Guia da Semana
Exposição
Por Rafaela Piccin

Cinco bons motivos para visitar a exposição 'David Bowie Is'

Depois de estrear em Londres, Brasil é o primeiro país da América Latina a receber a mostra.

Saiba o que te espera na exposição do astro do glam-rock (Divulgação)

A exposição David Bowie Is, que começa no dia 31 de janeiro, no Museu da Imagem e do Som - MIS, merece a visita tanto de fãs como daqueles que pouco conhecem o artista. Isso porque a carga de cultura – segmentada em música, teatro, literatura, vídeo e história – é densa e altamente qualificada.

+ Veja as exposições imperdíveis em São Paulo
+ Saiba quais museus têm a entrada grátis em cada dia da semana
+ Conheça os musicais que vão agitar a cidade em 2014
+ Veja as estreias no teatro desta semana em São Paulo

O MIS foi o primeiro centro cultural do mundo a se interessar pela exposição após sua temporada no Victoria & Albert Museum, em Londres, e é o primeiro país da América Latina a realizar a parceria com o Reino Unido.

A trajetória de Bowie é dividida em diversas salas e instalações, que possuem desde seus figurinos emblemáticos até livros que o influenciaram suspensos no ar. Além de absorver um pouco da história mundial e da música, o espectador encontra, ao mesmo tempo, a megalomania e o minimalismo de suas várias fases e personas, retratadas na exposição da mesma forma caleidoscópica que o ícone vive.

O Guia da Semana, que já visitou - e amou - a mostra, listou cinco bons motivos para você não deixar de conferir a exposição David Bowie Is. Confira:

O visitante sente-se muito próximo de Bowie

A criatividade e o nonsense de Bowie são tão aprofundados e explicados, seja por textos, imagens ou vídeos, que o espectador compreende mais facilmente a mente brilhante do artista e, de tanta informação disponibilizada, sente-se muito mais próximo do cantor. O visitante descobre suas influências e pode criar uma identificação imediata, como ocorre quando fãs de Kubrick descobrem a relação de admiração/crítica de Bowie para com o diretor.

Ziggy Stardust já incorporou o filme 'Laranja Mecânica' a uma das turnês, que tocava sempre a música-tema do longa antes do início dos shows. Além disso, ele e sua banda foram fotografados em poses que imitavam o cartaz do filme.

Instalações criativas

A sampleada “Starman”, que, no Brasil, ganhou versão da banda Nenhum de Nós com o título “O Astronauta de Mármore”, tem um espaço especial dedicado a ela. O vídeo da canção, na qual Bowie veste o macacão colorido, é reproduzido copiosamente e geometricamente pelas paredes de espelhos que vão do teto ao chão. O espectador é muito bem recebido e partilha o espetáculo com o manequim que usa o figurino original.

Cerca de 50 figurinos originais

O figurino extravagante da apresentação no 'Saturday Night Life', em 1979, é uma das quase 50 roupas que a mostra possui. Foi feito a partir da influência de Bowie em duas peças de teatro dadaísta: uma performance de Tristan Tsara em “O Coração a Gás”, de 1923, e uma recitação de Hugo Ball, em 1916. O modelo foi idealizado pelo cantor e concretizado pela artista e designer Sonia Delaunay.

A exposição é uma aula sobre Bowie

Esta é a imagem original da capa do disco, exposta na mostra. O álbum é influenciado pelo livro “1984”, de George Orwell. O cantor ficou fascinado pela sociedade descrita na trama e quis fazer um musical com base no clássico da literatura. Como os detentores dos direitos autorais de Orwell negaram a reprodução, Bowie desenvolveu sua história de jovens violentos (os Diamond Dogs), que vagavam pela Hunger City, e apresentou sua versão em formato de show. O espetáculo rompeu barreiras, assim como grande parte de seus trabalhos, e inovou no “teatro de rock”, sendo um dos principais shows do artista. Inclusive foi a única turnê na qual o astro se apresentou com uma máscara do clássico raio que marcou sua imagem.

O passeio é uma viagem que abre a mente

Bowie é um eterno Rebel. A transgressão sexual, a inovação nos estilos, nas artes e na forma de antecipar e criar tendências mostram-no como alguém a ser interpretado e ressignificado de acordo com cada um. O espectador percebe que a primeira frase que aparece na exposição se mantém viva ao longo dela e segue como conclusão:

"Toda arte é instável. Seu significado não é necessariamente aquele sugerido pelo autor. Não existe voz autoritária. Só existem múltiplas leituras" (David Bowie).


Por Rafaela Piccin

Atualizado em 19 Fev 2014.

Mais notícias

Feira de arte virtual 'Not Cancelled BRASIL' reúne 57 galerias até 8 de julho; saiba tudo!

Exposição

Museu da Diversidade Sexual inaugura primeira mostra digital com obras de artistas LGBTI+; saiba tudo

Exposição

Exposição do Castelo Rá-Tim-Bum no MIS tem tour virtual; saiba tudo!

Exposição

Tour virtual: explore o Instituto Inhotim sem sair de casa

Exposição

Tour virtual: conheça o museu dos estúdios Ghibli

Exposição

Confira a programação imperdível da Museum Week e Semana Nacional dos Museus

Exposição