Guia da Semana

Uma História de Amor e Fúria vence festival de animação

Filme de Luís Bolognesi dialoga com revoltas atuais ao narrar quatro períodos revolucionários na história do Brasil.

O longa-metragem de animação brasileiro Uma História de Amor e Fúria venceu, no último sábado, o prêmio mais alto do Festival Internacional de Annecy, na França. Criado em 1960, o evento é considerado o mais importante prêmio de animação no mundo, e nunca havia indicado um filme brasileiro até este ano.

+ Conheça filmes clássicos do cinema nacional em cartaz na Cinemateca
+ Assista também ao filme Faroeste Caboclo
+ Saiba quais são os filmes infantis em cartaz

Personagem sob tortura em cena de Uma História de Amor e Fúria

Uma História de Amor e Fúria, que estreou nos cinemas em abril, tem direção de Luís Bolognesi e conta a história de um guerreiro imortal, que reencarna de tempos em tempos para reencontrar o amor de sua vida e conduzir importantes revoltas populares, em diferentes pontos do país. Sua primeira encarnação acontece entre os índios, que lutam contra portugueses, considerados por eles os enviados de Anhangá (um demônio para a mitologia indígena). No segundo ato, o personagem dublado por Selton Mello participa da Revolta dos Balaios e, no terceiro, é um estudante envolvido no combate à ditadura. Já na última parte, o diretor traça um Rio de Janeiro futurista, envolto numa guerrilha pelo controle da água.

Raposa sorrindo em cena de O Fantástico Sr. Raposo

O Festival de Annecy tem entre seus vencedores um histórico de animações adultas e com mensagens sociais ou políticas relevantes, mais do que superproduções com alta tecnologia em efeitos visuais. Exemplo disso é o longa romeno premiado em 2012: Crulic, de Anca Damian, que narra a história de um prisioneiro em greve de fome. Já em 2011, o vencedor foi O Gato do Rabino, uma comédia israelense que discute religião e valores morais. Outros filmes mais conhecidos do público também já foram destacados em Annecy, como O Fantástico Sr. Raposo, de Wes Anderson (2010), Mary e Max, de Adam Elliot (2009), James e o Pêssego Gigante e Coraline, ambos de Henry Selick (1997) e Porco Rosso, do mestre japonês Hayao Miyasaki (1993).

 

 

Atualizado em 20 Jun 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Mostra Internacional de Cinema de São Paulo revela pôster e primeiras atrações

Vencedores da Palma de Ouro e do Festival de Toronto são destaques entre os filmes confirmados na programação

Estreias da semana: "Mãe!", "Esta é a Sua Morte – O Show" e mais 6 filmes

Suspense de Darren Aronofsky com Jennifer Lawrence promete dividir opiniões

“Ensaio Sobre a Cegueira” tem sessão gratuita com debate no MIS

Filme será acompanhado por bate-papo com historiadora

Final da Copa do Brasil será exibida nos cinemas

Rede Cinemark transmite o jogo ao vivo no dia 27 de setembro

"Tomb Raider" com Alicia Vikander no papel de Lara Croft ganha primeiro trailer; assista!

Novo filme da franquia tem estreia prevista para março de 2018

13 objetos de decoração que vão deixar sua casa mais cinéfila

De quadro interativo a almofada para pipoca, confira os itens que não podem faltar no seu cafofo