Guia da Semana

O que é um filme cult

Entenda o que torna um filme cultuado muito além do seu tempo.

Há uma certa convenção não-dita entre os fãs de cinema. De um lado, o “time mainstream” lota as principais salas multiplex para ver os últimos lançamentos de Hollywood; do outro, o “time cult” enfrenta a garoa fina nas sessões da madrugada em cinemas de rua para conferir a cópia restaurada de algum filme antigo e pouco conhecido. De um lado o Oscar; do outro, Cannes e Berlim.

+ Conheça os 7 melhores fan films já feitos
+ Entenda melhor o machismo no cinema
+ Veja 10 clássicos que nunca ganharam o Oscar

O problema dessa rixa vai além do fato de que há bons filmes nos dois polos: é que ela parte de um conceito falso. “Cult”, afinal, não é o oposto de mainstream nem de cinema americano. É algo muito mais amplo, um “status” que o filme conquista graças ao conteúdo subversivo, à forma original ou, simplesmente, porque oferece alguma coisa aos fãs que nenhum outro filme foi capaz de oferecer – uma reflexão, um modelo de comportamento, frases inesquecíveis, nostalgia.

Na origem do termo está uma das características básicas do filme cult: ele deve ser cultuado pelos fãs. Pense nos eventos especializados em animes, games e cultura pop, onde jovens e marmanjos competem pelo melhor cosplay e trocam fanfics baseadas nos personagens. Pense em todo o merchandising que a franquia Star Wars já vendeu e continua vendendo como água até hoje – 37 anos depois do primeiro filme – tão grande que convenceu a Disney a comprar a marca e dar sequência à franquia.

Yoda, de Star Wars 

Hollywood é Cult?

"Star Wars" é o maior exemplo de que filmes mainstream podem ser cultuados: basta que os fãs transformem aquela obra num estilo de vida, expandindo seu sentido inicial para dimensões jamais imaginadas pelo criador.

Quando não são os mundos fantásticos, é a nostalgia que agarra os fãs pelo colarinho e contamina até as próximas gerações. “De Volta Para o Futuro”, por exemplo, é um filme de aventura hollywoodiano que ofereceu um passeio de volta aos anos 50 e 80 e ainda brincou com alguns sonhos (não tão distantes) de futuro. Até hoje, publicitários se aproveitam do valor sentimental desse filme para renovar o culto e vender produtos ligados à franquia.

Do lado oposto da roda, está o cult que mirou o grande público, mas que nasceu com bilheteria modesta, como “Blade Runner”. O filme de Ridley Scott foi um fracasso de crítica nos anos 80, mas passou a ser estudado e reinterpretado como uma metáfora poderosa da sociedade e hoje é citado em 10 entre 10 listas de clássicos da ficção científica.

Cenário de Blade Runner

Ilusão de exclusividade

A ficção científica, aliás, é o gênero que concentra o maior índice de filmes cultuados. Fãs mais experientes podem se vangloriar de entender conceitos mais complexos e rir de piadas “internas” que os outros espectadores não perceberão – a série de TV “The Big Bang Theory” explora esse lado do fanatismo muito bem.

Não é à toa que J. R. R. Tolkien descreveu a língua dos elfos e desenhou mapas acoplados aos seus livros - no seu caso, os livros são cult, mas os filmes não, pois limitam o entendimento ao óbvio. Os fãs querem saber aquilo que ninguém sabe e, quanto mais conteúdo houver para desvendar, maiores serão suas chances.

Merece nota, nesse campo, o culto ao diferente - no caso dos fãs ocidentais, venerar um filme japonês em particular significa conhecer algo que a maioria das pessoas não conhece ou não compreende - "Oldboy", "Akira", "Meu Vizinho Totoro" são exemplos bem populares.

Tetsuo, em Akira

O cinema europeu, mesmo não tão distante, também oferece formatos bastante distintos do americano e, portanto, pode soar subversivo a olhos acostumados a Hollywood. Destaque para os vanguardistas da Nouvelle Vague, como Godard e Truffaut, cults por excelência.

Quanto mais difícil, melhor

Alguns filmes que misturaram as fronteiras entre realidade e ficção, sanidade e loucura, caíram nas graças do público e se tornaram cultuados pelo impacto que causaram nos espectadores – atordoados e obrigados a repensar suas próprias convicções. “Matrix” e “Donnie Darko” (ainda mais cult por ser pouco conhecido) são exemplos fortes, mas “O Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças” e “Clube da Luta” também podem entrar nessa categoria.

Fora do reino da ciência e da psicologia, os campeões de culto são, provavelmente, o cinema trash e o experimental, assim como filmes “quase perdidos”.

Nosferatu”, por exemplo, é um ícone mudo do expressionismo alemão que quase foi destruído por falta de direitos autorais sobre o Drácula de Bram Stoker. Segundo se conta, apenas uma cópia sobreviveu e foi cultuada pelos fãs, cuidada e reproduzida ao longo dos anos.

Discos voadores em Plano 9 do Espaço Sideral

Ed Wood, avô do trash, amargou uma vida inteira de sonhos às margens de Hollywood, até que, após morrer, teve seus filmes recuperados por fãs e estudiosos e finalmente ganhou o posto de “pior diretor do mundo”. Só então tornou-se cult. Afinal, fã que é fã conhece o melhor e o pior de Hollywood.

Já entre os experimentais, é notável a fama conquistada no boca-a-boca por um filme como “Koyanisqatsi” – que trabalha exclusivamente com imagens de arquivo e trilha de Phillip Glass para denunciar o ritmo frenético e prejudicial da vida moderna. "O Cão Andaluz", experiência surrealista praticamente incompreensível de Luiz Buñuel eSalvador Dalí, também ganhou sua parcela de seguidores.

O que é preciso para fazer um Cult?

Produzir um filme que contradiz os cânones de Hollywood, por si só, já é uma atitude bastante cult, mas, até mesmo dentro de uma indústria que lança centenas de fast-foods cinematográficos por ano, podem surgir novas febres que durarão décadas. Diante desse paradoxo, fica a pergunta: o que é preciso?

A resposta é simples, mas é também o desafio de qualquer contador de histórias: é preciso entender seu público, entender sua sociedade, arriscar, provocar. Isso e, é claro, uma boa dose de sorte.

Atualizado em 24 Mar 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"Tomb Raider" com Alicia Vikander no papel de Lara Croft ganha primeiro trailer; assista!

Novo filme da franquia tem estreia prevista para março de 2018

13 objetos de decoração que vão deixar sua casa mais cinéfila

De quadro interativo a almofada para pipoca, confira os itens que não podem faltar no seu cafofo

Entrevista: Dylan O’Brien fala sobre seu primeiro papel nos cinemas após acidente em 2016

“O Assassino: O Primeiro Alvo” chega aos cinemas nesta quinta, 21 de setembro

"All I See is You", drama com Blake Lively, ganha primeiro trailer; assista!

Longa estreia dia 27 de outubro nos EUA

Bilheterias da semana: "It - A Coisa" mantém liderança enquanto "Mãe!" fracassa nos EUA

Filme pode se tornar a maior bilheteria da história no gênero de horror

"Bingo - O Rei das Manhãs" é escolhido para representar o Brasil no Oscar 2018

Filme de Daniel Rezende se inspira na história real de um dos atores que interpretou o palhaço Bozo no Brasil