Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

Festival Varilux 2015 aquece discussões sobre o papel do drama e da comédia no cinema internacional

Diretores comentam seus filmes em cartaz no festival de cinema francês até 17/06.

Olivier Nakache e Eric Toledano vieram ao Brasil divulgar seu novo filme, "Samba" (Divulgação)

Três anos após o sucesso mundial de “Intocáveis”, os diretores Olivier Nakache e Eric Toledano voltam a se reunir com o ator Omar Sy na comédia dramática “Samba”, em cartaz no Festival Varilux de Cinema Francês em 50 cidades brasileiras. Os cineastas vieram ao Brasil para divulgar o novo trabalho e conversaram com a imprensa sobre cinema, imigração e música brasileira.

“Samba” narra a história de um imigrante senegalês (Sy) que vive há dez anos na França, mas ainda não conseguiu um visto permanente para morar no país. Sem esse documento, Samba (esse é o nome do personagem) não pode ser contratado como cozinheiro, como sonha, e fica limitado a trabalhos braçais como lavar pratos, limpar janelas ou asfaltar ruas – sempre a um passo da extradição.

O tema da xenofobia é muito urgente em toda a Europa e ganha uma perspectiva romântica e cômica no filme francês. “Nosso método é misturar drama e comédia para falar de forma mais sutil de temas graves, como a imigração. O uso do absurdo nos permite desmontar o lado surreal que existe na burocracia e provocar uma reflexão sobre o assunto”, explica Nakache.

Patrick Bruel, outro convidado do festival que assina a direção de “Sexo, Amor e Terapia”, concorda e acrescenta que a comédia francesa tem ganhado muito mais prestígio nos últimos anos justamente por tratar de temas sociais, mais universais e capazes de atingir um público internacional, como fez “Intocáveis”.

Outra estratégia para conquistar fãs fora do território francófono é incorporar outras nacionalidades. Em “Samba”, por exemplo, um dos personagens (vivido por Tahar Rahim) é árabe, mas finge ser brasileiro para conseguir melhores oportunidades no país – o que levanta ainda outra discussão interessante sobre estereótipos e preconceitos. Acompanhando essa mistura, a trilha sonora traz músicas de Jorge Ben e Gilberto Gil, escolhidas a dedo pelos ecléticos Nakache e Toledano.

Quem também desembarcou por aqui para o Festival Varilux foi a diretora Emmanuelle Bercot, cujo drama “De Cabeça Erguida” abriu o Festival de Cannes em maio deste ano. A artista também recebeu a Palma de Ouro de Melhor Atriz pelo filme “Mon Roi”, na mesma ocasião.

“De Cabeça Erguida” chamou a atenção da mídia por ser o primeiro longa de abertura em 28 anos dirigido por uma mulher. Quando questionada sobre isso, entretanto, Bercot não hesitou em afastar a associação: “Prefiro pensar que escolheram o filme pela obra, sem se preocuparem com o fato de ter sido dirigido por uma mulher ou por um homem. Acho que as mulheres têm sido muito mimadas ultimamente, e que é natural que haja uma diferença, afinal, começamos mais tarde. Eventualmente, haverá tantas mulheres quanto homens na direção e alcançaremos uma equivalência”.

O filme de Bercot também aposta num tema de importância social, discutindo a maioridade penal e a responsabilidade do Estado na recuperação de jovens delinquentes na França. A situação é bastante específica em relação às leis locais, mas pode render debates morais que se aplicam a qualquer país.

O Festival Varilux de Cinema Francês acontece entre 10 e 17 de junho em todo o país e traz 15 longas inéditos no Brasil, além de uma retrospectiva do ator Pio Marmaï e uma homenagem ao Rio de Janeiro com o clássico “O Homem do Rio”. 


Por Juliana Varella

Atualizado em 1 Jul 2015.

Mais notícias

15 filmes originais de 2019 que você precisa assistir

Cinema

"Marighella", "O Gênio e o Louco" e mais sete filmes que estreiam nesta quinta (18); Confira!

Cinema

Netflix: 15 filmes que todo jovem deveria assistir

Cinema

10 filmes incríveis que se passam na Nova Zelândia

Cinema

10 filmes incríveis que se passam no Rio de Janeiro

Cinema

10 filmes em cartaz para ver na Páscoa 2019

Cinema