das categorias. Se for para rotular, sugere o diretor, então que seja “comédia sentimental”. Que seja.

Comédia ou não, o fato é que o filme toca em muitas notas emocionais, especialmente para o público paulistano. Ao contrário de outros títulos que tentaram exaltar a cidade, este não se esforça demais para captar estereótipos e cartões-postais, mas mostra a São Paulo de quem vive sua arquitetura: no lugar do MASP, a Praça do Ciclista; no lugar do Teatro Municipal, o Marabá.

Denise Fraga e Domingos Montagner interpretam o casal em crise, com um misto bem dosado de humor e seriedade. Entre suas enormes janelas de Higienópolis, eles trocam farpas, guardam segredos, provocam ciúmes e compartilham a dor pela partida da filha, que vai estudar em Botucatu.

É Ana (Fraga) quem narra a história, conversando às vezes diretamente com o público e invocando memórias conforme lhe convém. A memória, aliás, é algo tão importante no filme que percorre todos os elementos – o casamento, a cidade, os cinemas de rua, uma cantina italiana. A destruição e a construção do novo são mostrados como forças inevitáveis, mas, ao mesmo tempo, os personagens lutam para resgatar sua história, sempre conectada com lugares específicos.

É interessante notar que os protagonistas são, na verdade, estrangeiros: Ana veio do Rio para ser arquiteta, enquanto Fábio (Montagner) veio de Ribeirão Preto para ser jornalista. Ele ainda trabalha num jornal tradicional no centro da cidade, mas ela abandonou o sonho e agora negocia com casas tradicionais para que sejam demolidas e deem lugar a prédios. Que ironia, não?

Um dos pontos fortes do longa de Villaça é que tudo tem uma função narrativa. Se Ana vive uma frustração profissional, é porque isso muda sua relação com a cidade e, consequentemente, com o próprio casamento. No caso de Fábio, a escolha pelo jornalismo impresso também não é arbitrária: a profissão vive uma crise que dialoga de perto com os temas do filme: tempo, transformação, adaptação.

Três outros personagens ajudam a dar leveza à história e prometem competir pelo posto de queridinhos do público. Marisa Orth está impagável como a jornalista Olga, paulista clássica que ama e odeia seu trabalho; Manoela Aliperti (que já provara sua química com Fraga na série “Três Teresas”, da GNT) rouba a cena no papel de Manu, a filha-conselheira de Ana e Fábio; e Marcello Airoldi interpreta o inesquecível pretendente de Ana, mistura de romântico e perseguidor levemente desequilibrado.

Outro ponto alto é o roteiro, assinado por Leonardo Moreira e Rafael Gomes. Graças à dupla, a narração nunca soa excessiva e algumas passagens tendem a ficar na memória por muito tempo – desafio o leitor, por exemplo, a não pensar na “trilha sonora do mundo” quando pisar fora do cinema.

Tudo isso, embalado por uma trilha executada no violão (outro elemento que remete à memória), faz com que “De Onde Eu Te Vejo” seja uma das melhores surpresas do cinema nacional recente. Romântico e engraçado, o filme se distancia das comédias românticas “água-com-açúcar” por não fazer escolhas óbvias e trabalhar seus personagens com densidade. É impossível não se identificar e é ainda mais difícil não sair apaixonado.

Confira mais dicas de cinema:

Gostou? Veja todos os vídeos: youtube.com/julianavarellaonline


Por Juliana Varella

Atualizado em 10 Abr 2016.

Mais notícias

10 filmes importantes sobre solidão 

Cinema

15 filmes com Alec Baldwin que você precisa assistir

Cinema

13 filmes imperdíveis em cartaz nos cinemas durante o feriado de 15 de novembro de 2019

Cinema

"Ford vs Ferrari", "O Irlandês" e mais cinco filmes que estreiam nesta quinta-feira (14); Confira!

Cinema

11 filmes imperdíveis que estreiam em 2020

Cinema

10 filmes com a atriz Glória Pires para você ver o quanto antes

Cinema