Guia da Semana

Inspirado em conto bíblico, "Leviatã" critica governo russo

Saiba mais sobre o vencedor do Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro.

Premiado como o melhor roteiro do Festival de Cannes do ano passado e vencedor do Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro, "Leviatã" estreia no Brasil como um dos favoritos à estatueta do Oscar. Atacando o governo russo, "Leviatã" chegou a ter cenas censuradas no país, o que não atrapalhou o seu triunfo internacional. Dado o histórico, o espectador desavisado espera um filme com sequências chocantes, entretanto, a grande audácia da trama está (apenas) em criticar o abuso de poder - e o faz com louvor.

Rodeada pelos belos cenários do norte da Rússia, a história gira em torno de um homem comum e sua luta contra o prefeito da pequena cidade em que vive. Ao lado da esposa e filho, Kolia enfrenta as corruptas garras de Vadim, que quer tirar não só o seu negócio, a sua casa e a sua terra, mas também toda a beleza que o rodeia desde a sua infância. O pacato cotidiano da família passa, então, a ser arriscado pelas infindáveis, e às vezes drásticas, atitudes do político para atingir o seu objetivo.

Por que Vadim usaria de todas as suas artimanhas por uma simples satisfação pessoal? Até que ponto Kolia pode enfrentar o orgulho sem ceder ao emaranhado sistema político que o rege? Sem uma resposta exata, estão aí as principais questões do filme, que tocam em feridas não só da sociedade russa, mas em aspectos onipresentes e atemporais: a ambição, a verdade e o poder. Tanto que é possível observar, além das referências ao governo de Putin, alusões bíblicas, como o monstro Leviatã, a história de Nabot e Acabe e o Livro de Jó. 

Ao mesmo tempo em que o embate se acirra, acompanhamos as feridas na própria vida de Kolia: a mulher infeliz, o filho revoltado e os amigos que vão se mostrando cada vez menos fiéis. E, por baixo das ataduras, percebemos a complexidade das relações humanas, que vão muito além de qualquer conflito político. O auge de "Leviatã" não está apenas na beleza de sua fotografia, na acidez de sua crítica ou na crueza com que retrata o ser humano. E sim na maneira como Andrey Zvyagintsev tece delicadamente todos esses pontos colocando o cinema como o mais fiel e tocante retrato da natureza humana. 

Atualizado em 3 Fev 2015.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"Tomb Raider" com Alicia Vikander no papel de Lara Croft ganha primeiro trailer; assista!

Novo filme da franquia tem estreia prevista para março de 2018

13 objetos de decoração que vão deixar sua casa mais cinéfila

De quadro interativo a almofada para pipoca, confira os itens que não podem faltar no seu cafofo

Entrevista: Dylan O’Brien fala sobre seu primeiro papel nos cinemas após acidente em 2016

“O Assassino: O Primeiro Alvo” chega aos cinemas nesta quinta, 21 de setembro

"All I See is You", drama com Blake Lively, ganha primeiro trailer; assista!

Longa estreia dia 27 de outubro nos EUA

Bilheterias da semana: "It - A Coisa" mantém liderança enquanto "Mãe!" fracassa nos EUA

Filme pode se tornar a maior bilheteria da história no gênero de horror

"Bingo - O Rei das Manhãs" é escolhido para representar o Brasil no Oscar 2018

Filme de Daniel Rezende se inspira na história real de um dos atores que interpretou o palhaço Bozo no Brasil