Guia da Semana
Cinema
Por Redação Guia da Semana

“Kubo e as Cordas Mágicas” traz a evolução do stop-motion aos cinemas

Filme dos criadores de “Os Boxtrolls” se inspira em fábulas japonesas.

O filme se inspira em lendas japonesas e cria uma nova mitologia própria (Foto: Divulgação)

Mais um longa-metragem do estúdio Laika está chegando aos cinemas e, com ele, uma infinidade de bonecos, cenários construídos à mão e fotografias em série transformadas em cinema. Especializada em animações em stop-motion aliadas a tecnologias modernas de computação gráfica, a empresa criada em 2005 apresenta agora seu quarto e mais ambicioso projeto até hoje: o épico inspirado no folclore japonês “Kubo e as Cordas Mágicas”.

O filme marca a estreia na direção de Travis Knight, CEO do estúdio, animador e filho de um dos maiores investidores da empresa, o co-fundador da Nike Phil Knight. Juntos, os dois ajudaram a transformar um negócio aparentemente impossível – uma empresa focada no tipo mais caro, trabalhoso e demorado de animação (em uma semana são filmados cerca de três segundos) – num case de sucesso. Os três filmes anteriores da Laika, “Coraline e O Mundo Secreto”, “Paranorman” e “Os Boxtrolls” foram todos indicados ao Oscar de Melhor Animação, ao Bafta e ao Annie Awards e dois receberam também indicações ao Globo de Ouro.

No dia 13 de outubro, o público poderá finalmente conhecer o mais recente dos trabalhos desse perfeccionista e obstinado grupo de artistas. Em “Kubo e As Cordas Mágicas”, somos apresentados a Kubo, um menino com poderes mágicos que passa seus dias cuidando da mãe e contando histórias para um pequeno povoado japonês. Ele carrega um instrumento musical, herdado dela, capaz de dar vida a heróis e monstros feitos de origami. Um dia, os personagens das histórias que ele cresceu ouvindo e narrando invadem a realidade e o levam a uma grande aventura em busca da verdade sobre sua família.

O filme traz referências fortes de contos japoneses, como o da princesa da lua (que também inspirou o filme “O Conto da Princesa Kaguya”) e do esqueleto gigante Gashagokuro (cujo boneco de dimensões gigantescas, que vocês podem ver na imagem acima, rende uma divertida cena entre-créditos). A abordagem, porém, é essencialmente hollywoodiana: ao invés de guiarem a história, as lendas e costumes orientais servem mais como pano de fundo para uma trama relativamente universal sobre reconciliação familiar, luto e amadurecimento.

A grande diferença entre “Kubo e As Cordas Mágicas” e os filmes anteriores da Laika é o aumento na quantidade de CGI – o que é visível na produção, mas não chega a ofuscar o trabalho manual. Cada vez mais, as técnicas artesanais e digitais se combinam e interagem no próprio estúdio para criar mundos mais completos e efeitos mais realistas (ou até mais fantásticos) – como um mar revolto, uma tempestade ou uma multidão. O resultado disso você pode conferir no impressionante vídeo mostrando o making of do filme. A animação estreia na próxima quinta-feira e é indicada para maiores de 10 anos.


Atualizado em 11 Out 2016.

Mais notícias

"Querido Menino", "Sai de Baixo" e mais cinco filmes estreiam nos cinemas nesta quinta-feira (21); Confira!

Cinema

Rede UCI promove maratona com os indicados ao Oscar 2019 dias antes da premiação

Cinema

Oscar 2019: tudo que você precisa saber e a lista do que deveria assistir

Cinema

21 filmes incríveis indicados ao Oscar dos últimos 10 anos que você deveria maratonar

Cinema

10 curiosidades sobre “Dumbo” que você precisa saber antes de assistir ao novo filme

Cinema

"Mula", "Todos Já Sabem" e mais cinco filmes que estreiam nos cinemas nesta quinta-feira (14); Confira!

Cinema