Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

“Dois Dias, Uma Noite” escancara o individualismo nas relações profissionais

Marion Cotillard concorre ao Oscar pelo papel no longa francês.

Marion Cotillard interpreta uma mulher sob risco de perder o emprego (Divulgação)

Você abriria mão de um bônus de mil euros (veja bem: euros) para que sua colega de trabalho – aquela, com quem você nem tem tanta intimidade – pudesse manter o emprego? É esse dilema ético que move “Dois Dias, Uma Noite”, drama dirigido pelos irmãos Dardenne com Marion Cotillard, que concorre ao Oscar de Melhor Atriz.

O filme, é claro, defende o altruísmo e pinta os colegas que preferem o bônus como os vilões egocêntricos, mas há um pouco mais do que certo-e-errado em jogo ali. A personagem de Marion, Sandra, acabou de se recuperar de uma depressão e, pelo que se vê, ainda não se recuperou totalmente. Será que ela está mesmo pronta para trabalhar? Para piorar, ela tem dois filhos e um marido, que, apesar do apoio incondicional, sabe que a relação já teve momentos melhores.

“Dois Dias, Uma Noite” leva esse nome porque é exatamente esse tempo (um fim de semana) que Sandra tem para convencer mais da metade dos colegas a desistirem do bônus. Para isso, ela precisa encarar um por um, expor sua situação e ouvir o que vier – sejam promessas, desculpas ou ameaças.

Alguns casos soam bastante artificiais. Quem iria admitir que prefere reformar a casa a salvar o emprego de outra pessoa? Ninguém gosta de se perceber egoísta, mesmo que todos sejam em alguma medida. Mais provável seria que esses se revelassem na discrição do voto.

A atriz dá intensidade ao filme, percorrendo esse caminho árido sem trilha sonora e quase sem maquiagem. Sua personagem, mais do que uma trabalhadora, é uma mulher insegura, que precisa dessa jornada para se descobrir relevante num meio em que todos são exatamente iguais, dispensáveis como peças repetidas (e justamente por isso competitivos e desconfiados).

“Dois Dias, Uma Noite” passa rapidamente por temas como a violência doméstica e a crise econômica, mas sempre se volta para a questão básica: até que ponto conseguimos nos colocar na posição do outro?

O filme estreia no dia 5 de janeiro nos cinemas.


Por Juliana Varella

Atualizado em 4 Fev 2015.

Mais notícias

10 mostras de cinema online para conferir em março de 2021

Cinema

Mostras de cinema gratuitas e online para conferir em fevereiro

Cinema

Telecine Play apresenta mostra dedicada ao cinema negro e em celebração a Spike Lee

Cinema

Festival Internacional de Cinema de Trancoso: saiba tudo sobre o quarto dia da mostra

Cinema

10 filmes imperdíveis que estão em cartaz nos cinemas no feriado de 20 de novembro 

Cinema

Shopping Bourbon e Itaú Cinemas dão 30% de desconto nos ingressos em novembro; saiba mais!

Cinema