Guia da Semana

No Limite do Amanhã: a arte de morrer todos os dias

Tom Cruise fica preso no tempo em novo longa do diretor de Identidade Bourne

Quando vamos ao cinema assistir a um filme de guerra de humanos contra alienígenas, a última coisa que esperamos é que nosso herói seja um assessor de imprensa. Nada contra: apenas parece difícil imaginar que alguém dedicado a convencer pessoas a entrarem para o exército queira, de fato, estar na linha de frente. E Bill Cage não queria.

Em "No Limite do Amanhã", Cage (Tom Cruise) voa dos Estados Unidos a Londres para se encontrar com o general responsável pela próxima ofensiva, marcada para a manhã seguinte. Após uma conversa mal sucedida, porém, ele acaba jogado num pelotão sem qualquer treinamento e, inevitavelmente, é morto no campo de guerra nos primeiros minutos. Sim, morto. É aí que a história começa a tomar forma.

Inspirado no livro “All You Need is Kill”, de Hiroshi Sakurazaka, o filme de Doug Liman (que também o produz) brinca com a passagem do tempo para falar de guerra e do valor da vida – isso porque Cage fica preso num looping temporal e volta ao início do “dia D” a cada vez que morre. E ver a si mesmo e às pessoas à sua volta morrendo repetidamente é, no mínimo, transformador.

Liman, que dirigiu “Sr. e Sra. Smith” e “A Identidade Bourne”, alcança um equilíbrio raro entre ação, fantasia e humor. Quando tudo parece converter para o clichê de guerra, com a trilha épica e os grandes efeitos visuais, o espectador é levado de volta para o início do dia anterior e tudo se desenrola novamente de forma um pouco diferente.

No processo, Cage conhece Rita (Emily Blunt), a guerreira mais importante do exército europeu e garota-propaganda das armaduras especiais. Ela, para sua surpresa, já tinha passado pela mesma experiência e se une a ele para tentar vencer a guerra, conhecendo os passos do inimigo com antecedência.

Se a premissa é instigante, o desenvolvimento é ainda melhor, pois consegue surpreender mesmo quando pensamos que já sabíamos tudo. Há romance, mas é bem pouco e pode não passar de uma amizade. Os ataques dos aliens são por terra, e não pelo céu como normalmente os imaginamos. Não se mergulha nos bastidores políticos nem na moralidade dos personagens - a única crítica palpável é à publicidade. 

As escolhas de roteiro, entretanto, só vão bem até a sequência final – que, num acesso de insegurança, desfaz toda a teoria que vinha desenhando e entrega um desfecho inverossímil e desinteressante. Se anteciparmos em alguns poucos minutos o final, porém, tudo se conserta. É apenas uma questão de tempo.

Assista se você:

  • É fã de ficção científica
  • Quer ver um filme de ação criativo
  • Gosta dos filmes protagonizados/escolhidos por Tom Cruise

Não assista se você:

  • Não gosta de ficção científica
  • Torce o nariz ao ler “alienígenas” na sinopse
  • Não gosta de filmes com viagens no tempo

Atualizado em 30 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

22 filmes para ver por até R$ 4 no Dia do Orgulho Nerd

"Batman: O Cavaleiro das Trevas" e "Harry Potter e as Relíquias da Morte" estão em cartaz por preços reduzidos

7 motivos para assistir ao novo “Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar”

Quinto filme da série chega aos cinemas nesta quinta-feira, 25 de maio

Filme "Extraordinário", com Julia Roberts e Jacob Tremblay, ganha trailer emocionante

Longa inspirado no best-seller de R.J. Palacio estreia em novembro

20 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em junho

"Mulher Maravilha", "A Múmia" e "Meu Malvado Favorito 3" estão entre os destaques do mês

Mostra itinerante exibe "Up - Altas Aventuras" e outros três filmes de graça em São Paulo

“Up – Altas Aventuras” e “O Sorriso de Monalisa” estão no cardápio do Cinemóvel Carrefour

Continuação de "Mamma Mia" é confirmada

Intitulado "Here We Go Again!", filme estreia em 2018