Guia da Semana

“Bingo – O Rei das Manhãs” – filme inspirado no palhaço Bozo escancara a loucura dos anos 80 e explora a tragédia do artista anônimo

Conversamos com o diretor Daniel Rezende e o ator Vladimir Brichta para saber mais sobre o filme que estreia no dia 24 de agosto.

Quando Daniel Rezende decidiu que faria da história de Arlindo Barreto – um dos primeiros e mais escandalosos atores a incorporarem o palhaço Bozo na televisão brasileira – seu primeiro longa como diretor, ele sabia que teria uma missão quase pioneira: mostrar a cultura pop nacional como ela realmente é, ou como foi nos loucos e incontroláveis anos 80.

Rezende tem intimidade com o tema: ele é um dos responsáveis pela fase mais pop do cinema nacional, tendo trabalhado como montador em “Cidade de Deus”, nos dois “Tropa de Elite” e também em “Ensaio Sobre a Cegueira” e “RoboCop”, ambos produzidos nos Estados Unidos, mas dirigidos por brasileiros.

Em “Bingo – O Rei das Manhãs”, o montador deixou de lado a mesa de edição e decidiu confiar a tesoura às mãos de Márcio Hashimoto (“Faroeste Caboclo” e “O Rastro”), na certeza de que o cinema não é trabalho de um homem só. “Como montador, sempre gostei do que eu pude proporcionar para os filmes, de poder trazer um olhar fresco, poder contestar o diretor e poder trazer uma outra visão. Então eu não queria perder isso, e foi muito prazeroso para mim poder olhar o material sendo transformado por outra pessoa”, explica, orgulhoso do resultado final.

 

Rezende, então, concentrou suas energias em contar essa história, tão nossa e tão escondida debaixo do tapete, como se o povo e os cineastas tivessem vergonha de coisas como Bozo, Xuxa e Conga Conga Conga. “Acho que o nosso cinema olha pouco para a nossa cultura pop. A gente olha para os nossos problemas sociais, a gente olha para as nossas culturas regionais... Mas a nossa cultura pop a gente não explora tanto”, pondera, lado a lado com um pôster estampado com Emanuelle Araújo no vestido curtíssimo e cor-de-rosa de Gretchen, descendo até o chão.

A cantora, aliás, é a única figura histórica que teve seu nome mantido no filme. Arlindo virou Augusto, Márcia (a mãe) virou Marta, Xuxa virou Lulu (ou algo assim) e até as redes de televisão tiveram seus nomes ligeiramente alterados. Ainda bem, porque as alfinetadas são distribuídas sem moderação e os processos, logo começariam a se empilhar.

O filme acompanha a trajetória do ator, de estrela pornô a apresentador do programa infantil, quando a marca internacional “Bingo” estava sendo trazida para o Brasil. Apesar do sucesso na TV, o artista foi proibido por contrato de revelar sua identidade em público e esse anonimato quase o levou à loucura.

Vladimir Brichta é quem veste o nariz vermelho e a peruca azul. Segunda opção para Rezende, depois da desistência de Wagner Moura por conflito de agendas, Brichta se mostra, depois de poucos minutos, a única opção possível. Sua pinta de galã ajuda a dar credibilidade ao lado mulherengo e “vida louca” do personagem, enquanto sua experiência com humor faz doer o estômago de tanto rir. Mas é no drama que o artista mostra a sua cara e, entre uma piada suja no palco infantil e uma ordem de restrição sobre o filho longe dali, o público devora as unhas e sente cada pontada no coração do palhaço-homem.

Para o ator, o objetivo era esse: mostrar as contradições de um palhaço, figura de extremos que personifica nossas emoções. “Não é só sobre um ‘palhaço triste’...”, reflete, tentando encontrar a imagem perfeita... “É um pouco por quê que o Robin Williams se matou.” – e encontra. “Essa pergunta afeta todo mundo, é um cara que faz a alegria das pessoas, mas tem um lado tão sofrido, tão desajustado... Acho que o palhaço, aquela boca, aqueles olhos, são lente de aumento sobre isso. É um aumento daquela alegria, mas parece que, na mesma proporção, também é um aumento da tristeza, da inquietação, da amargura, da incompreensão... E isso é humano, é de todos nós.”

Quem ajudou a encontrar esse palhaço, no ator e nas telas, foi a dupla Domingos Montagner e Fernando Sampaio, artistas circenses desde os anos 90 e referências no humor de picadeiro. Este será o último trabalho de Montagner a ser mostrado ao público nos cinemas, após sua morte acidental há quase exatamente um ano, durante as gravações de uma telenovela. O ator tem uma curta participação no filme como um palhaço mais experiente, que se torna mentor do protagonista.

 

Ambos participaram do desenvolvimento do roteiro como consultores e também estiveram presentes na preparação do personagem, ajudando Brichta, segundo ele, a “se aceitar” como palhaço - ele que sempre teve o instinto para a comédia, mas não se considerava digno do título. E agora?, lhe perguntam, ao que hesita só um pouco e responde, aliviado: “Agora, posso dizer que sou um palhaço”.

Pois o palhaço Bingo e sua história quase real chegam aos cinemas na próxima quinta-feira, 24 de agosto. E, não custa avisar, não é um filme para crianças. 

Assista ao trailer de "Bingo - O Rei das Manhãs"

Elenco terá Vladimir Brichta, Leandra Leal e Pedro Bial

20 Filmes brasileiros que você precisa assistir

Conheça o melhor do cinema nacional dos anos 60 até hoje

Conheça 15 filmes brasileiros que você vai querer ver em 2017

Lançamentos incluem filmes de terror, animações, biografias e muitas comédias

Sucesso nos anos 80, brinquedo Pense Bem é relançado; saiba mais!

Brinquedo lançado há 30 anos já está na pré-venda por R$ 269

Atualizado em 22 Ago 2017.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 filmes (que valem o ingresso!) para ver nos cinemas no feriado de 20 de novembro

Confira as melhores opções em cartaz na cidade

Estreias da semana: "Liga da Justiça", "Uma Razão para Viver" e mais 7 filmes

"Human Flow", premiado documentário sobre a questão dos refugiados, também é destaque

Sequência de "Animais Fantásticos" revela título, detalhes da trama e foto do elenco; confira!

Novo filme da franquia Harry Potter estreia em novembro de 2018

Rumor: Mario Bros. deve ganhar animação para os cinemas

Filme terá produção do mesmo estúdio de "Meu Malvado Favorito"

9 filmes (que valem o ingresso!) para ver nos cinemas no feriado de 15 de novembro

Confira nossas dicas para não errar na sessão ;)

Bilheterias: "Thor - Ragnarok" lidera pela terceira semana seguida no Brasil

Filme do herói da Marvel já faturou R$ 78,9 milhões no país