Guia da Semana

“Mate-me Por Favor” explora sexualidade e repressão em suspense arrepiante

Longa de Anita Rocha da Silveira estreia no dia 15 de setembro.

Existe uma aura de perigo no novo cinema brasileiro. É uma aura de medo (de si mesmo, de fantasmas e vizinhos) que invoca a fantasia e torna possíveis obras poderosas e irresistíveis como “Mate-me Por Favor”. O longa de estreia de Anita Rocha da Silveira, lançado em 2015 em festivais, chega aos cinemas no dia 15 de setembro e é um filme obrigatório para amantes de cinema, arte, poesia e psicologia.

A sequência inicial já prepara o terreno para uma experiência muito mais sensorial do que estritamente narrativa. Uma câmera persegue opressivamente uma jovem na volta da balada. Ela está bêbada e anda devagar. Seu destino é óbvio e inescapável, mas, quando chega, o grito é longo demais. Longo e penetrante como as consequências desse primeiro assassinato para as garotas de um colégio da região.

As protagonistas de “Mate-me Por Favor” são um grupo de meninas que, em meio a uma série de estupros seguidos de assassinato, tentam seguir a vida normalmente, brincando como crianças e ressignificando o medo em lendas urbanas e perfis virtuais de falecidas, enquanto exploram seus próprios corpos ameaçados.

Ao mesmo tempo em que se sabe que ninguém está seguro – nem mulheres, nem homens – fica claro que há uma responsabilização delas pelos crimes. “Vocês não podem ficar por aí andando sozinhas sem um homem”, recomenda o namorado de Bia (Valentina Herszage, excepcional), apoiando-se nos conselhos de uma pastora que esbanja maquiagem e decotes enquanto fala em castidade. Ela não reage na hora, mas o estrago foi feito.

Tudo é muito simbólico e algumas cenas soltas se amarram para formar um espelho dessa geração. Paralelamente às notícias sobre as mortes, toca no rádio um funk sobre as “novinhas” e como suas provocações justificam tudo. Uma das garotas dança e filma para postar na internet. Mais tarde, numa festa de 15 anos, quem não “ficou” com ninguém termina a noite com a sensação de fracasso.

Nesse caos adolescente, sexo e violência, desejo e repressão andam de mãos dadas.

Quase sem perceber, o espectador é convidado a formular a mesma ideia do namorado machista quando vê Bia andando sozinha, à noite, num campo abandonado, e parando ali por muito mais tempo do que seria seguro. Como se gritasse “Mate-me por favor!”, ela testa a própria fibra, a do assassino e a do público num ato desesperado. Aconteça o que acontecer, ela teve a sua liberdade, do seu jeito, pelo menos por um minuto.

Atualizado em 14 Set 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Cinemark inaugura nova unidade no shopping West Plaza

Cinema é o mais completo da rede na capital paulista e marca os 20 anos da empresa no Brasil

10 Filmes imperdíveis que estreiam nos cinemas em outubro de 2017

Sequência de “Blade Runner” e novo filme de Kathryn Bigelow são destaques

Bilheterias: Kingsman 2 supera It – A Coisa e tem abertura melhor que o longa original

Filme chega ao Brasil na próxima quinta-feira, 28

Mostra Internacional de Cinema de São Paulo revela pôster e primeiras atrações

Vencedores da Palma de Ouro e do Festival de Toronto são destaques entre os filmes confirmados na programação

Estreias da semana: "Mãe!", "Esta é a Sua Morte – O Show" e mais 6 filmes

Suspense de Darren Aronofsky com Jennifer Lawrence promete dividir opiniões

“Ensaio Sobre a Cegueira” tem sessão gratuita com debate no MIS

Filme será acompanhado por bate-papo com historiadora