Guia da Semana
Cinema
Por Redação Guia da Semana

Tróia

Na Grécia Antiga, o rapto da rainha Helena provoca uma guerra entre gregos e troianos. Com Brad Pitt e Orlando Bloom.

Tróia

Diretor: Wolfgang Petersen

Elenco: Brad Pitt, Orlando Bloom

País de origem: EUA

Ano de produção: 2004

Classificação: 14 anos

Depois de muitas guerras fratricidas, parece que finalmente os gregos se acertaram - mesmo porque Agamenon (Brian Cox), o rei de Micenas, se impôs sobre todos os outros. Nas suas fileiras, ele conta com o mais famoso dos guerreiros, Aquiles (Brad Pitt), sobre o qual correm lendas de que ele seria imortal. Mas o soldado, que tem seu próprio esquadrão, os mirmidões, não vê o monarca com bons olhos: afinal, Agamenon é um déspota ambicioso e arrogante. O irmão de Agamenon é Menelau, rei de Esparta. Ele selou um pacto de amizade com Tróia, mas a paz durará pouco. O príncipe troiano Páris (Orlando Bloom) raptou a rainha Helena (Diane Kruger, que pode não ser a mulher mais bela do mundo, mas enche os olhos) e a levou para o outro lado do Mar Egeu.

Insultado, Menelau recorre ao irmão e pede que todos os gregos se unam contra os troianos. É a chance ideal para Agamenon, pois apenas Tróia ainda não estava sob seu poder. Mas para vencer é preciso convencer Aquiles a lutar, e quem se encarrega do trabalho é Ulisses (Sean Bean), o rei de Ítaca. Quando dezenas de milhares de gregos desembarcam nas praias troianas (numa versão antiga do Dia D), o rei Príamo (Peter O´Toole) se preocupa, mas conta com suas muralhas nunca vencidas antes. E com a liderança de seu filho mais velho e excepcional guerreiro, Heitor (Eric Bana). Do lado grego, o pior inimigo pode estar dentro do seu próprio exército: o choque de personalidades entre Agamenon, que foi buscar riqueza, e Aquiles, que deseja a glória.

Tróia entrega menos do que promete. Pelo menos nos créditos está escrito apenas "inspirado na Ilíada", porque da obra de Homero restou pouco, além dos personagens e da guerra. As divindades gregas, parte importante do poema épico (no livro, é por causa de uma disputa entre deusas que Páris fica com Helena), nem dão as caras, exceto Tétis, mãe de Aquiles, que no longa está mais para vidente que deusa. Sem a mitologia, certas coisas (que não podem ser reveladas aqui) perdem o sentido. E, com primos e romances entre gregos e troianos entrando no rolo, o filme vira um "Shakespeare encontra Homero". O enredo não exige muita habilidade dramática do talentoso Brad Pitt, exceto na cena com Príamo. Sobram os efeitos especiais e as cenas de batalha - essas sim valem a pena, embora não sejam do calibre de O Retorno do Rei.

(Resenha por Marcio Antonio Campos)


Notícias recomendadas

Saiba tudo sobre a 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Cinema

Filme 'Convenção das Bruxas' ganha trailer e pôster em português; confira!

Cinema

12 filmes imperdíveis do festival de documentários "É Tudo Verdade"

Cinema

10 festivais de cinema para ver online em 2020

Cinema

5 motivos para conferir a 9ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema

Cinema

Pipoca com sabor inspirado nas sobremesas do Outback entra no cardápio do Drive Park por tempo limitado; saiba tudo!

Cinema
Guia da Semana Premium
Nosso conteúdo na melhor forma!

Aproveite o Guia da Semana de forma mais rápida, sem banners ou publicidade digital!